Contos de fada e as mulheres: ressignificando leituras / Fairy tales and women: giving new meaning to readings

Vejane Gaelzer, Raquel Moreira, Ana Maria de Almeida Lunardi, Gabriela Basso Zanella

Abstract


Para entendermos os discursos que circulam ainda hoje sobre a mulher nas diferentes esferas da nossa sociedade, precisamos antes entender os mecanismos de construção desses discursos, especialmente a construção da imagem do que é ser mulher e papel que estas desenvolveram ao longo da história. Neste viés, o presente artigo tem o objetivo de analisar a construção discursiva do papel da mulher nas relações sociais, observando os discursos a ela atrelados, os quais lhes determinam um lugar social. Para tal análise, foram tomados por base os pressupostos teóricos de Mikhail Bakhtin (2004) e Michel Pêcheux (1997), além da releitura do conto de fadas Cinderela, como materialidade analítica. Deste modo, ao tratarmos do sujeito-mulher, deparamo-nos com um sujeito marcado por discursos patriarcais que ainda não lhe permitem relações igualitárias, antes refletem e mascaram situações de preconceito explícito e implícito nas diferentes práticas sociais, destinando a elas submissão. Entretanto, é inegável que mudanças foram conquistadas ao longo da história e que possibilitam - pelo menos a algumas - vidas mais dignas.  Portanto, pode-se concluir que, aos poucos, o sujeito-mulher conquista seu espaço e sua voz ecoa, quebrando silêncios seculares.

 


Keywords


discurso; papéis sociais; mulher.

References


BAKHTIN, M.; VOLOCHINOV, V N. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 6. ed. São Paulo: HUCITEC, 2004.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. Trad.: Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

CINDERELA. Disponível em https://pt.wikipedia.org/wiki/Cinderela. Acesso em: 17 agos. 2019.

CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL DE 1934. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 10 jun. de 2019.

CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL de 1946. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 10 de agosto de 2019.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 10 de agos. 2019.

CONSTITUIÇÃO POLÍTICA DO IMPÉRIO DO BRASIL CARTA DE LEI DE 25 DE MARÇO DE 1824. Disponível em: https://www.monarquia.org.br/PDFs/CONSTITUICAODOIMPERIO. Acesso em: 17 agos. 2019.

COSTA, Geni V. Moura. A idosa na mídia impressa: dialogismo e valoração. Brazilian Journal of Development. Curitiba, v. 6, n. 7, p. 52114-53136 jul. 2020.

FERREIRA, Maria M.; DIAS, Marly J. S. et al. Direitos iguais para sujeitos de direitos: empoderamento de mulheres e combate à violência doméstica. São Luis: Edufma, 2016, p. 24.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. Marisa Lajolo (Org.) São Paulo: Moderna, 2003.

LEI MARIA DA PENHA. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Lei_Maria_da_Penha Acesso em: 17 de agos. 2019.

LEI Nº 4.121, DE 27 DE AGOSTO DE 1962. Disponível em https://www.camara.leg.br Acesso em: 14 agos. 2019.

LOBATO, Ladyana dos Santos; SARMENTO-PANTOJA, Carlos Augusto. Relações de dominação/subordinação de gênero no conto de fada tradicional “Cinderela”. Campina Grande: Realize, 2012.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Ed. Unicamp, 1997.

_________. O discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni Orlandi. Campinas, SP: Campinas, 2010.

PERROT, Michelle Os excluídos da história: Operários, mulheres, prisioneiros. São Paulo, Paz e Terra, 1988. Coletânea de artigos organizados por M. Stella Brescianni.

TEDESCHI, Losandro Antonio. As mulheres e a história: uma introdução teórica metodológica. Dourados. MS: Ed.UFGD, 2012.

TILVITZ, Laura Eduarda Nonemacher. A princesa que virou... ela mesma. Jornal Gazetta Regional, 12 de outubro 2019. p. 9.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-566

Refbacks

  • There are currently no refbacks.