Indicadores Antropométricos e Hábitos de vida: Sucessão de fatores de risco cardiovascular, no interior da Amazônia / Anthropometric indicators and life habits: Succession of cardiovascular risk factors, inside the Amazon

Antonio Saulo Leão Pantoja, Aline Patrícia Garcia Liberal, Andréa de Sousa Costa, Lene Safira Gonçalves Pinheiro, Caroline Gomes Macêdo

Abstract


As doenças cardiovasculares são uma das principais causas de morte entre os brasileiros. A associação de dois ou mais fatores de risco aumenta a probabilidade de desenvolver tais doenças, como em pacientes hipertensos e/ou diabéticos atendidos pelo programa HIPERDIA. Neste sentido, buscou-se elucidar os fatores de risco apresentados por pacientes atendidos pelo HIPERDIA em uma Unidade Básica de Saúde, considerando o perfil nutricional. Foi realizado um estudo descritivo com delineamento transversal, com a participação de 56 voluntários, sendo 11 homens e 45 mulheres, entre 36 e 82 anos, acompanhados pelo HIPERDIA na UBS do bairro do Diamantino, entre setembro e outubro de 2018. Avaliou-se as medidas antropométricas dos pacientes: índice de massa corpórea (IMC) e circunferência da cintura (CC). Os pacientes apresentaram média de idade 62,1 anos; peso médio de 68,6 Kg; altura média: 154,7 cm; IMC médio: 28,2 Kg/m²; circunferência da cintura média: 95,79 cm. Homens: IMC médio de 26,6 e CC média 98,3. Mulheres: IMC médio de 28,6 e CC média 95,1. Em relação ao IMC, 26,8% são considerados peso adequado, 33,9% pré-obesos, 33,9% obesos CI, 5,4% obesos CII. Em relação a CC, 89,3% dos pacientes estavam acima dos valores estipulados como ideais. 23 pacientes têm atividades físicas como lazer de preferência; praticando 3 dias na semana. Há prevalência no consumo de alimentos considerado saudáveis. 37 pacientes recebem apenas 1 salário mínimo. Os pacientes do HIPERDIA apresentam perfil nutricional de sobrepeso ou obesidade, além de alto valor de CC, estando mais propensos a desenvolver doenças cardiovasculares.


Keywords


Hipertensão, Diabetes mellitus, Circunferência da cintura, Cardiopatias.

References


Filho JRN, Debastiani D, Nunes AD, Peres KG. Prevalência de fatores de risco cardiovascular em adultos de Luzerna, Santa Catarina, 2006. Arq Bras Cardiol 2007; 89(5) : 319-324

Siqueira ASE, Siqueira-Filho AG, Land MGP. Análise do Impacto econômico das doenças cardiovasculares nos últimos cinco anos no Brasil. Arq Bras Cardiol. Rio de Janeiro, V.19, nº1, p.39-46, 2017

Massa KHC, Duarte YAO, Filho ADPC. Análise da prevalência de doenças cardiovasculares e fatores associados em idosos, 2000 - 2010. Ciênc. saúde colet. 24 (1) Jan 2019

Sociedade Brasileira de Cardiologia. Atualização da Diretriz de Prevenção Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia – 2019. Arq Bras Cardiol. 2019; [online].ahead print, PP.0-0.

Go AS et al. Heart Disease and Stroke Statistics - 2014 Update. A Report From the American Heart Association. Circulation, v. 129, n. 3, p. 399-410, jan. 2014

Pohl HH, Arnold EF, Dummel KL, Cerentini TM, Reuter EM, Reckziegel MB. Indicadores antropométricos e fatores de risco cardiovascular em trabalhadores rurais. Rev Bras Med Esporte.V.24, nº 1, p 64-68. 2018

Radovanovic CAT, Santos LA, Carvalho, MD, Marcon SS. Hipertensão arterial e outros fatores de risco associados às doenças cardiovasculares em adultos. Rev. Latino-Am. Enfermagem [online]. 2014, vol.22, n.4, pp.547-553

Departamento de informática do SUS (DATASUS). HIPERDIA – Sistema de Cadastramento e Acompanhamento de Hipertensos e Diabéticos. Disponível em: http://www.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=060304. Acesso em: 21 de maio de 2020

Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. IBGE. Pesquisa de saúde 2013: Manual de antropometria. Brasília: Ministério do Planejamento e Gestão, 2013. p 13

Lean ME, Han TS, Morrison CE. Waist circumference as a measure for indicating need for weight management. BMJ. 1995;311:158-61

Organização Mundial da Saúde. Obesidade: prevenindo e controlando a epidemia global. São Paulo: Roca; 2004

Mota TA, Alves MB, Silva VA, Oliveira FA, Brito PMC, Silva RS. Fatores associados à capacidade funcional de pessoas idosas com hipertensão e/ou diabetes mellitus. Esc Anna Nery 2020;24(1):e20190089.

Souza CS, Stein AT, Bastos GAN, Pellanda LC. Controle da Pressão Arterial em Hipertensos do Programa Hiperdia: Estudo de Base Territorial. Arq Bras Cardiol. 2014; 102(6):571-578.

Soares MC, Franco SC, Fernandez DBC, Tavares LSA. Perfil dos idosos cadastrados no HIPERDIA em uma Unidade Saúde da Família do município de Belém-PA. Para Res Med J. 2017;1:(1)e06.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa nacional de saúde: 2013 : acesso e utilização dos serviços de saúde, acidentes e violências: Brasil, grandes regiões e unidades da federação. IBGE [Internet]. 2015; [Acesso em 22 de maio de 2020]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br.

Sarno F, Bittencourt CAG, Oliveira SA de. Perfil de pacientes com hipertensão arterial e/ou diabetes mellitus de unidades de Atenção Primária à Saúde. Einstein (São Paulo). 2020;18:1-6

I Posicionamento Brasileiro em Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus. Arq Bras Cardiol. 2013; 100(6):491-501.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2018. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis [Internet]. 2019; [Acesso em 22 de maio de 2020]. Disponível em: http:// http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2018_vigilancia_fatores_risco.pdf.

Melo MA, Tassitano RM, Petribu MMV, Santos EMC, Melo NS, Leal VS, et al. Habilidade de índices antropométricos em identificar inflamação subclínica como fator de risco cardiovascular em diabéticos. Braz. J. of Develop.,Curitiba, v. 6, n.4,p.22220-22236 apr. 2020.

Oliveira APSV, Silva MM. Fatores que dificultam a perda de peso em mulheres obesas de graus I e II. Rev. Psicol. Saúde. 2014;6(1): 74-82.

Leocádio P, Menta P, Dias M, Fraga J, Goulart A, Santos I, Lotufo P, Bensenor I, et al. Níveis Elevados de Netrina-1 e IL-1? em Mulheres Idosas com SCA: Pior Prognóstico no Acompanhamento de Dois Anos. Arq Bras Cardiol. 2020; 114(3):507-514.

Castanho VS, Nakamura RT, Pinto-Neto AM, Faria EC De. Tratamento Pós-Menopausa Reduz a Atividade da Catalase e Atenua o Risco Cardiovascular. Arq Bras Cardiol 2012;99(5):1008-1014.

Melo JB, Campos RCA, Carvalho PC, Meireles MF, Andrade MVG, Rocha TPO, et al. Fatores de Risco Cardiovasculares em Mulheres Climatéricas com Doença Arterial Coronariana. Int J Cardiovasc Sci. 2018;31(1)4-11.

Carvalho CA, Fonseca PCA, Barbosa JB, Machado SP, Santos AM, Silva AAM. Associação entre fatores de risco cardiovascular e indicadores antropométricos de obesidade em universitários de São Luís, Maranhão, Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2015;20 (2)479-490.

Barroso TA, Marins LB, Alves R, Gonçalves ACS, Barroso SG, Rocha GS. Associação Entre a Obesidade Central e a Incidência de Doenças e Fatores de Risco Cardiovascular. Int J Cardiovasc Sci. 2017;30(5):416-424.

Glaner MF, Pelegrini A, Nascimento TBR. Perímetro do abdômen é o melhor indicador antropométrico de riscos para doenças cardiovasculares. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2011, 13(1):1-7.

Mota JP, Rinaldi AEM, Pereira AF, Orsatti FL, Burini RC. Indicadores antropométricos como marcadores e risco para anormalidades metabólicas. Ciênc. saúde coletiva. 2011;16(9):3901-3908.

Souza PAL, Fayh APT, Portal VL. Circunferência Abdominal como Preditor de Evolução em 30 dias na Síndrome Coronariana Aguda. Arq. Bras. Arq Bras Cardiol 2011;96(5):399-404.

Pereira IFS, Vale D, Bezerra MS, Lima KC, Roncalli AG, Lyra CO. Padrões alimentares de idosos no Brasil: pesquisa nacional de saúde, 2013. Ciênc. saúde coletiva vol.25 no.3 Rio de Janeiro Mar. 2020 Epub Mar 06, 2020

Francisco PMSB, Segri NJ, Borim FSA, Malta DC. Prevalência simultânea de hipertensão e diabetes em idosos brasileiros: desigualdades individuais e contextuais. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2018, vol.23, n.11, pp.3829-3840

Junior UESR, Fernandes RCP. Hipertensão arterial em trabalhadores: o efeito cumulativo das dimensões da atividade física sobre esse agravo. Arq Bras Cardiol. 2020; 114(5):755-761

Campos ACV, Cordeiro EC, Rezende GP, Vargas AMD, Ferreira EF. Qualidade de vida de idosos praticantes de atividade física no contexto da estratégia de saúde da família. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2014 Out-Dez; 23(4): 889-97

Gomes AP, Soares ALG, Gonçalves H. Baixa qualidade da dieta de idosos: estudo de base populacional no sul do Brasil. Ciênc. saúde colet. 21 (11) Nov 2016

Silva DC, Rocha FA, Lania MB, Baldin AD, Machado JF. Estratégias nutricionais diante de uma investigação de riscos coronarianos por meio de medidas antropométricas em indivíduos com excesso de peso. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo v. 13. n. 82. p.950-959. Nov./Dez. 2019

Lovatto AW, Molz P, Franke SIR. Fatores associados ao consumo de frutas, verduras e alimentos industrializados em idosos. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. v. 13. n. 82. p.984-991. Nov./Dez. 2019

Vieira AM, Gomes AS, Vieira RAL, Silva FC, Previato HDRA, Volp ACP. Associação entre medidas antropométricas e de composição corporal com os componentes da síndrome metabólica e índice de qualidade da dieta em adultos com excesso de peso. Demetra; 2016; 11(2); 399-413

Flores TR, Nunes BP, Assunção MCF, Bertoldi AD. Hábitos saudáveis: que tipo de orientação a população idosa está recebendo dos profissionais de saúde? Rev bras epidemiol jan-mar 2016; 19(1): 167-180

Simões MO, Dumith SC, Gonçalves CV. Recebimento de aconselhamento nutricional por adultos e idosos em um município do sul do Brasil: estudo de base populacional. Rev bras epidemiol 2019; 22: e190060

Souza AM, Pereira MHQ, Teles BKA, Souza AL, Pereira DS, Pereira MLAS. Marcadores de risco cardiovascular em idosos da Estratégia de Saúde da Família. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n.6, p. 36094-36109 jun. 2020.

Passos MF, Lima TS, Ormond LS. Indicadores de riscos cardiovasculares em Barreiras – BA. Revista das Ciências da Saúde e Ciências aplicadas do Oeste Baiano-Higia. 2020; 5(1): 224-239




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-745

Refbacks

  • There are currently no refbacks.