A Matemática por Militares Maranhenses no período Oitocentista / The Mathematics by Military men of Maranhão during the Eighth century

Waléria de Jesus Barbosa Soares

Abstract


Apresentamos uma investigação sobre os maranhenses, professores de matemática, autores de livros de matemática e ainda, militares que estiveram envolvidos com o ensino de matemática no período oitocentista. Nesse contexto, apresentamos: Fernando Luiz Ferreira, Alfredo Cândido de Moraes Rego e Antônio Gabriel de Moraes Rego. Através de suas histórias de vida objetivamos construir um texto biográfico até onde os dados permitiram resgatar, além de tecer considerações sobre suas vidas profissionais envolvidas pela publicação de suas obras. O presente texto, de metodologia qualitativa, constitui uma pesquisa de abordagem documental, que utiliza fontes primárias dos arquivos da Biblioteca Pública Benedito Leite, do Arquivo Público do Estado do Maranhão, do Liceu Maranhense e do Arquivo Nacional do Rio de Janeiro. Estamos pautados teoricamente em Bittencourt (2004), Ferrarotti (2010), Paulilo (1999) e Valente (2008). Acreditamos que descortinar histórias de vida de autores de livros de matemática aproxima-nos do entendimento de como se construiu o ensino de matemática por militares no local e tempo investigados – contribuindo, portanto, para compor um quadro do Brasil.


Keywords


Militares, Autores/Professores de matemática, História de vida, História de vida profissional.

References


BITTENCOURT, C. M. F. Autores e editores de compêndios de livros de leitura (1810-1910), Educação e Pesquisa, 30(3), pp. 475-491, set/dez 2004.

BLAKE, A. V. A. S. Diccionario Bibliographico Brazileiro. V. 7. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1883.

CASTRO, C. Os militares e a república: um estudo sobre cultura e ação política. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 1995.

CHOPPIN, A. “Passado y presente de los manuales escolares”. In: BERRIO, J. R. La cultura escolar de Europa - Tendências históricas emergentes. (Memória y critica de La Educacioón). Madrid: Biblioteca Neva, 2000. pp. 107-141.

FERRAROTTI, F. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

JORNAL DIÁRIO DO MARANHÃO, São Luís, 04/01/1858, p. 4.

JORNAL PACOTILHA, São Luís, 15/01/1885, p. 1.

JORNAL PUBLICADOR MARANHENSE, São Luís, 16/09/1868, p. 3.

JOSÉ, E. Memória, cultura e literatura – O prazer de ler e recriar o mundo. São Paulo: Paulus Editora, 2012.

MARQUES, C. A. Dicionário histórico, geográfico da província do Maranhão. Rio de Janeiro: Fon-Fon e Seleta, 1870.

PAULILO, M. A. S. A Pesquisa Qualitativa e a história de vida. In: Serviço Social em Revista, Londrina, v. 2, n. 1, pp. 1-153, jul/dez, 1999.

SCHUBRING, G. Análise histórica de livros de matemática: notas de aula. Campinas: Autores Associados, 2003.

SILVA, C. M. S. O livro didático de Matemática no Brasil no século XIX. In: JOHN, A. F. Facetas do diamante: Ensaios sobre educação Matemática e história da Matemática. Rio Claro – SP: Editora SBHMAT, 2000. pp. 109-161.

SOARES, W. J. B. XIX – uma história, uma cidade e os primórdios da matemática escolar. Curitiba: Editora Appris, 2018.

SOUZA, D. M. Autoridade, autoria e livro didático. In: CORACINI, M. J. (Org.) Interpretação, autoria e legitimação do livro didático. Campinas: Pontes, 1999.

VALENTE, W. R. Quem somos nós, professores de matemática? Cad. Cedes, Campinas, v. 28, n. 74, pp. 11-23. jan/abr,, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-733

Refbacks

  • There are currently no refbacks.