Gestão e perpetuidade dos empreendimentos da agricultura familiar: Um estudo no município de Pinhalzinho/SC/BR / Management and perpetuity of family agriculture developments:A study in the municipality of Pinhalzinho/SC/BR

Patricia Ines Schwab, Enise Barth, César Augustus Winck

Abstract


 

O objetivo deste estudo é compreender se o uso do crédito rural, via Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf),pode contribuir na melhoria da gestão dos empreendimentos da agricultura familiar e na perpetuidade destes, especificamente no município de Pinhalzinho/SC - Brasil. Os empreendimentos rurais, de forma geral, e os de agricultura familiar, em particular, demandam práticas de gestão eficientes, eficazes e efetivas que sejam capazes de assegurar sua sustentabilidade no atual contexto socioeconômico. A sucessão rural torna-se um dos principais desafios na dinâmica da agricultura familiar, sobretudo no que diz respeito às condições de permanência da juventude no campo. A pesquisa descritiva de caráter qualitativa foi realizada em três empreendimentos familiares rurais em distintos estágios do processo sucessório. Os entrevistados foram predecessores e sucessores das propriedades agrícolas, além de atores sociais de organizações ligadas ao meio rural local. Os resultados do estudo confirmam que o Pronaf se apresenta como um instrumento estratégico capaz de desenvolver, economicamente e socialmente o empreendimento rural, bem comoo municípioe o território na perspectiva do desenvolvimento sustentável, trazendo novas perspectivas e oportunidades para essa classe social. O crédito rural promove melhorias na gestão dos empreendimentos rurais, evidenciando avanços, principalmente no tocante ao planejamento e organização das atividades produtivas, bem como no conhecimento dos custos de investimento e obrigações financeiras, mesmo que ainda de modo informal. No que diz respeito à sucessão familiar e a permanência do jovem no campo, o Pronaf tem executado papel decisivo ao estimular, por meio dos investimentos, a atratividade do empreendimento familiar, viabilizando acesso as novas tecnologias, modernizando e, por conseguinte, viabilizando a propriedade. Conclui-se que os empreendimentos familiares rurais carecem de conhecimentos de gestão, tendo em vista que o Pronaf, bem como as instituições ligadas ao setor não tem contemplado assistência técnica administrativa, podendo comprometer a permanência do jovem no meio rural e a sucessão familiar, e por sua vez, a perpetuidade da agricultura familiar em municípios de pequeno porte como é o caso de Pinhalzinho/SC – Brasil.

 


Keywords


Pronaf. Gestão de Empreendimentos Rurais. Sucessão Familiar.

References


Abramovay, R. (1998). Juventude e agricultura familiar: Desafios dos novos padro?essucesso?rios. Brasi?lia, DF, Brasil: Edic?o?es UNESCO.

Abramovay, R., Silvestro, M. L., Mello, M., Dorigon, C., &Baldissera, I. (2001). Os impasses sociais da sucessão hereditária na agricultura familiar. Florianópolis: Epagri.

Abramovay, R. (2007). Paradigmas do capitalismo agra?rio em questa?o(3rd ed.). Sa?o Paulo, SP, Brasil: Edusp.

Banco Central do Brasil (2015). FAQ - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf. Retrieved September 28, 2018, from https://www.bcb.gov.br/pre/bc_atende/port/PRONAF.asp.

Batalha, M. O., & Silva, A. L. (2012). Gerenciamento de sistemas agroindustriais: Definições, especificidades e correntes metodológicas. In: M. O. Batalha (Coord.), Gestão Agroindustrial(3a ed.).(pp. 1-62). São Paulo: Atlas.

Brasil, Presidência da República. (1996). Decreto Nº 1.946 De 28 De Junho De 1996. Cria O Programa Nacional De Fortalecimento Da Agricultura Familiar – PRONAF. Retrieved September 28, 2018, from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D1946.htm.

Froehlich, J. M., & Diesel, V. (2009). Desenvolvimento rural: Tende?ncias e debates contempora?neos(2a ed.). Ijui?: Ed. Unijui?.

Grisa, C. (2012). Políticas públicas para a agricultura familiar no Brasil: produção e institucionalização das ideias. (Teses de doutorado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, Rio de Janeiro.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2006a). Estati?sticas do se?culo XX. RetrievedSeptember 28, 2018, fromhttps://seculoxx.ibge.gov.br/images/seculoxx/seculoxx.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2006b). Censo Agropecuário: Pinhalzinho. RetrievedSeptember 28, 2018, fromhttp://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=421290&idtema=3&search=santa-catarina|pinhalzinho|censo-agropecuario-2006.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010).Sinopse do censo demográfico 2010.RetrievedSeptember 28, 2018, fromhttp://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=421290&idtema=1&search=santa-catarina|pinhalzinho|censo-demografico-2010:-sinopse.

Lopes, L. D., & Nantes, J. F. (2006). Capacitação e empreendedorismo no setor rural. In: L. F. Soares & T. Queiroz (Orgs.), Agronegócio: Gestão e inovação(pp. 365-393). São Paulo: Saraiva.

Lourenzani, W. L., & Souza Filho, H. M. D. (2005). Gestão integrada para a agricultura familiar. In: H. M. D. Souza Filho & M. O. Batalha (Orgs.), Gestão integrada da agricultura familiar (pp. 68-93).São Carlos: EDUFSCAR.

Maximiano, A. C. (2009). Introduc?a?o a? administrac?a?o(7th ed.). Sa?o Paulo: Atlas.

Mello, M. A., Abramovay, R., Silvestro, M., Dorigon, C., Ferrari, D. L., & Testa, V. M. (2003). Sucessão hereditária e reprodução social da agricultura familiar. Agricultura em São Paulo, 50(1), 11-24.

Ministério do Desenvolvimento Agrário.(2016a) Programas: Crédito Rural - Pronaf. Retrieved September 28, 2018, from http://www.mda.gov.br/sitemda/secretaria/saf-creditorural/sobre-o-programa.

Ministério do Desenvolvimento Agrário. (2016b, May 04). Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/2017 tem investimento recorde. Retrieved September 28, 2018, from https://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/plano-safra-da-agricultura-familiar-2016-2017-tem-investimento-recorde-143849.

Nantes, J. F. D., &Scarpelli, M. (2012). Elementos de gestão na produção rural. In: M. O. Batalha (Coord.), Gestão agroindustrial. (pp. 629-664). São Paulo: Atlas.

Niederle, P. A., Fialho, M. A. V., &Conterato, M. A. (2014). A pesquisa sobre agricultura familiar no Brasil-aprendizagens, esquecimentos e novidades. Revista de Economia e Sociologia Rural, 52, 9-24. doi:10.1590/s0103-20032014000600001.

Robbins, S. P., &Decenzo, D. A. (2004). Fundamentos da administrac?a?o conceitos essenciais e aplicac?o?es(4a ed.). Sa?o Paulo: Pearson Prentice Hall.

Schneider, S. (2009). Agricultura familiar e desenvolvimento rural endógeno: elementos teóricos e um estudo de caso. In: J. M. Froehlich& V. Diesel (Orgs.), Desenvolvimento Rural: Tendências e debates contemporâneos. (2a ed.). (pp. 19-67). Ijuí: Unijuí.

Stuani, C., Neckel, A., Alba, &Ficagna, V. O. (2016). Jovens Herdeiros: uma análise da sucessão familiarem pequenas propriedades rurais de Nova Araçá. In: Anais do9 Encontro de Estudos sobre Empreendedorismo e Gestãode Pequenas Empresas - EGEPE, Passo Fundo.Retrieved September 28, 2018, from http://www.egepe.org.br/2016/artigos-egepe/335.pdf.

Uecker, G. L., Uecker, A. D., Braun, M. B. S., & ECONOMISTA, P. (2005). A gestão dos pequenos empreendimentos rurais num ambiente competitivo global e de grandes estratégias. In:Anais do 43 Congresso da Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia, Ribeirão Preto. Retrieved September 28, 2018, from http://www.sober.org.br/palestra/2/429.pdf.

Veiga, J. E. (2007). O desenvolvimento agri?cola: Uma visa?ohisto?rica(2a ed.). Sa?o Paulo: Edusp.

Vergara, S. C. (2013). Projetos e relato?rios de pesquisa em administrac?a?o (14th ed.). Sa?o Paulo: Atlas.

Vilckas, M., & Nantes, J. F. (2006). Planejamento e agregação de valor nos empreendimentos rurais. In: L. F. S. Zuin& T. R. Queiroz (Orgs.), Agronegócios gestão e inovação(pp. 167-188). São Paulo: Saraiva.

Wanderley, M. D. (1999). Raízes históricas do campesinato brasileiro. In: J. C. Tedesco (Org.), Agricultura familiar:Realidades e Perspectivas (pp. 23-56). Passo Fundo: EDIUPF.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n6-186

Refbacks

  • There are currently no refbacks.