Uma questão de gênero na pós graduação stricto sensu no Estado do Amazonas / A gender issue on graduation programs in the State of Amazonas

Salvia de Souza Haddad, Aline de Souza Ribeiro, Mônica Mota Tassigny

Abstract


No Estado do Amazonas a participação das mulheres em curso de pós-graduação stricto sensu em Direito é de caráter marcadamente minoritário. Esta análise tem como objetivo verificar a diferença de gênero no ingresso e ascensão na produção científica em Direito no Estado do Amazonas, entre os anos de 2013 a 2018, e identificar os fatores que contribuem para essa desigualdade na ciência.  As coordenadorias de pós-graduação da Universidade Estadual do Amazonas e do Centro Integrado de Ensino Superior do Amazonas foram as fontes iniciais da pesquisa uma vez que são elas as duas intituições que oferecem programas de mestrado e doutourado na unidade da federação analisada. Este artigo tem como metodologia pesquisa bibliográfica e documental de abordagem qualitativa. Os resultados apontam significativa preponderância de ingresso dos homens em comparação com as mulheres. Há ainda estagnação das mulheres na ascensão da carreira se comparadas com a progressão profissional masculina, resultando na sub-representação das mulheres nas áreas de produção de conhecimento.


Keywords


ciência, participação feminina, mestrado, doutorado, Estado do Amazonas.

References


BIZARRIA, Fabiana Pinto de Almeida; TASSIGNY, Mônica Mota; FROTA, Antônio Jackson Alcântara; MOURA, Heber José de; BEZERRA, Alex Bizarria. "Sucesso na carreira na perspectiva de universitários". Revista Eletrônica Gestão e Serviços, Canoas, v. 9, n.1, p. 2164-2189, 2018.

BORGES, Elinielle Pinto. Gênero, ciência e contexto regional: analisando diferenças entre docentes da pós-graduação de duas universidades brasileiras. 2014. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Comunicação, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

CARVALHO, Ana Paula Soares. "As mulheres no campo científico: uma discussão acerca da dominação masculina". In: Seminário Fazendo Gênero, VII, 2006, Florianópolis, IUPERJ. Em: http://www.fazendogenero.ufsc.br/7/artigos/A/Ana_Paula_Soares_Carvalho_22.pdf. Acesso em 22.11.2018.

CHASSOT, Attico. A ciência é masculina? é sim senhora! São Leopoldo: Unisinos, 2003.

FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL. Disponível em https://www.weforum.org/. Acesso em: 01 nov. 2018.

GAMEIRO, Ian Pimentel. GUIMARÃES FILHO, Gilberto. "O mapa da pós-graduação em Direito no Brasil". Revista Direito GV, v. 13, n. 03, p. 891-920, 2017.

GEORGES, Isabel. "Entre a vida doméstica e a vida profissional: engenheiras no Brasil e na França". In: COSTA, et al (Org.) Mercado de trabalho e gênero: comparações internacionais. FGV: Rio de Janeiro, p. 245-261, 2008.

GONZÁLEZ GARCIA, Marta; PEREZ-SEDENO, Eulalia. "Ciencia, tecnologia y género". Revista Iberoamericana de Ciencia, Tecnologia, Sociedad y Innovación, n. 2, 2002.

HAYASHI, Maria Cristina Piumbato Innocentini; CABRERO, Rodrigo de Castro; COSTA, Maria da Piedade Resende de; HAYASHI, Carlos Roberto Massao. "Indicadores da participação feminina em Ciência e Tecnologia". Revista Transinformação, v. 19, n. 2, p. 169-187, 2007.

HIRATA, Helena Sumiko. "Novas configurações da divisão sexual do trabalho". Revista Tecnologia e Sociedade, v. 6, n. 11, p. 2557, 2010.

LETA, Jacqueline. "As mulheres na ciência brasileira: crescimento, contrastes e um perfil de sucesso". Estudos Avançados, v. 17, n. 49, p. 271-284, 2003.

LETA, Jacqueline et al. Equilíbrio nas tarefas dos docentes-pesquisadores no Brasil: uma questão de gênero? 2012. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

LOPES, Maria Margaret; SOUSA, Lia Gomes Pinto de; SOMBRIO, Mariana Moraes de Oliveira. "Construção da invisibilidade das mulheres nas ciências: a exemplaridade de Bertha Maria Júlia (1894-1976)". Gênero,Rio de Janeiro, v. 05, n. 1, p. 97-99, 2004.

MELO, Hildete Pereira de. RODRIGUES, Lígia M. C. S. Pioneiras da Ciência do Brasil. Rio de Janeiro, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, 2017.

MELO, Hildete Pereira de. “De Criadas a trabalhadoras”. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 323-357, 1998.

MUÑOZ, Lucía Saldaña. CAMPOS, Consuelo Campos. "Relações de gênero e organização em casais que trabalham fora de casa: execução vs. responsabilidade". Revista Estudos Femininas, Florianópolis, v. 26, n. 24, 2018.

MERTON, Robert. "The Mathew effect in science". Science, n. 3810, p. 159, 1968.

OLINTO, Gilda. "A inclusão das mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no Brasil" Inclusão Social, Brasília, v. 5, n. 1, p. 68-77, 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração do Milênio. Disponínel em http://C:/Users/ppt.salvia/Downloads/undp-br-declaracao_do_milenio.pdf. Acesso em 01/11/2018.

RIZAVI, Sayydi Salman. SOFER, Catherine. Trabalho doméstico e organização do tempo dos casais: uma comparação internacional. In: COSTA, et al. (Org.) Mercado de trabalho e gênero: comparações internacionais. FGV: Rio de Janeiro: p. 107-124, 2008.

RODRIGUES, Ronaldo de Oliveira. "Pós-graduação na Amazônia: o desafio de formar (em) redes". Revista Brasileira de Pós-Graduação RBPG, Brasília, v. 11, n. 23. p. 19-45, 2014.

ROMERO, Belén Agrela; VILLENA, Amalia Morales. Trabajo social y estudios de géreno. Vindicando un espacio científico propio.v. 26, n. 2, 2018.

ROSSITER, Margaret. "The Matthew Matilda Effect in Science". Social Studies of Science, v. 23, n. 2, p. 324-325, 1993.

SAFFIOTI, I. B. Heleith. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

SANTOS, A. M. Nunes dos; BENTO, M. Amália C.; AURETTA, Christopher. Mulheres na ciência: Lise Meitner, Maria Goeppert Mayer, Marie Curie. Lisboa: Grádiva, 1991.

SCHIEBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência? Bauru: EDUSC, 2001.

SILVA, Fabiane Ferreira da. Mulheres na ciência: Vozes, tempos, lugares e trajetórias. 2012. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências) - Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, RS, Brasil.

STAMATTO, Maria Inês Sucupira. "Um olhar na história: a mulher na escola (Brasil: 1549-1910)". In: Anais do II Congresso Brasileiro de História da Educação 2002: 1-11. Disponível em http://sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe2/pdfs/Tema5/0539.pdf. Acesso em 29 nov. 2018

TOSI, Lúcia. "Mulher e ciência e revolução científica: a caça às bruxas e a ciência moderna". Cadernos Pagu, Campinas, n. 10, p. 369-397, 1998.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-336

Refbacks

  • There are currently no refbacks.