Aneurisma de aorta abdominal, aspectos, patogenicidade, diagnóstico e terapia / Abdominal aortic aneurism, aspects, pathogenicity, diagnosis and therapy

José Anderson Correia de Assis, Marcos André Duque

Abstract


INTRODUÇÃO: Aneurisma da aorta abdominal, é um abaloamento causado pelo enfraquecimento da parede da artéria abdominal, esta dilatação da aorta se dá por diversos fatores como; a senilidade, tabagismo e distúrbios genéticos. Os tecidos que formam a artéria em si, enfraquecem e dilatam, dando origem ao aneurisma e consequentemente levando a uma possível ruptura. 

OBJETIVOS: Compreender a fisiopatologia e as opções de diagnóstico e tratamento, de forma a distinguir qual melhor procedimento, para um prognóstico positivo dos pacientes acometidos com Aneurisma de Aorta Abdominal.

MÉTODOS: Trata-se de um estudo de revisão de literatura realizada através de pesquisa de artigos científicos. A revisão de literatura se refere a um método que tem como objetivo a integração de informações, a partir de procedimentos explícitos e sistemáticos, visando identificar, analisar e avaliar os estudos publicados cientificamente que atendam aos critérios de elegibilidade estabelecidos.

RESULTADOS: Os aneurismas aórticos abdominais são tipicamente encontrados incidentalmente, através de ultrassom ou tomografia computadorizada. Os sintomas podem ser diversos ou até mesmo assintomático, dor lombar ou no centro do abdômen com uma tendência a ser pulsátil, é um dos sintomas mais queixados por pacientes. Pessoas na faixa de risco do aneurisma aórtico abdominal são geralmente pessoas acima dos 50 anos com histórico familiar, tabagismo ou doenças crônicas como; hipertensão, cardiopatias e aterosclerose. Através deste estudo é possível compreender a fisiopatologia e as opções de diagnóstico e tratamento, importantes para um prognóstico positivo.


Keywords


Aneurisma, Aorta, Dilatação, Abdominal, Ruptura.

References


BARBALHO, Sandra Maria et al . Síndrome metabólica, aterosclerose e inflamação: tríade indissociável?. J. vasc. bras., Porto Alegre , v. 14, n. 4, p. 319-327, Dec. 2015 . Available from . access on 23 Oct. 2020. Epub Dec 01, 2015. https://doi.org/10.1590/1677-5449.04315.

Barros FS, Pontes SM, Taylos MASA, et al. Rastreamento do

aneurisma da aorta abdominal na população da cidade de Vitória

(ES). J Vasc Bras. 2005; 4(1):59-65.

Boddy AM, Lenk GM, Lillvis JH, Nischan J, Kyo Y, Kuivaniemi H. Basic research studies to understand aneurysm disease. Drug News Perspect. 2008;21(3):142–148.

CARVALHO, Aquiles Tadashi Ywata de et al. Aneurisma da aorta abdominal infrarreal: importância do rastreamento em hospitais do Sistema Único de Saúde na região metropolitana de Salvador - Bahia. J. vasc. Bras., Porto Alegre, v. 11, n. 4, p. 289-300, dez. 2012. Disponível em:.Acesso em 26 abr. 2020. https://doi.org/10.1590/S1677-54492012000400007.

Climent, E., Benaiges, D., Chillarón, J. J., Flores-Le Roux, J. A., & Pedro-Botet, J. (2018). Diabetes mellitus as a protective factor of abdominal aortic aneurysm: Possible mechanisms. Clínica e Investigación En Arteriosclerosis (English Edition), 30(4), 181–187. doi:10.1016/j.artere.2018.01.001

sci-hub.tw/10.1016/j.artere.2018.01.001

COELHO, Andreia et al. Rotura de aneurisma da aorta abdominal na era do tratamento endovascular: validação unicêntrica de 2 algoritmos de previsão de risco. Angiol Cir Vasc, Lisboa, v. 13, n. 4, p. 15-21, dez. 2017. Disponível em: . Acesso em 26 abr. 2020.

Cooke JP, Bitterman H. Nicotine and angiogenesis: a new paradigm for tobacco-related diseases. Ann Med. 2004;36(1):33–40. Doi:10.1080/07853890310017576

Desjardins B, Dill KE, Flamm SD, Francois CJ, Gerhard-Herman MD, Kalva SP, Mansour MA, Mohler ER 3rd, Oliva IB, Schenker MP, Weiss C, Rybicki FJ; American College of Radiology. ACR Appropriateness Criteria® pulsatile abdominal mass, suspected abdominal aortic aneurysm. Int J Cardiovasc Imaging. 2013 Jan;29(1):177-83. doi: 10.1007/s10554-012-0044-2. Epub 2012 May 27. PMID: 22644671; PMCID: PMC3550697.

Dias RR, Camurça, FD, Alves CMR. Aneurismas verdadeiros da aorta: patogênese,

história natural, tratamento médico e timing de indicação cirúrgica. In: Serrano Jr. CV;

Timerman A; Stefanini, E. Tratado de cardiologia: SOCESP. Barueri: Editora Manole, 2ª.

Ed; 2009. p. 2010- 16.

Eliason JL, Upchurch GR Jr. Endovascular abdominal aortic aneurysm repair. Circulation. 2008;117(13):1738-44.

Estes EE: Abdominal aortic aneurysm: A study of one hundred and two cases. Circulation; 1950;2:258-64

Fearn S, Lawrence-Brown MMD, Semmens JB, Hartley D. Follow-up after endovascular aortic aneurysm repair: the plain radiograph has an essential role in surveillance. J Endovasc Ther. 2003;10:894–901.

Fink HA, Lederle FA, Roth CS, Bowles CA, Nelson DB, Haas MA. The accuracy of physical examination to detect abdominal aortic aneurysm. Arch Intern Med. 2000 Mar 27;160(6):833-6. doi: 10.1001/archinte.160.6.833. PMID: 10737283.

GOES JUNIOR, Adenauer Marinho de Oliveira et al . Achados incidentais de aneurismas torácicos e abdominais. J. vasc. bras., Porto Alegre , v. 15, n. 2, p. 106-112, jun. 2016 . Disponível em . acessos em 22 ago. 2020. https://doi.org/10.1590/1677-5449.007616.

GOLLEDGE, J. et al. Determinants of endothelial function in a cohort of patients with peripheral artery disease. Cardiology, v. 111, n. 1, p. 51-56, 2008.

GOMES, Fernando et al. Obesidade e doença arterial coronariana: papel da inflamação vascular. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo, v. 94, n. 2, p. 273-279, fev. 2010. Disponível em: . Acesso em 26 abr. 2020. https://doi.org/10.1590/S0066-782X2010000200021.

Guirguis EM, Barber GG. The natural history of abdominal

aortic aneurysms. Am J Surg. 1991;162(5):481-3. http://dx.doi.

org/10.1016/0002-9610(91)90266-G

Isselbacher EM. Doenças da aorta. In: Braunwald, E. Tratado de medicina

cardiovascular. São Paulo: Editora Roca, 7ª.ed; 2006. P. 1404-09.

Johansson G, Swedenborg J. Ruptured abdominal aortic aneurysms: a study of incidence and mortality. Br J Surg. 1986;73:101-3.

Kent KC. Clinical practice: abdominal aortic aneurysms. N Engl J Med. 2014;371(22):2101-8.

Khamanarong K, Prachaney P, Utraravichien A, Tong-Un T, Sripaoraya K. Anatomy of renal arterial supply. Clin Anat. 2004;17(4):334-6.

Khosla S, Morris DR, Moxon JV, Walker PJ, Gasser TC, Golledge J. Meta-analysis of

peak wall stress in ruptured, symptomatic and intact abdominal aortic aneurysms. BJS

; 101: 1350–1357. https://doi.org/10.1002/bjs.9578

Kitagawa A, Mastracci TM, von Allmen R, Powell JT. The role of diameter versus volume as the best prognostic measurement of abdominal aortic aneurysms. J Vasc Surg. 2013;58(1):258-65.

Ladich, E., Yahagi, K., Romero, M. E., & Virmani, R. (2016). Vascular diseases: aortitis, aortic aneurysms, and vascular calcification. Cardiovascular Pathology, 25(5), 432–441. doi:10.1016/j.carpath.2016.07.002

LIMA, Breno José Santiago Bezerra de. Anestesia para aneurismectomia de aorta abdominal infra-renal: experiência com 104 casos consecutivos no HCFMRP-USP. 2006. Dissertação (Mestrado de Ortopedia, Traumatologia e Reabilitação) -Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Université de São Paulo, Ribeirão Preto,2006. Doi:10.11606/D.17.2006.tde-09062011-155916. Acesso em: 23-03-2020

LORENZATO, Mário Müller et al. Aneurisma venoso na junção esplenomesentérica e emergência da veia porta: relato de caso. Radiol Bras, São Paulo, v. 42, n. 3, p. 199-201, jun. 2009. Disponível em . Acesso em 18 fev. 2020. https://doi.org/10.1590/S0100-39842009000300014.

MENDONCA, Célio Teixeira et al. Comparação entre os tratamentos aberto e endovascular dos aneurismas da aorta abdominal em pacientes de alto risco cirúrgico. J. vasc. Bras., Porto Alegre, v. 4, n. 3, p. 232-242, set. 2005. Available from . Acesso em 26 abr. 2020. https://doi.org/10.1590/S1677-54492005000300004.

MENEZES, Fábio Hüsemann; LUCCAS, George Carchedi; MATSUI, Irene Akie. Sobrevida tardia de pacientes submetidos à correção aberta eletiva de aneurisma de aorta abdominal. J. vasc. Bras., Porto Alegre, v. 6, n. 3, p. 218-224, set. 2007. Disponível em: . Acesso em 19 fev. 2020. https://doi.org/10.1590/S1677-54492007000300004

Mirza TA, Karthikesalingam A, Jackson D, Walsh SR, Holt PJ, Hayes PD, et al. Duplex Ultrasound and Contrast-Enhanced Ultrasound Versus Computed Tomography for the Detection of Endoleak after EVAR: Systematic Review and Bivariate Meta-Analysis. Eur J Vasc Endovasc Surg. 2010;39:418–28.

Pearce W. H., Annambhotla S., Rowe V. L., Bessman E., Brown D. F. M., Kaufman J. L., O’Connor R. E., Setnik G. TF. Abdominal Aortic Aneurysm. Medscape. 2014. Disponível em: http://emedicine.medscape.com/article/1979501- overview#a0101

PETERMANN, Xavéle Braatz et al. epidemiologia e cuidado à diabetes mellitus praticado na atenção primária à saúde: uma revisão narrativa. Saúde (Santa Maria), [S.l.], p. 49-56, jun. 2015. ISSN 2236-5834. Disponível em: . Acesso em: 26 abr. 2020. doi: http://dx.doi.org/10.5902/2236583414905.

Puech-Leão P, Molnar LJ, Oliveira IR, Cerri GG. Prevalência de aneurismas da aorta abdominal – um programa de detecção em São Paulo. São Paulo Med J. 2004;122(4):158-160.

Ramos J, Côrrea Netto A. Manual de propedêutica do abdomên. São Paulo, RG Serviços de imprensa ltda; 1935.

SA, Mauro Paes Leme de. A aorta, o tecido elástico e a necrose cística da média. Rev Bras Cir Cardiovasc, São José do Rio Preto, v. 26, n. 1, p. III-V, mar. 2011. Disponível em: . Acesso em 26 abr. 2020. https://doi.org/10.1590/S0102-76382011000100002.

Schermerhorn ML, Cronenwett JL. Aneurismas aorticos abdominais e ilíacos. 6ª ed Rio de Janeiro: Di Livros; 2007.

Scott RA, Bridgewater SG, Ashton HA. Randomized clinical trial of screening for abdominal aortic aneurysm in women. Br J Surg. 2002 Mar;89(3):283-5. doi: 10.1046/j.0007-1323.2001.02014.x. PMID: 11872050.

SILVA, Erasmo Simão da. Aneurisma da aorta abdominal: enquanto a cura não vem, a seleção do paciente para intervenção e qual intervenção é a questão! J. vasc. Bras., Porto Alegre, v. 13, n. 2, p. 79-82, jun. 2014. Disponível em: . Acesso em 26 abr. 2020. https://doi.org/10.1590/jvb.2014.040.

SILVESTRE, José Manoel da Silva et al. Tratamento endovascular do aneurisma da aorta abdominal infrarrenal em pacientes com anatomia favorável para o procedimento: experiência inicial em um serviço universitário. J. vasc. Bras., Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 31-39, mar. 2011. Disponível em:. Acesso em 26 abr. 2020. https://doi.org/10.1590/S1677-54492011000100006.

Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. Projeto Diretrizes - Aneurismas

da aorta abdominal diagnóstico e tratamento. 2015, 28p.

Svensson LG, Crawford ES. Cardiovascular and vascular disease of the aorta. Philadelphia, Saunders; 1997. p. 471.

url to share this paper:

sci-hub.tw/10.1016/j.carpath.2016.07.002

VIEGAS, K. A. S.; LANCCHINI, S. Injúria Vascular e Reestenose. In: KRIEDER, J.E. (Ed.). Bases moleculares das doenças cardiovasculares: a integração entre a pesquisa e a prática clínica. São Paulo: Atheneu, 2008, p. 415-432.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-619

Refbacks

  • There are currently no refbacks.