Estudo químico do chá de partes aéreas de amor-crescido (Portulaca pilosa L.) / Chemical study of love-grown aerial parts tea (Portulaca pilosa L.)

Mariana Sarkis Müller da Silva, Charles Alberto Brito Negrão, Marcelo de Oliveira Lima, Regina Celi Sarkis Müller, Antonio dos Santos Silva, Milton Nascimento da Silva

Abstract


 Plantas medicinais são consumidas em formas de chás pelo ser humana desde tempos remotos, nas mais diversas civilizações. Um chá de determinada planta medicinal pode ser útil no combate aos males que afligem a população, sendo, muitas vezes, o único recurso terapêutico disponível, principalmente para os integrantes das classes menos favorecidas da população, porém pode apresentar também algum malefício ao seu consumidor. Esse consumo sempre se baseou no conhecimento empírico das pessoas, sendo ainda escassos trabalhos científicos que colaborem com estudos sobre suas propriedades químicas, e, em especial, teores de metais em chás.  Neste trabalho, teores dos elementos minerais Al, Ba, Ca, K, Mg, Mn, Cr, Cu, Fe, Ni, Sr e Zn foram analisados em amostras de chás das partes aéreas da espécie amor-crescido (Portulaca pilosa L.), coletadas em períodos pluviométricos diferentes. As concentrações destes minerais foram determinadas via espectrometria de emissão ótica por plasma acoplado indutivamente (ICP OES). A composição mineral do chá nos dois períodos analisados (chuvoso e seco) apresentaram valores dentro dos limites permitidos para o consumo humano, a partir da ingestão de no máximo uma xícara de chá de 200 mL por dia, levando-se em consideração fatores dietéticos e a biodisponibilidade destes minerais em cada organismo.


Keywords


Metais, biodisponibilidade, ICP-OES.

References


AKSUNER, N., HENDEN, E., AKER, Z., ENGIN, E., SATIK, S. Determination of essential and non-essential elements in various tea leaves and tea infusions consumed in Turkey. Food Addit Contam. Part B 5, 126–132, 2012.

ALLOWAY, B. J. Heavy metals in soils. New York: John Wiley, p. 339, 1993.

ÁLVAREZ, E.; FERNANDÉZ-MARCOS, M. L.; MONTERROSO, C.; FERNANDÉZ-SANJURJO, M. J. Application of aluminium toxicity indices to soils under various forest species. Forest Ecology and Management, v. 211, p. 227-239, 2005.

AMARANTE, C. B. DO; MÜLLER, R. C. S.; DA SILVA, J. C. F.; MÜLLER, A. H. Avaliação da composição mineral do chá da folha senescente de Montrichardia linifera (Arruda) Schott (Araceae) por espectrometria de absorção atômica com chama (FAAS). Química Nova, v. 34, n. 3, p. 419-423, 2011.

ARAO, T.; ISHIKAWA, S. Genotypic differences in cadmium concentration and distribution of soybean and rice. Japan Agricultural Research Quaterly, v. 40, p. 21–30, 2006.

COELHO, A. A. O. P.; GIULIETTI, A. M. O gênero Portulaca L. (Portulacaceae) no Brasil. Acta Botânica Brasileira, v. 24, p. 655-670, 2010.

FLATEN, T. P. Aluminium in tea – Concentrations, speciation and bioavailability. Coordination Chemistry Reviews, 228, 385–395, 2002.

HAN, S.-P., GAN, W.-E., SU, Q. D. On-line sample digestion using an electromagnetic heating column for the determination of zinc and manganese in tea leaf by flame atomic absorption spectrometry. Talanta. v 72, p. 1481, 2007.

HAN, W. Y. et al. Arsenic, cadmium, chromium, cobalt, and copper in different types of Chinese tea. Bull. Environ. Contam. Toxicol., v. 75, p. 272-277, 2005.

LACERDA J. J. J., SANTOS J.S., SHAIALA A.S., RODRIGUES G.B., SANTOS M. L. P. Influência das características físico-químicas e composição elementar nas cores de méis produzidos por apis mellifera no sudoeste da Bahia utilizando análise multivariada. Química Nova, Vol. 33, No. 5, 1022-1026, 2010.

MARIE, P. J. Strontium ranelate: a physiological approach for optimizing bone formation and resorption. Bone, v. 38, p. 10-14, 2006.

MARDIA, L.V. KENI, J.T. BIBBY, J.M. Multivariate analysis. London: Academic. p. 521, 1979.

MENDES, A. D. R.; OLIVEIRA, L. E. M. de; NASCIMENTO, M. N. do; REIS, K. L.; BONOME, L. T. S. Concentração e redistribuição de nutrientes minerais nos diferentes estádios foliares de seringueira. Acta Amazônica 2012, 42, 525.

MORAIS, D. L. Impacto da nutrição mineral no crescimento do pinhão manso (Jatropha curcas L.). Dissertação Mestrado, Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, 2010, 54.

MORS, B. W.; RIZZINI, T. C.; PEREIRA, A. N. Medicinal Plants of Brazil. Reference Publications, Inc., EUA, p.289, 2000.

NEWMAN, D. J.; CRAGG, G. M. Natural Products as Sources of New Drugs over the last 25 years. Journal of Natural Products. v. 70, p. 461, 2007.

PEREIRA-JÚNIOR, J. B.; DANTAS, K. G. F. Evaluation of inorganic elements in Cat’s Clow teas using ICP OES and GFAAS. Food Chemistry, 196, 331, 2016.

SANTOS MLP, DOS SANTOS JS, DOS SANTOS JR, DE OLIVEIRA LB. Efeitos dos escoamentos urbanos e rurais na qualidade das águas do Córrego Verruga em Vitória da Conquista - Bahia, Brasil. Química Nova. v. 31, n°8, 1997-2003, 2008.

SHAW, A. J. Heavy metal tolerance in plants: Evolutionary aspects. New York, CRC Press, p. 355, 1989.

SILVA, A. S.; LAMEIRA, O. A.; FAIAL, K. C. F.; MÜLLER, R. C. S.; BRASIL, D. S. B. Estudo químico de chás de folhas de sabugueiro (Sambucus australis). Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 6, p. 40603-40618, 2020. DOI: 10.34117/bjdv6n6-556.

SILVA, F.A.; LANGELOH, A.; GONZALEZ O.G.; PETROVICK, P.R. Obtenção e caracterização de extratos de Portulaca pilosa (Amor-crescido). XV Simpósio de Plantas Medicinais do Brasil, Águas de Lindóia, p.185,1998.

SOUZA, E. C.; LAMEIRA, O. A.; FAIAL, K. C. F.; MÜLLER, R. C. S.; BRASIL, D. S. B. Estudo químico de chás de folhas de urucuzeiro (Bixa orellana L.). Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 7, p. 49132-49148, 2020. DOI:10.34117/bjdv6n7-529.

SZYMCZYCHA-MADEJA, A., WELMA, M., POHL, P. Elemental analysis of teas and their infusions by spectrometric methods. TrAC, Trends Anal. Chem. 35, 165–181, 2012.

VEIGA JUNIOR, V. F.; PINTO, A. C. O.; MACIEL, M. A. M. Plantas medicinais: cura segura? Química Nova, São Paulo, v. 28, n. 3, 519, 2005.

WHO. Trace elements in human nutrion and health. WHO: Genebra, 1996.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-663

Refbacks

  • There are currently no refbacks.