Correlação entre estabilidade e condições de armazenamento de medicamentos no interior das ambulâncias do Serviço Móvel de Urgência (SAMU) / Correlation between stability and medication storage conditions inside mobile emergency service (SAMU) ambulances

Josefa Gisely de Araujo Silva, João Gomes Pontes Neto, Rafael de Araujo Freire

Abstract


O armazenamento adequado e a preservação de medicamentos são fatores fundamentais para a sua eficácia, onde há a necessidade de preparar o local onde esse material será depositado. O objetivo desta pesquisa foi realizar uma correlação entre a estabilidade e condições de armazenamento de medicamentos que ficam armazenados no interior das ambulâncias do Serviço Móvel de Urgência (SAMU), mostrar os riscos dos medicamentos quando sofrem por um processo de degradação por exposição a altas temperaturas. A coleta de dados ocorreu entre janeiro e setembro de 2020 no Agreste do Estado de Pernambuco. A medição das temperaturas internas das ambulâncias foi realizada diariamente, e separadas em três tempos distintos (manha, tarde e noite) com higrômetro. Já a medição da telha metálica foi com o termômetro infravermelho. Os dados foram organizados em banco de dados, no software Excel e armazenados para obtenção da planilha. Conforme visto nos dados obtidos a temperatura mensal média interna das ambulâncias não ultrapassou a temperatura ideal de 25 °C para armazenamento de medicamentos. Quanto a análise dos valores de temperatura média de cada dia, foi possível observar valores acima do esperado, janeiro apresentou temperatura máxima de 32,5 ºC, mostrando que o veículo não está sob condições ideias para armazenamento de medicamentos.

 


Keywords


Estabilidade, ambulância, armazenamento, medicamento, SAMU.

References


ANVISA. AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Farmacopeia Brasileira, 2ª Ed. Revisão 02, Brasília, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei n.º 8.080, de 19 de setembro de 1990. Brasília, DF, 1990. Acesso em 27 maio 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 529, de 1 de abril de 2013. Brasília, DF. Acesso em 01 junho 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 1377, de 9 de julho de 2013. Brasília, DF. Acesso em 01 julho 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 2048, de 5 de novembro de 2002. Brasília, DF. Acesso em 27 maio 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 2095, de 24 de setembro de 2013. Brasília, DF. Acesso em 01 junho 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução CNS/MS nº 338, de 6 de maio de 2004. Brasília, DF. Acesso em 01 junho 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução ANVISA/MS RDC nº 50, de 20 de setembro de 2011. Brasília, DF. Acesso em 27 maio 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução ANVISA/MS RDC nº 61, de 12 de dezembro de 2012. Brasília, DF. Acesso em 27 maio 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução ANVISA/MS RDC nº 304, de 17 de setembro de 2019. Brasília, DF. Acesso em 27 maio 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução ANVISA/MS RDC nº 318, de 06 de novembro de 2019. Brasília, DF. Acesso em 27 maio 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução ANVISA/MS RE nº 1, de 29 de julho de 2005. Brasília, DF. Acesso em 27 maio 2020.

Climate-data.org. Acesso em: 05 de novembro de 2020.

GOMES, M. J. V. M.; REIS, A. M. M. Administração Aplicada à Farmácia Hospitalar. São Paulo: Atheneu, 2001.

ISMP – Instituto para Práticas Seguras no Uso de Medicamentos. Medicamentos Potencialmente Perigosos de uso hospitalar e ambulatorial – Listas atualizadas 2015. Boletim ISMP. Set. vol. 4. Nº 3 pag. 1-10. 2015

LACHMAN, L.; DELICA P; Akers, M.J. Testes de estabilidade e fundamentos de cinética química. Teoria e prática na indústria farmacêutica. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 1277-1355. 2001.

PINTO V. B. Armazenamento e distribuição: o medicamento também merece cuidados. Brasília, OPAS/OMS-Representação Brasil, v.1, n.12. 2016.

RETTO M. P. F et al. Padrões Mínimos para Farmácia Hospital/ Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar. SBRAFH. São Paulo. v. 3º edição. pag 1-40. 2017.

SAMPAIO C. A. P et al. Temperaturas superficiais de telhas e sua relação com o ambiente térmico. Eng. Agríc., Jaboticabal, v.31, n.2, p.230-236, mar/abr. 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n12-081

Refbacks

  • There are currently no refbacks.