Evasão e permanência de estudantes da EJA: inteface com o mercado de trabalho/ Evasion and stay of EJA students: inteface with the labor market

Daiane Caetano Costa de Aquino, Joedir Jonceli de Aquino, Bruna Carolina de Lima Siqueira dos Santos, Naiara Gracia Tibola

Abstract


Essa investigação qualitativa foi realizada com o objetivo de compreender a relação entre abandono, permanência e suas interfaces com o trabalho na percepção de estudantes da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Utilizamos como embasamento teórico diversos autores, entre os quais destacamos: Arroyo (1998, 2001), Gadotti e Romão (2008), Haddad e Di Pierro (2000), Pelissari (2012) e Steinbach (2012). Os dados foram tratados sob a técnica análise de conteúdo. De acordo com a pesquisa é possível inferir que para as jovens do sexo feminino o trabalho é o fator secundário como causa de abandono e para os jovens do sexo masculino é o principal. Observamos que o trabalho é fator precursor para o abandono e retorno à escola. Esses jovens são motivados em continuar o seu processo de escolarização com o intuito de inserir-se ou melhor se colocar no mercado de trabalho.


Keywords


Permanência, Abandono, Educação de Jovens e Adultos.

References


ARROYO, Miguel. Trabalho educação e teoria pedagógica. In: FRIGOTTO, Gaudêncio. (Org.). Educação e crise no trabalho: perspectivas de final de século. Rio de Janeiro: Vozes, 1998, p. 138-165.

______. Educação de Jovens e Adultos em tempos de exclusão. In: Construção coletiva: contribuições à educação de jovens e adultos. São Paulo: Rede de Apoio à Ação Alfabetizadora do Brasil (RAAAB), 2001, p. 221-230.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Tradução Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 16 de dez., 2020.

______. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 248, p. 27833-27841, 23 dez. 1996.

_____. Constituição Política do Império do Brasil de 25 de março de 1824. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao24.htm. Acesso em: 15 dez. 2020.

______. Emenda Constitucional 59, de 11 de novembro 2009. Acrescenta § 3º ao art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para reduzir, anualmente, a partir do exercício de 2009, o percentual da Desvinculação das Receitas da União incidente sobre os recursos destinados à manutenção e desenvolvimento do ensino de que trata o art. 212 da Constituição Federal, dá nova redação aos incisos I e VII do art. 208, de forma a prever a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos e ampliar a abrangência dos programas suplementares para todas as etapas da educação básica, e dá nova redação ao § 4º do art. 211 e ao § 3º do art. 212 e ao caput do art. 214, com a inserção neste dispositivo de inciso VI. Diário Oficial da União: Brasília, 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc59.htm#:~:text=EMENDA%20CONSTITUCIONAL%20N%C2%BA%2059%2C%20DE%2011%20DE%20NOVEMBRO%20DE%202009&text=208%2C%20de%20forma%20a%20prever,e%20ao%20caput%20do%20art. Acesso em 16 de nov. 2020.

GADOTTI, Moacir; ROMÃO, José Eustaquio. Educação de jovens e adultos: prática e proposta. 10. Ed. São Paulo: Cortez, 2008.

HADDAD, Sérgio; DI PIERRO, Maria Carla. Escolarização de jovens e adultos. In: Revista Brasileira de Educação. Volume 1, número 14. Rio de Janeiro: Anped, mai./ago. 2000, p. 108-130.

INEP. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. Informe Estatístico do MEC revela rendimento escolar, Brasília: 1998. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/informe-estatistico-do-mec-revela-melhoria-do-rendimento-escolar/21206#:~:text=A%20queda%20mais%20significativa%20foi%20na%20taxa%20de%20abandono%20escolar.&text=O%20conceito%20t%C3%A9cnico%20de%20abandono,volta%20mais%20para%20o%20sistema. Acesso em: 18 dez. 2020.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade.2. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

PELISSARI, Lucas Barbosa. O fetiche da tecnologia e o abandono escolar na visão de jovens que procuram a educação profissional técnica de nível médio. 2012. 225f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

RIFFEL, Sonia Marmol; MALACARNE, Vilmar. Evasão escolar no Ensino Médio: o caso do Colégio Estadual Santo Agostinho no município de Palotina, PR. In: O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense. Volume. 1.1ed. Curitiba: SEED, 2008, p. 01-24.

STEIMBACH, Allan Andrei. Juventude, escola e trabalho: razões de permanência e do abandono no curso técnico em agropecuária integrado. 2012. 128 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-506

Refbacks

  • There are currently no refbacks.