Os caminhos do urbanista: o papel do urbanismo na formação de espaços de medo e espaços de paz / The paths of urban planner: the role of urbanism of creating spaces of fear and spaces of peace

Ana Karoline Gonçalves Costa, Ivamberto da Conceição Lima Pereira, Marluce Wall de Carvalho Venâncio

Abstract


A violência urbana é a cada dia um problema recorrente nas cidades. A população vive amedrontada e, para se proteger do perigo da cidade, se refugiam em suas residências que gradativamente se assemelham a penitenciárias de segurança com tantos aparatos de segurança. Nesse cenário, o urbanismo tem dois caminhos: se fechar ao construir edificações protegidas de todo o perigo, disseminar a sensação de insegurança e anular os espaços públicos ou se abrir e proporcionar espaços de convivência e restaurar a paz nos centros urbanos. Ao passo que o urbanismo segrega e as desigualdades sociais aumentam, o futuro das cidades se torna cada vez mais sombrio. As narrativas distópicas mostram que esse pode ser um caminho sem volta. Mas caso o urbanismo mude sua perspectiva e trabalhe para recuperar a urbanidade aos poucos perdida, surgirão cidades sustentáveis capazes de criar espaços de paz, benevolentes e de bem-estar social, o que será comprovado com os exemplos de intervenções urbanas em Medellín, comunidades da Venezuela e uma praça em São Luís.


Keywords


Urbanidade; espaços de medo e espaços de paz; futuro das cidades.

References


A Obra Utopia de Thomas More. Disponível em . Acesso em: 11 de jun. 2017.

BAUMAN, Zigmunt. Comunidades: A Busca por Segurança no Mundo Atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

BAUMAN, Zigmunt. Confiança e medo nas cidades. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

CALDEIRA, Teresa. (2000). Cidades de Muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Edusp, 2011.

Como reconhecer uma distopia. Bruno Vaiano. Disponível em: < http://revistagalileu.globo.com/Cultura/noticia/2016/11/como-reconhecer-uma-distopia.html>. Acesso em 10 de jun. 2017.

DE MELLO, João; NOVAIS, Fernando. Capitalismo tardio e sociabilidade moderna. São Paulo: Unesp, 2009.

DEL RIO, Vicente. Introdução do desenho urbano no Processo de Planejamento. São Paulo: Pini, 1990.

Espaços de Paz 2015: cinco cidades, cinco comunidades, vinte coletivos de arquitetura. Disponível em: < http://www.archdaily.com.br/ br/769220/espacos-de-paz-2015-cinco-cidades-cinco-comunidades-vinte-coletivos-de-arquitetura> Acesso em: 16 de jun. 2017.

GHEL, Jan. Cidade para pessoas. 2.ed. São Paulo: Perspectiva, 2013.

GHIONE, Roberto. Transformação social e urbanística de Medellín. Disponível em < http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/14.166/5177>. Acesso em: 01 de abr. 2017.

Gustavo Restrepo: “O planejamento urbano requer novos paradigmas”. CAU BR. 2016. Disponível em: < http://www.caubr.gov.br/restrepo-o-planejamento-urbano-requer-novos-paradigmas/ >. Acesso: 01 de abr. 2017.

IBGE. Censo Demográfico 2010 – Aglomerados Subnormais – Informações Territoriais. 2013

Infrastructure in Nigeria. Disponível em . Acesso em: 16 de mai. 2017.

JACOBS, Jane, Morte e Vida de Grandes Cidades. 3. Ed. São Paulo: WWF Martins Fontes, 2000.

MADEC, Philippe. Urbanité et générosité - Aménagement urbain et patrimoine. Plourin-Lès-Morlaix, Journées de l'Institut Régional du Patrimoine, 1996.

ORWELL, George. 1984. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

PECHMAN, Robert Moses. Cidades estreitamente vigiadas: o detetive e o urbanista. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.

Prefeitura entrega Praça V totalmente reformada aos moradores da Cohab. Disponível em . Acesso em: 16 de mai. 2017.

REFÉNS da insegurança. O Estado do Maranhão, São Luis, 16, nov. 2015. Cidades 1 e 2, p.10.

RHEINGATZ, Paulo Afonso. O [controverso] significado de urbanidade. Grupo de pesquisa Qualidade do Lugar e Paisagem – PorLUGAR. 2011. Disponível em:< http://www.fau.ufrj.br/prolugar/assets/2011-proarq-coloq_pesq-o--controv--signif_urbanidade.pdf >. Acesso em: 03 de abr. 2017.

SOUZA, Marcelo Lopes de, Fobópole: o medo generalizado e a militarização da questão urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n8-037