Simulação computacional da envoltória de edifício público / Computational simulation of the public building envelope

Basilio Baffi, Caio Frederico e Silva, Cláudia Naves David Amorim

Abstract


A questão do consumo predial de energia elétrica tem sido objeto de novas regulamentações no Brasil. De acordo com o EPE de 2015, o setor público responde por 16% do consumo total das edificações, concentradas especialmente nos sistemas de ar condicionado (40-50%) e iluminação (20 e 25%). Entretanto, pouco se conhece do perfil de consumo predial no Brasil. No presente estudo foi analisado o perfil de consumo da sede do Banco Central do Brasil em Brasília (DF). Trata-se de edifício com 35 anos desde a construção e que passou por reformas nos sistema de ar condicionado e iluminação, entretanto, os componentes da envoltória são ainda originais. Na análise verificou-se o padrão de consumo de energia elétrica, o nível de etiquetagem atual e as melhorias necessárias na envoltória para atingir o nível máximo do PBE, segundo o RTQ-C. Além disso, foram verificados também dados de benchmarking divulgados pelo CBCS para escritórios corporativos no Brasil. Os resultados apontam para a possibilidade de redução de 18% do consumo de energia elétrica do ar condicionado central e para um padrão de consumo inferior à mediana dos edifícios corporativos. Assim, conclui-se haver relevante potencial de redução do consumo em edifícios similares, inclusive da própria instituição.

 


Keywords


Entac2016. Simulação. Eficiência. Fachada. Envoltória.

References


Associação Brasileira de Normas Técnicas – Norma Brasileira NBR 7199/89 – Projeto, execução e aplicações de vidros na construção civil. Rio de Janeiro: 1989, 18p.

Associação Brasileira de Normas Técnicas – Norma Brasileira NBR 15220-3 – Desempenho térmico de edificações Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social, Rio de Janeiro: 2003, 23p.

Brasil, Ministério de Minas e Energia (2011). Plano Nacional de Eficiência Energética. Disponível em: http://www.mme.gov.br/web/guest/publicacoes-e-indicadores/plano-nacional-de-eficiencia-energética. Acesso em: 17 de jul. 2015.

BRASIL, Ministério de Minas e Energia, Empresa de Pesquisa Energética - EPE. Balanço Energético Nacional 2015 – Ano base 2014: Relatório Síntese. Disponível em:https://ben.epe.gov.br/downloads/S%C3%ADntese%20do%20Relat%C3%B3rio%20Final_2015_Web.pdf. Acesso em: 4 nov. 2015.

CARLO, J.; LAMBERTS, R. Parâmetros e métodos adotados no regulamento de etiquetagem da eficiência energética de edifícios – parte 2: método de simulação, Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 10, n. 2, p. 27-40, abr./jun. 2010.

Conselho Brasileiro de Construção Sustentável - CBCS. Disponível em: http://www.cbcs.org.br/website/ Acesso em: 5 dez.2015.

DORNELLES, Kelen Almeida; CARAM, Rosana Maria; SICHIERI, Eduvaldo Paulo. Absortância solar e desempenho térmico de tintas frias para uso no envelope construtivo. Artigo no XII Encontro Nacional e VIII Latino americano de Conforto no Ambiente Construído - ENCAC/ELACAC Brasília 2013.

LAMBERTS, Roberto; DUTRA, Luciano; PEREIRA, Fernando O.R. Eficiência energética na arquitetura. UFSC/Procel/Eletrobrás, PW Editores, 1997.

PBE – Edifica. Etiquetagem de Edificações Públicas, regulamentos e manuais do RTQ-C, do RAC e das diretrizes para obtenção de nível A. Disponível em: http://pbeedifica.com.br/etiquetagem/publica Acesso em: 23 de jun. 2015.

Pereira, Fabricio; Lamberts, Roberto; Marinoski, Luis D. Determinação do Fator Solar em vidros e elementos de sombreamento para janelas. Relatório de Iniciação Científica - PIBIC/CNPq – BIP/UFSC 2009/201.

Revista Infra, edição de setembro de 2015. Disponível em: http://www.revistainfra.com.br/portal/Textos/?Entrevistas/15737/-O-consumo-de-energia-el%C3%A9trica-nas-edifica%C3%A7%C3%B5es-no-Brasil- Acesso em 11 nov.2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n8-038