A seca de 2018 no alto rio negro e os impactos a população / 2018 dry on high river river and impacts on population

Bernardo Luiz Ferreira de Oliveira, Luna Gripp Simões Alves, Juliana Lins Góes de Carvalho, Daniel Garcia de Oliveira, Joecila Santos da Silva

Abstract


As grandes redes de bacias hidrográficas, que incluem o maior rio do mundo, somadas às condições climáticas, como temperatura constante, alta umidade e intensas taxas de precipitação na Amazônia, levam a interpretações errôneas de que não há problemas relacionados aos recursos hídricos naquela região. No entanto, centenas de comunidades indígenas localizadas no alto rio Negro sofreram recentemente uma seca extrema observada no início de 2018, o que impactou negativamente o modo de vida de parte significativa dos habitantes daquela região, pelo menos naquele período. Este trabalho tem como objetivo caracterizar os eventos hidrológicos ocorridos no início do ano de 2018 na região do alto rio Negro, destacando os impactos desses eventos sobre a população indígena. As precipitações em fevereiro e março foram inferiores a 30% da média observada na série histórica da estação, o que explica relatos da população de perdas na agricultura, notadas pela produção de mandioca. Os baixos níveis de água observados nos rios, associados a menos de 1% de permanência, também foram capazes de causar lesões na população do rio Negro, e os relatos da população enfatizavam problemas pesqueiros e agrícolas. Essas lesões estavam relacionadas a dificuldades na mobilidade da população e no transporte de bens de consumo, principalmente por vias fluviais, à inanição de peixes causada por baixos níveis de oxigênio e altas temperaturas em água estagnada e pela perda de material vegetal nos campos de cassave. Os baixos níveis de água também afetaram o acesso da população aos serviços públicos, unidades de saúde e insumos básicos, já que em grande quantidade de casos a população precisa ser descartada nos centros urbanos.

 

 


Keywords


Secas extremas, Bacia Amazônica, Alto rio Negro

References


ARAGÃO, L. E. O. C., SHIMABUKURO, Y. E., CARDOSO, M., ANDERSON, L. O., LIMA, A., POUTER, B. (2016). Frequência de queimadas durante as secas recentes. In Secas na Amazônia: causas e consequências. Org. por Borma, L. S. e Nobre C. A., Oficina de Textos, São Paulo/SP, pp. 165-179.

BORMA, L. S., TOMASELLA, J., ROBALLO, S. T., CUARTAS, L. A., RODRIGUES, D. A., MARENGO, J. A., NOBRE, C. A. (2016). Impactos dos eventos extremos de seca e cheia sobre os recursos hídricos amazônicos e ações da Defesa Civil. In Secas na Amazônia: causas e consequências. Org. por Borma, L. S. e Nobre C. A., Oficina de Textos, São Paulo/SP, pp. 165-179.

CABALZAR, A. (2005) Peixe e Gente no Alto Rio Tiquié: conhecimentos tukano e tuyuka, ictiologia, etnologia. Instituto Socioambiental, São Paulo/SP, 339p.

CABALZAR, A.; RICARDO, C. A. (2006) Povos Indígenas do Rio Negro. 3.ed. Instituto Socioambiental/FOIRN, São Paulo/SP/São Gabriel da Cachoeira/AM, 2006.128p.

COELHO, C. A. S.; COSTA, S. M. S.; FREITAS, S. R. (2016). O efeito aerossol na formação de nuvens – o caso das secas de 2005 e 2010. In Secas na Amazônia: causas e consequências. Org. por Borma, L. S. e Nobre C. A., Oficina de Textos, São Paulo/SP, pp. 117-130.

FIGUEROA, S. N.; NOBRE, C. A. (1990). Precipitation distribution over central and western tropical South America. Climanalise, v. 5, p. 36-45.

FOIRN; FUNAI; ISA (2017). Governança e Bem Viver Indígena. Planos de Gestão Territorial e Ambiental das Terras Indígenas do Alto e Médio Rio Negro. n.3.

GERMAN, L. (2001). Formas tradicionais de exploração e conservação das florestas. In Florestas do Rio Negro. Org. por De Oliveira et al. Companhia das Letras, 2001, São Paulo/SP. pp. 221 – 253

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Cidades. Acesso em 23 de maio de 2018, disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/am/sao-gabriel-da-cachoeira/panorama

LINS, J.; RADLER, J. Pesquisadores indígenas discutem a grande seca que atingiu o Rio Negro. Acessado em 25 de março de 2018, disponível em https://www.socioambiental.org/pt-br/blog/blog-do-rio-negro/pesquisadores-indigenas-discutem-a-grande-seca-que-atingiu-o-rio-negro

SIPAM – Sistema de Proteção da Amazônia (2018). Boletim de Monitoramento Hidrometeorológico da Amazônia Ocidental. Divisão Ambiental e Divisão de Meteorologia Centro Regional de Manaus. Manaus/AM. 6p.

SIOLI, H. (1984). The Amazon: Limnology and landscape ecology of a mighty tropical river and its basin. Monographiae Biologicae. Junk Publishers, Dordrecht/Holland, 763 p.

VAL. A. L. (2016). Capítulo de Apresentação. In Secas na Amazônia: causas e consequências. Org. por Borma, L. S. e Nobre C. A., Oficina de Textos, São Paulo/SP, pp. 165-179.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n8-048