Mitigando os riscos da seca através de ações de recuperação e preservação do bioma caatinga no semiárido brasileiro / Mitigating dry risks through actions for the recovery and preservation of the caatinga biome in the brazilian semi-arid

Rebecca Luna Lucena, Érica Ferrer, Magda Maria Guilhermino

Abstract


A Caatinga, bioma exclusivamente brasileiro, abrange quase toda a região semiárida do país, mostrando-se excepcional com relação aos aspectos da fauna e flora associadas ao déficit hídrico sazonal e interanual inerentes ao clima. Historicamente, a Caatinga foi explorada por atividades agropecuárias e hoje o que se vêem são vários fragmentos do bioma degradados e em processo de desertificação. Tal situação dificulta a harmoniosa convivência dos sertanejos nessa região do Brasil, uma vez que a agricultura de subsistência também é afetada pela degradação ambiental ali existente. Nesse contexto, o objetivo principal dessa pesquisa foi comparar duas áreas de Caatinga através dos aspectos da vegetação e solo, somando a esses aspectos dados de temperatura do ar e umidade relativa do ar, em um mesmo assentamento agroecológico. Os pontos escolhidos no assentamento possuem cota altimétrica semelhante, porém um com vegetação presente e solos mais espessos e outro numa área muito degradada, com vegetação rala e esparsada e solos compactados. O assentamento está localizado no município de Currais Novos, semiárido do estado Rio Grande do Norte, Brasil. Os dados de temperatura e umidade foram conseguidos a partir da instalação de termohigrômetros automáticos, com registros 24h/d-1 durante os meses secos, de julho à outubro de 2016. Através dos resultados encontrados, percebeu-se o importante papel da cobertura vegetal a da espessura do solo no sentido de minimizar os impactos da seca através da manutenção de água no sistema, promovendo um microclima mais úmido e fresco. Nesse sentido, as práticas de recuperação da Caatinga através de renques e barramentos, e do raleamento e rebaixamento, que estão sendo feitos no assentamento, são fundamentais para o desenvolvimento de práticas agroecológicas exitosas na região.


Keywords


áreas degradadas, desertificação, monitoramento climático, renques e barramentos.

References


AB SABER, A. N. Dossiê Nordeste seco. Estudos avançados. v. 13. n. 36, pág 5 – 59, 1999.

AB’SABER, A. N. Caatingas: O domínio dos sertões secos. In: Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. 1ª Ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

ANA - Agência Nacional de Águas (Brasil). Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil 2019: informe anual / Agência Nacional de Águas. -- Brasília: ANA, 2019. Disponível em: http://www.snirh.gov.br/portal/snirh/centrais-de-conteudos/conjuntura-dos-recursos-hidricos/conjuntura_informe_anual_2019-versao_web-0212-1.pdf Acesso em 17/02/2021.

CEPED/UFSC - Centro Universitário de Estudos e Pesquisa sobre Desastres/Universidade Federal de Santa Catarina. Atlas brasileiro de desastres naturais: volume Brasil 1991-2010. Florianópolis: CEPED/IBGE, 2012.

CONAFER - Confederação Nacional de Agricultores Familiares e Empreendedores Familiares Rurais. Caatinga: o bioma mais rural do Brasil. Disponível em: Caatinga: o bioma mais rural do Brasil – CONAFER | Confederação Nacional de Agricultores Familiares e Empreendedores Familiares Rurais Acesso em 05 jan 2021.

CONTI, J. B. A questão climática do Nordeste Brasileiro e os processos de Desertificação. Revista Brasileira de Climatologia, Vol. 1, Nº 1, 2005.

EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Bioma Caatinga. Disponível em: https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/bioma_caatinga/arvore/CONT000glz1ehqv02wx5ok0f7mv200nvg0xn.html Acesso em 02 Fev 2021.

GUILHERMINO, M. M.; SILVA-SANTOS, M. P.; CAVALARI, V. H.; LICHSTON, J. E.; LUCENA, R. L.; BARBOSA-DE-AZEVEDO, T. K.; MOREIRA, S. A. Defeso da caatinga: proposta de política pública para o desenvolvimento sustentável da agricultura familiar em bioma caatinga. Revista Brasileira de Educação Ambiental (Impresso), v. 14, p. 372-386, 2019.

LANDAU, E. C.; GUIMARÃES, L. dos S.; HIRSCH, A.; GUIMARÃES, D. P.; MATRANGOLO, W. J. R.; GONÇALVES , M. T. Concentração Geográfica da agricultura familiar no Brasil. Sete Lagoas: EMBRAPA, 2013.

LAPIS – Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélite (2017). Disponivel em http://lapismet.com.br/ Acesso em 10 out 2020

LUCENA, R. L.; STEINKE, E. T. Fatores geográficos e padrões de circulação atmosférica como base à compreensão do clima semiárido quente da região Nordeste. Revista Workshop Internacional sobre Água no Semiárido Brasileiro, v. 1, p. 01-07, 2015.

LUCENA, R. L.; CABRAL JUNIOR, J. B. ; STEINKE, E. T. . Comportamento Hidroclimatológico do Estado do Rio Grande do Norte e do Município de Caicó. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 33, p. 485-496, 2018.

MMA – Ministério do Meio Ambiente. SANTANA, M. O. (Org). Atlas das áreas susceptíveis à desertificação do Brasil. Brasília: MMA, 2007.

OLIVEIRA, J. B. de.; ALVES, J. J.; FRANÇA, F. M. C. Barragens sucessivas de contenção de sedimentos. Fortaleza: Secretaria dos Recursos Hídricos, 2010.

SÁ, I. B.; SILVA, P. C. G. da. Semiárido brasileiro: pesquisa, desenvolvimento e inovação. Petrolina: EMBRAPA Semiárido, 2010.

SILVA, A. R.; SANTOS, T. S. dos; QUEIROZ, D. E. de; GUSMÃO, M. O.; SILVA. T. G. F. da. Variações no índice de anomalia de chuva no semiárido. Journal of Environmental Analysis and Progress. V. 02 N. 04, 377-384, 2017.

SOBRINHO, J. F.; FALCÃO, C. L. da C (Org). Semi-árido: diversidades, fragilidades e potencialidades. Sobral: Sobral Gráfica, 2006.

SUDENE, Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste. Semiárido. Disponível em: http://antigo.sudene.gov.br/delimitacao-do-semiarido Acessado em 10 Jan 2021.

VALADÃO, C. E. A; OLIVEIRA, P. T.; SCHMIDT, D. M.; SILVA, B. K. N.; BARRETO N. J.C.; CORREIA FILHO, W. L.F.; JESUS E. S.; LOPO, A.B.; SANTOS A.S.; PINHEIRO, J.U.; MATTOS, A. Classificação climática da microrregião do Seridó/RN. In: XVI Congresso Brasileiro de Meteorologia: Anais.. Belém: CBMET, Sociedade Brasileira de Meteorologia, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-221

DOI (PDF (Português (Brasil))): https://doi.org/10.34117/bjd.v7i4.27917.g22096

Refbacks

  • There are currently no refbacks.