Cirurgias oncológicas da mama e cirurgias reconstrutivas: tendências e proporções / Oncological breast surgeries and reconstructive surgeries: trends and proportions

Júlia de Sousa Oliveira, Lorrana Andrade Silva, Mariana Melo Martins, Ludmila Oliveira Kato, Zahira Tavares Botelho, Carlos Daniel Silva, Talita Marques da Silva

Abstract


Introdução: O câncer de mama é um problema de saúde pública de ordem global. Estima-se cerca de 2.088.849 novos casos no mundo em 2018. Em geral, a sobrevida média é alta, chegando a 85%, nos países desenvolvidos, após cinco anos do diagnóstico. Com essa grande porcentagem de sobrevida, muitas pacientes terão sequelas do tratamento, necessitando de procedimentos reconstrutivos da mama. Objetivo: Identificar as tendências das cirurgias oncológicas da mama e das plásticas mamárias reconstrutivas no Brasil, além de verificar a proporcionalidade entre elas. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa epidemiológica analítica transversal com abordagem quantitativa. Os dados foram extraídos do Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) por meio do DataSUS, analisando o período entre 2014 e 2019. Resultados: Foram realizadas 635.455 cirurgias da mama devido ao câncer de 2014 a 2019, com aumento anual dos procedimentos. As cirurgias conservadoras aumentaram em 9,15% e a mastectomia simples em 23,69%, já a mastectomia radical caiu 4,54%. A reconstrução com implante de prótese de silicone teve poucas oscilações, enquanto a reconstrução com retalho miocutâneo teve crescimento. A plástica mamária não estética aumentou em 49,44%. Quanto à proporção, em 2014, eram 1,77 cirurgias oncológicas para 1,0 reconstrutiva, já em 2019, foram 1,44 para 1,0. Discussão: O crescimento de procedimentos curativos e reconstrutivos vão ao encontro do aumento dos casos de câncer de mama. No Brasil, foram apresentados 59.700 novos casos, em 2019, enquanto para 2020, estima-se 66.280, incremento de 11,02% em apenas um ano. Conclusão: No período de 2014 a 2019, teve acréscimo de cirurgias conservadoras e de mastectomias simples, bem como de linfadenectomias axilares, com queda de mastectomias radicais. As reconstruções aumentaram, especialmente aquelas que utilizam retalho miocutâneo. A proporção entre cirurgias curativas e cirurgias reconstrutivas mostrou menor discrepância com o avançar dos anos, porém outros estudos são necessários para confirmar esta situação.

 

 


Keywords


Câncer de Mama, Mastectomia, Cirurgia Reconstrutiva.

References


BRASIL. Lei nº 12.802 de 24 de abril de 2013, Art. 1º. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12802.htm> acesso em: 01 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Comissão Nacional De Incorporação De Tecnologias No Sistema Único De Saúde (CONITEC). Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas do Carcinoma de Mama. Brasília – DF. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer (INCA). A situação do câncer de mama no Brasil: Síntese de dados dos sistemas de informação. Rio de Janeiro, RJ, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer (INCA). Câncer de Mama. 2020. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2020.

FERREIRA, R. G. R., FRANCO, L. F. R. Qualidade de vida no câncer de mama. Braz. J. of

Develop., v. 5, n. 11, p. 22835-22845, 2019 .

CASTANEDA, C. A. et al. Critical review of axillary recurrence in early breast cancer.

Crit. Ver. Oncol. Hematol. v.129, p.146-152, 2018.

GALIMBERTI, V. et al. Axillary dissection versus no axillary dissection in patients with breast cancer and sentinel-node micrometastases (IBCSG 23-01): 10-year follow-up of a randomised, controlled phase 3 trial. Lancet Oncol. v. 19, n. 10, p. 1385-1393, 2018.

GARCIA, C.P. et al. Avaliação da qualidade de vida em pacientes submetidas à reconstrução mamária no Mutirão Nacional da SBCP ano de 2016 em Santa Catarina. Rev. Bras. Cir. Plást. v. 33, n. 1, p. 172-175, 2018.

HARBECK, N., GNANT, M. Breast cancer. The Lancet. v. 389, p. 1134–1150, 2017.

INOCENTI, A. et al. Repercussão dos Efeitos da Cirurgia Reconstrutora na Vida de Mulheres com Neoplasias da Mama. Texto contexto - Enfermagem. v.25, n. 2, p. 1-9, 2016.

JONCZYK, M. M. et al. Surgical trends in breast cancer: a rise in novel operative treatment options over a 12 year analysis. Breast Cancer Res. Treat. v. 173, n. 2, p. 267–274, 2019.

JÚNIOR, R. F. et al. Trends in breast cancer surgery at Brazil's public health system. J. Surg. Oncol. v.115, n. 5, p. 544-549, 2017.

RODRIGUES, T. B. et al. Sobrerrastreio mamográfico: avaliação a partir de bases identificadas do Sistema de Informação do Câncer de Mama (SISMAMA). Cad. Saúde Pública, v. 35, n. 1, p. 1-8, 2019.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. International Agency for Research on Câncer. World: Globocan, 2018.

WÖRMANN, B. Breast Cancer: Basics, Screening, Diagnostics and Treatment. Med Monatsschr Pharm. v. 40, n. 2, p. 55-64, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-274

Refbacks

  • There are currently no refbacks.