Aplicação remota, no ensino de química, de aulas inclusivas com discentes que apresentam síndrome de down / Remote application, in chemistry teaching, inclusive classes with discenters who have down dyndrome

Márcio Jean Fernandes Tavares, Bruno Galdino Lopes, José Leonardo Alves Ferreira, Alessandra Marcone Tavares Alves de Figueiredo, Niely Silva de Souza

Abstract


Dentre as deficiências intelectuais existentes no mundo, a síndrome de Down (SD) é a mais frequente. As pessoas que apresentam SD possuem um retardo leve ou moderado no desenvolvimento intelectual, acarretando uma aprendizagem lenta, dificuldades de concentração e de memorização. Corroborando com essas problemáticas, existem outras que são grandes desafios no processo de ensino e aprendizagem destes indivíduos, tais como: ausência de capacitação/formação inicial e continuada dos docentes e gestores; carência de materiais didáticos adaptados inclusivos; falta de planejamento e flexibilização no currículo. Destarte, o objetivo dessa pesquisa foi aplicar aulas remotas, no ensino de Química, para duas turmas inclusivas compostas por discentes neurotípicos – NT e com síndrome de Down. Neste contexto, a metodologia teve abordagem qualitativa de cunho participante, sendo integrada à realidade dos discentes, buscando uma construção do ensino de forma mais significativa. Nos resultados obtidos, notou-se um cenário satisfatório com um grande desenvolvimento para os estudantes que apresentam SD e dos estudantes NT, no entanto, para se obter uma efetiva inclusão, o trabalho deve ser planejado, bem elaborado e contínuo, uma vez que, os discentes ainda estão cursando o Ensino Médio e, dessa forma, necessitam de uma continuidade nas ações desenvolvidas.

 


Keywords


estudantes com síndrome de Down, inclusão escolar, ensino de Química, metodologias adaptadas, educação.

References


AGÊNCIA BRASÍLIA. 21 de março: dia internacional da síndrome de Down. Brasília, DF, 2021. Disponível em: https://www.agenciabrasilia.df.gov.br/2021/03/21/21-de-marco-dia-internacional-da-sindrome-de-down/. Acesso em: 25 mar. 2021.

ATKINS, Peter W.; JONES, Loretta. Princípios de Química: questionando a vida moderna o meio ambiente. 3 ed. Guanabara Koogan, 2006.

BEAKER. Beaker - Mix Chemicals. Desenvolvedor: THIX, 2015. Disponível em: https://play.google.com/store/apps/details?id=air.thix.sciencesense.beaker. Acesso em: 31 de mar. de 2021.

BOTTENTUIT JUNIOR, João Batista. O aplicativo Kahoot na educação: verificando os conhecimentos dos alunos em tempo real. In: Livro de atas X Conferência Internacional de TIC na Educação–Clallenges. 2017. p. 1587-1602.

BRASIL. PCN+ Ensino Médio: Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC/SEMTEC, 2002.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2008.

CARNEIRO, Relma Urel Carbone; COSTA, Maria Carolina Branco. Tecnologia e deficiência intelectual: práticas pedagógicas para inclusão digital. Revista on line de Política e Gestão Educacional, p. 706-719, 2017.

CAUDURO, A. et. Al (2016). Envelhecimento e Suas Múltiplas Áreas do Conhecimento. Porto Alegre: Edipucrs.

DA SILVA, Antônia Maíra Emelly Cabral et al. Um olhar sobre o processo de ensino e aprendizagem de crianças com síndrome de Down. Revista Includere, v. 1, n. 1, 2015.

FIGUEIREDO, Rita Vieira; DA MOTA ROCHA, Silvia Roberta; POULIN, Jean Robert. Contribuição da inclusão digital na afirmação de sujeitos com deficiência intelectual. Revista Diálogo Educacional, v. 19, n. 61, p. 809-825, 2019.

IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. Resolução nº 29/2020. Dispõe sobre os procedimentos adotados durante a pandemia do COVID-19. João Pessoa, 2020. Disponível em: https://www.ifpb.edu.br/santarita/ensino/atividades-nao-presenciais/documentos-e-resolucoes/resolucao-29-2020-estabelece-os-procedimentos-para-desenvolvimento-e-registro-de-atividades-de-ensino-nao-presenciais-aenps.pdf/view. Acesso em: 21 mar. 2021.

KAHOOT. Kahoot. Desenvolvedor: orten Versvik, Johan Brand e Jamie Brooker, 2012. Disponível em: https://kahoot.com. Acesso em: 01 de abr. de 2021.

MARCONI, Marina de A.; LAKATOS, Eva M. Metodologia científica. 6ª ed. - São Paulo: Atlas, 2011.

MONTE UM ÁTOMO. Build an Atom. Desenvolvedor: Phet Colorado - University of Colorado Boulder, 2015. Disponível em: https://phet.colorado.edu/en/simulation/build-an-atom. Acesso em: 31 de mar. de 2021.

SANTOS, Kerlen Alana Santa Ana; SCHEMIGUEL, Kevin; JUSTUS, José Fabiano Costa. Utilização de tecnologias de informação e comunicação (tics) no ensino e aprendizagem de anatomia humana. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 11, p. 25172-25176, 2019.

SCHWARTZAN, J. S. Síndrome de Down. São Paulo: Memnon, 2007.

SOUSA, Neide Maria Fernandes Rodrigues; NASCIMENTO, Deisiane Aviz. A inclusão escolar e o aluno com síndrome de Down: as adaptações curriculares e a avaliação da aprendizagem. Rev. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 9, p. 121-140, 2018.

TABELA PERIÓDICA. Tabela Periódica – Química, 2021. Desenvolvedor: ChernyKH. Disponível em: https://play.google.com/store/apps/details?id=mendeleev.redlime. Acesso em: 31 de mar. de 2021.

VYGOTSKY, Lev Semiónovich. Fundamentos de defectologia. Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1995.

VYGOTSKY, Lev Semiónovich. Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

WELLER, W.; PFAFF, N. A relevância dos métodos de pesquisa qualitativa em Educação no Brasil. In: GATTI, Bernadete; ANDRÉ, M. Metodologias da pesquisa qualitativa em educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011, p. 29 – 38.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-347