Reflexões sobre a educação no interior do Amazonas/Brasil / Reflections on education inside Amazonas/Brazil

Helder Manuel da Costa Santos

Abstract


A realidade da educação nos municípios do interior do estado do Amazonas ainda é reconhecidamente diferenciada da oferecida nas áreas urbanas de capitais do Brasil, devido à falta de estrutura dos serviços públicos, como saneamento básico, acesso a serviços de saúde, comunicação e aspecto cultural. A expansão de vagas com exigências de formação superior para atender as escolas do ensino fundamental e médio e a Universidade Federal do Amazonas-UFAM atraiu muitos professores de diversas regiões do Brasil para atuarem no interior do Amazonas. Muitos professores têm enfrentado problemas de adaptação e conflitos culturais devido a sua formação não abranger conhecimentos psicopedagógicos para atuarem em áreas ribeirinhas e do interior do Amazonas. Sabe-se que a diferença entre os indicadores educacionais é alarmante entre os que vivem no interior daqueles que vivem nas áreas urbanas. Atualmente essa diferença tende a reduzir e a participação dos professores tem sido importante no processo de desenvolvimento local. Entretanto, ainda é urgente o atendimento educacional das demandas e necessidades das populações do interior de forma quantitativa e qualitativa. Não basta pensar no quantitativo de professores, é necessário pensar na sua remuneração, no seu preparo psicopedagógico para se adaptarem a áreas carentes, com metodologias que possam valorizar a cultura indígena, usar o ambiente como grande laboratório e conteúdos contextualizados com a realidade Amazônica. Ao mesmo tempo deve-se investir na melhoria da infraestrutura das áreas ribeirinhas/interior e das escolas como a comunicação, acesso à internet, energia elétrica, saúde e transporte que é feito muitas vezes via terrestre e fluvial tornando-se cansativa, estressante e um risco a vida dos professores e dos alunos.


Keywords


Municípios do interior, Amazonas, professores.

References


AMARAL, N. F. (Org.). Multiculturalismo na Amazônia: o singular e o plural. Curitiba: Edi¬tora CRV, 2009.

CANDAU, V. M.F. Concepção de educação intercultural. Rio de Janeiro: Editora PUC- Rio, 2014.

CANDAU, V.M. F. Cotidiano escolar e práticas interculturais. Cadernos de Pesquisa (On line). V. 46 n.161. p.802-820. Jul/Set. 2016.

IBGE. (2010). INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA [site da Internet]. Disponível em Acesso em 05/10/ 2019.

IBGE. (2020). INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA [site da Internet]. Disponível em Acesso em 02/09/ 2020.

MOREIRA, A. F. B.; CANDAU, V. M. Educação escolar e cultura(s): construindo caminhos. In: Educação como exercício de diversidade. Brasília: UNESCO, MEC, ANPED, 2005. 476p. (Coleção Educação para todos; 6).

OLIVEIRA, V. S. de. Ser Bacharel e professor: sentidos e relações entre o bacharelado e à docência universitária. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Sociais Aplicadas. Programa de Pós-Graduação em Educação, 2011.

OLIVEIRA, V.S. & SILVA, R. F. Ser bacharel e professor: dilemas na formação de docentes para a educação profissional e ensino superior. HOLOS, Ano 28. V.2. 2012. Disponível em: Acesso em 12 de maio de 2020.

SILVA, F. G. Dificuldades enfrentadas pelos professores que trabalham nas comunidades ribeirinhas do município de Coari/Am. Trabalho de conclusão de curso-TCC. Universidade Federal do Amazonas. Curso de Biologia e Química. 2017.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 17. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-352

Refbacks

  • There are currently no refbacks.