As prisioneiras da dor: argumentando sobre a subnotificação da violência doméstica em meio à pandemia / The pain prisoners: arguing about domestic violence underreporting during the COVID-19 pandemic

Spencer dos Santos Ferreira Junior, Vanessa Therezinha Sousa de Almeida, Adilto Luiz Dall’Oglio Júnior, Ronilson de Souza Luiz

Abstract


Redigimos o artigo focados em dados oficiais básicos que contradizem os discursos prevalentes sobre as taxas de feminicídio, durante a pandemia humanitária. O recorte central da análise parte de janeiro de 2020. Trata-se de pesquisa bibliográfica e documental interessada em contextualizar o cenário controlado, pela quarentena, não provocado intencionalmente, que poderá permitir importantes avanços nas pesquisas e estudos com a temática. Abordamos as circunstâncias para a subnotificação da violência doméstica e os equívocos do consenso informacional, que indica aumento de casos de feminicídio durante o ano de 2020. A constatação da redução dos casos, não é uma boa notícia. Se confirmada por outros pesquisadores, teremos em mãos dados concretos que corroboram estudos anteriores que indicavam as principais causas deste crime. Concluímos pela pouca ação prática do Estado, uma vez que não destinamos verbas específicas para estes enfrentamentos, cujas entrâncias a pandemia vem iluminando cada vez mais.


Keywords


Feminicídio. Direitos Humanos. Subnotificação. Pandemia

References


AZEVEDO, Ana Luísa Vieira de; RICCIO, Vicente; RUEDIGER, Marco Aurélio. A utilização das estatísticas criminais no planejamento da ação policial: cultura e contexto organizacional como elementos centrais à sua compreensão. Ci. Inf., Brasília, v. 40, n. 1, p. 9-21, jan./abr. 2011. Acesso em: 21 dez. 2020.

BANDEIRA, Lourdes Maria. Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de investigação. Soc. estado., Brasília, v. 29, n. 2, p. 449-469, maio/ago. 2014. Acesso em: 21 dez. 2020.

BIANCHINI, Alice. Lei Maria da Penha. Lei nº. 11.340/2006: aspectos assistenciais, protetivos e criminais da violência de gênero. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução de Maria Helena Kühener. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

CAMBI, Eduardo; DENORA, Emmanuella. Tutela diferenciada dos direitos das mulheres nas relações domésticas e familiares através da Lei Maria da Penha. Revista de Direito Brasileira. São Paulo, v. 17, n. 7, p. 221-244, maio/ago. 2017. Acesso em: 21 dez. 2020.

CAMPOS, Brisa; TCHALEKIAN, Bruna; PAIVA, Vera. Violência contra a mulher: vulnerabilidade programática em tempos de SARS-COV-2/ COVID-19 em São Paulo. Psicol. Soc. Belo Horizonte, v. 32, p. 1-20, e020015, 2020. Acesso em: 21 dez. 2020.

CHIZZOTTI, Antônio; CASALI, Alípio Marcio Dias. Desigualdade, pobreza e diferença: precariedade na vida escolar. Educação e Filosofia, v. 34, n. 70, p. 193-222, 2021.

CORDEIRO, Débora Cristina da Silva. Por que algumas mulheres não denunciam os seus agressores? CSOnline – Revista Eletrônica de Ciências Sociais, Juiz de Fora, n. 27, p. 365-383, 2018. Acesso em: 21 dez. 2020.

COSTA, Ana Alice Alcantara; SARDENBERG, Cecilia Maria. O feminismo no Brasil: uma (breve) retrospectiva. O feminismo no Brasil: reflexões teóricas e perspectivas. Salvador: UFBA / Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher, 2008.

DE CAMPOS, CARMEM Hein, PADÃO, Jacqueline. Práticas circulares na violência doméstica: terapia e reconciliação. RDP, Brasília, vol. 17, n.95, 290-315, set./out./2020.

DE LIMA, Marcia Cristina Senra Marinho; ANDRADE, Josi. Uma abordagem sociológica-jurídica da violência contra mulher: gênero e cidadania. Revista Refletindo o Direito, v. 1, n. 1, 2013. Acesso em: 21 dez. 2020.

DE OLIVEIRA, Márcio; ROSE MAIO, Eliane. “Você tentou fechar as pernas? – A Cultura machista impregnada nas práticas sociais. POLÊMICA, [S.l.], v. 16, n. 3, p. 001-018, ago. 2016. Acesso em: 21 dez. 2020.

DE TELES, Maria Amélia Almeida; DE MELO, Mônica. O que é violência contra a mulher. São Paulo: Brasiliense, 2002.

GREGORI, Juciane de. Feminismos e resistência: trajetória histórica da luta política para conquista de direitos. Caderno Espac?o Feminino, Uberlândia, v. 30, n. 2, p. 47-68, jul/dez. 2017. Acesso em: 21 dez. 2020.

GROSSI, Miriam Pillar. A Revista Estudos Feministas faz 10 anos: uma breve história do feminismo no Brasil. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, vol. 12, N.E., p. 211-221, set/dez. 2004. Acesso em: 21 dez. 2020.

LAMOGLIA, Cláudia Valéria Abdala; MINAYO, Maria Cecília de Souza. Violência conjugal, um problema social e de saúde pública: estudo em uma delegacia do interior do Estado do Rio de Janeiro. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 595-604, abr. 2009. Acesso em: 21 dez. 2020.

LUND, Rafael Guerra; MÂNICA, Scheila; MÂNICA, Giselle. Collateral issues in times of Covid-19: child abuse, domestic and femicide. Revista Brasileira de Odontologia Legal, v. 7, n. 2, p. 54-69, 2020. Acesso em: 21 dez. 2020.

MACHADO, Ednilson Donisete; DENORA, Emmanuella Magro. Direito das mulheres como inclusão social de minorias a partir da teoria geral dos direitos fundamentais. Revista da Faculdade de Direito do Sul de Minas, Pouso Alegre, v. 33, n. 2, p. 119-134, jun./dez. 2017. Acesso em: 21 dez. 2020.

MARQUES, Emanuele Souza et al. A violência contra mulheres, crianças e adolescentes em tempos de pandemia pela COVID-19: panorama, motivações e formas de enfrentamento. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 36, n. 4, p. 1-6, e00074420, 2020 Acesso em: 21 dez. 2020.

MENEGHEL, Stela Nazareth; PORTELLA, Ana Paula. Feminicídios: conceitos, tipos e cenários. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 9, p. 3077-3086, set. 2017. Acesso em: 21 dez. 2020.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Laços Perigosos Entre Machismo e Violência. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 23-26, Mar. 2005. Acesso em: 21 dez. 2020.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. Tradução de Angela M. S. Côrrea. São Paulo: Contexto, 2007.

PIOVESAN, Flávia; IKAWA Daniela. A violência doméstica contra a mulher e a proteção dos Direitos Humanos in SÃO PAULO: Procuradoria Geral do Estado. Grupo de Trabalho de Direitos Humanos: Direitos Humanos no Cotidiano Jurídico. Centro de Estudos da Procuradoria Geral do Estado de São Paulo, São Paulo, 2004.

SARTI, Cynthia Andersen. O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 35-50, maio/ago. 2004. Acesso em: 21 dez. 2020.

SILVA, Giovansa Carvalhaes Figueira de Oliveira; LAPORT, Tamires Jordão. Machismo: fruto de esquemas desadaptativos. Revista Mosaico, v. 10, n. 1, p. 20-28, jan./jun. 2019. Acesso em: 21 dez. 2020.

SILVA, Susan de Alencar et al. Análise da violência doméstica na saúde das mulheres. Rev. bras. crescimento desenvolv. hum., São Paulo, v. 25, n. 2, p. 182-186, 2015. Acesso em: 21 dez. 2020.

SILVA, Viviane Graciele da; RIBEIRO, Patrícia Mônica. Violence against women in the practice of nurses of primary health care. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro , v. 24, n. 4, e20190371, 2020. Acesso em: 21 dez. 2020.

TAYLOR, Jéssica. Why women are blamed for everything: exploring victim blaming of women subjected to violence and trauma. Londres, Constable, 2020.

TOLEDO, Claudia et al (2020). Direitos fundamentais sociais e mínimo existencial na realidade latino-americana: Brasil, Argentina, Colômbia e México. Revista Brasileira de Direitos Fundamentais & Justiça, Belo Horizonte, v. 13, n. 41, p. 213-239, jul./dez. 2019. Acesso em: 21 dez. 2020.

VIEIRA, Pamela Rocha; GARCIA, Leila Posenato; MACIEL, Ethel Leonor Noia. Isolamento social e o aumento da violência doméstica: o que isso nos revela? Revista Brasileira de Epidemiologia, Rio de Janeiro, v. 23, p. 1-5, e200033, 2020. Acesso em: 21 dez. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-367

Refbacks

  • There are currently no refbacks.