Comportamento do óleo de soja durante estresse térmico / Soybean oil behavior during thermal stress

Rafael Pedro Gonçalves, Vanessa Cortina Zanetti, Maria Manuela Camino Feltes, Samantha Lemke Gonzalez

Abstract


O alimento frito apresenta características organolépticas e sensoriais únicas que atraem o consumidor. No processo de fritura, ocorrem várias reações que acarretam mudanças no óleo, alterando suas características e produzindo substâncias como as acroleínas e acrilamidas, prejudiciais à saúde, podendo causar doenças graves, como o câncer. Assim, a presente pesquisa teve como objetivo estudar o processo de estresse térmico do óleo de soja sob diferentes condições de tempo e temperatura. Amostras de óleo de soja foram aquecidas, em fritadeira elétrica, em 3 temperaturas determinadas (130°C, 150°C, 180°C)  e ficaram sob exposição nos tempos de 0,5; 1; 1,5; 2,5; 3,5; 4,5; 5,5; 6,5; 7,5h, sendo retiradas amostras a cada tempo pré-determinado, não havendo reposição de volume. No óleo refinado foram realizadas as análises de atividade de água (equipamento medidor de Aw), índice de acidez (AOAC 940.28) e índice de peróxidos (AOCS Cd 8-53). Já no óleo oxidado foram realizadas as análises de índice de acidez, índice de peróxidos, colorimetria (colorímetro Konica Minolta) e compostos polares totais (Oxifrit-Test®). Foram realizadas análises estatísticas entre os tratamentos. Os resultados obtidos com relação ao óleo de soja refinado demonstraram que o mesmo se encontrava em condições adequadas, estando dentro dos limites da legislação. Durante a exposição do óleo às condições de fritura, observou-se uma acidez crescente, não apresentando diferenças significativas, sendo a variação mais expressiva de 0,15% em 7,5 h a 180°C, valor que está dentro da legislação (0,9%). O índice de peróxidos apresentou uma diferença significativa nos resultados, com um aumento rápido e contínuo de hidroperóxidos, principalmente em 130°C e 150°C, devido ao processo de autoxidação. Na análise colorimétrica, a amostra apresentou um escurecimento (redução de *L), esverdeamento (-*a) e permanência da coloração amarelada (*b) após o processo de oxidação térmica, demonstrando diferenças significativas entre os tempos e temperaturas. Na análise de compostos polares totais, as temperaturas de 130°C e 150°C apresentaram um óleo com possibilidade de uso ao fim de 7,5 h, já em 180°C o óleo deveria ser descartado após 5,5 h. A qualidade do óleo foi influenciada significativamente pelo tempo e pela temperatura de exposição, produzindo compostos de degradação térmica que alteraram suas características. Segundo recomendações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o óleo oxidado neste estudo deveria ser descartado após 5,5 h a 180°C.


Keywords


Fritura, oxidação, óleo de soja.

References


ANS, V. G.; MATTOS, E. S.; JORGE, N. Avaliação da qualidade dos óleos de fritura usados em restaurantes, lanchonetes e similares. Food Science and Technology (Campinas). v. 19, n. 3, 1999.

AOAC, Association of Official Agricultural Chemists. Official methods of analysis of Association of Official Analytical Chemists International. 16th ed. Arlington: AOAC International, 1995. [AOAC Official method 940.28].

AOCS, American Oil Chemists’Society. Official Methods and Recommended Practices of the American Oil Chemists' Society. 4 ed. Champaign USA. AOCS. 1990. [AOCS Official method Cd 8-53].

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Óleos e gorduras utilizados em frituras. Informativo técnico, n. 11, 5 de outubro de 2004. Disponível em: <(http://antigo.anvisa.gov.br/informacoes-tecnicas13?p_p_id=101_INSTANCE_WvKKx2fhdjM2&p_p_col_id=column-2&p_p_col_pos=1&p_p_col_count=2&_101_INSTANCE_WvKKx2fhdjM2_groupId=33916&_101_INSTANCE_WvKKx2fhdjM2_urlTitle=informe-tecnico-n-11-de-5-de-outubro-de-2004&_101_INSTANCE_WvKKx2fhdjM2_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_INSTANCE_WvKKx2fhdjM2_assetEntryId=2747026&_101_INSTANCE_WvKKx2fhdjM2_type=content)>. Acesso em: 17/03/2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-RDC nº 270, de 22 de setembro de 2005. Disponível em: <(https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2005/rdc0270_22_09_2005.html)>. Acesso em: 18/03/2021.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 49, de 22 de dezembro de 2006. Disponível em: <(http://sistemasweb.agricultura.gov.br/sislegis/action/detalhaAto.do?method=visualizarAtoPortalMapa&chave=643062246)>. Acesso em: 16/03/2021.

CARVALHO, S.M., et al. Efeito da adição de tocoferóis naturais sobre a qualidade de óleo de soja refinado e embalado em PET durante a estocagem. Braz. J. Food. Technol. 2008; 11(2):134-43.

CELLA, R. C. F.; REGITANO-D’ARCE, M. A. B.; SPOTO, M. H. F. Comportamento do óleo de soja refinado utilizado em fritura por imersão com alimentos de origem vegetal. Ciência e Tecnologia de Alimentos. Campinas, v. 22, p. 111-116, 2002.

CORSINI, M. S. et al. Perfil de ácidos graxos e avaliação da alteração em óleos de fritura. Química Nova, v. 31, p. 956-961, 2008.

CHOE, E.; MIN, D.B. Chemistry of Deep-Fat Frying Oils. Journal of food science, v.72, n.5, p.77-86, 2007.

D´AGOSTINI, MANCINI-FILHO, 2012. Ácidos graxos trans: características nutricionales. In: BLOCK, J.M.; BARRERA-ARELLANO, D. Temas selectos en aceites y grasas. v. 2. São Paulo: Blucher, 2012.

DAMY, P. C.; JORGE, N. Determinações físico-químicas do óleo de soja e da gordura vegetal hidrogenada durante o processo de fritura descontínua. Braz. J. Food Technol., v. 6, n. 2, p. 251-257, 2003.

DANA, D.; SAGUY, I. S. Review – Frying of Nutritions Foods:Obstacles and Feasibility. Food Sci. Technol. Res., v. 7, p. 265-279, 2001.

DOBARGANES, M. C., PÉREZ-CAMINO, M. C. & MÁRQUEZ-RUIZ, G. Determination of compounds in frying fats and oils. Grasa y Aceites, 1989, 40, (1), 35-8.

FUENTES, P. H. A. Avaliação da qualidade de óleos de soja, canola, milho e girassol durante o armazenamento. 2011. 98 f. Dissertação (Mestrado em Ciência dos Alimentos), Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011. Disponível em: . Acesso em: 17/03/2021.

GARÓFOLO, A. et al. Dieta e câncer: um enfoque epidemiológico. Rev. Nutr. vol. 17, nº 4, Campinas, Oct./Dec. 2004. Disponível em: <(https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-52732004000400009&script=sci_arttext&tlng=pt)>. Acessado em: 16/03/2021.

GERDE, J. A. et al. Soybean Oil. In: SHAHIDI, F. Bailey’s Industrial Oil and Fat Products: Edible Oils. 7.ed. EUA: 2020.

HAMILTON, R. J., et al. Chemistry of free radicals in lipids. Food Chemistry, 60(2), 193–199, 1997. Disponível em: <(https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0308814696003512)>. Acesso em: 18/03/2021.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Óleos e gorduras. In: Zenebon O, Pascuet NS, Tiglea P., coordenadores. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz; 2008.

JORGE, N. JANIERE, C. Avaliação do óleo de soja submetido ao processo de fritura de alimentos diversos. Ciência e agrotecnologia - Lavras. v. 29, n. 5, p. 1001-1007, 2005a. Disponível em: <(https://www.scielo.br/pdf/cagro/v29n5/a13v29n5.pdf)>. Acesso em: 18/03/2021.

JORGE, N. et al. Alterações físico-químicas dos óleos de girassol, milho e soja em frituras. Química Nova. v. 28, n. 6, p. 947-951, 2005b. Disponível em: <(https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-40422005000600003)>. Acesso em: 18/03/2021.

LANDGRAF, D. C. BERTHO, R. M. Avaliação da degradação do óleo de soja no processo de fritura de batata pré-frita. Trabalho de Conclusão de Curso (Tecnólogo em Alimentos). Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR. Londrina - PR, 2019. Disponível em: <(http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/15568/1/LD_COALM_2019_2_02.pdf)>. Acesso em: 16/03/2021.

LAWSON, H. Food oils and fats: technology, utilization and nutrition. New York: Chapman & Hall, 1995.

MARQUES, A. C. VALENTE, T. B. da ROSA, C. S. Formação de toxinas durante o processamento de alimentos e as possíveis consequências para o organismo humano. Revista de Nutrição. vol. 22, n. 2. Campinas, mar./apr. 2009.

OSAWA, C. C.; GONÇALVES, L. A. G.; MENDES, F. M. Avaliação dos óleos e gorduras de fritura de estabelecimentos comerciais da cidade de Campinas/SP. As boas práticas de fritura estão sendo atendidas? Alimentos e Nutrição. v. 21, p. 47-55, 2010.

RIQUE, A. B. R. SOARES, E. A. MEIRELLES, C. M. Nutrição e exercício na prevenção e controle das doenças cardiovasculares. Rev. Bras. Med. Esporte. 2002; 8(6): 244-54. Disponível em: <(https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-86922002000600006&script=sci_abstract&tlng=es)>. Acesso em: 16/03/2021.

SAGUY, I. S.; DANA, D. Integrated approach to deep fat frying: engineering, nutrition, health and consumer aspects. Journal of Food Engineering. v. 56, p. 143-152, 2003.

SANIBAL, E. A. A.; MANCINI FILHO, J. Alterações físicas, químicas e nutricionais de óleos submetidos ao processo de fritura. Food Ingr. South Am. 2002; 1(3): 64-71.

STOTT-MILLER, M.; NEUHOUSER, M. L.; STANFORD, J. L. Consumption of Deep-Fried Foods and Risk of Prostate Cancer. The Prostate. v. 73, p. 960-969, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-377

Refbacks

  • There are currently no refbacks.