Uso de geotecnologias na identificação e na avaliação dos impactos ambientais nas áreas de preservação permanente em nascentes / Use of geotechnologies in the identification and assessment of environmental impacts in the permanent preservation areas in springs

Carla Gisele dos Santos Carvalho, Uldérico Rios Oliveira, Rafael Alves Porto, Núbia da Silva, Rafael Costa Guimarães Farias

Abstract


Nascentes e cursos d’água são Áreas de Preservação Permanente respaldadas pelo Código Florestal, lei 12.651 de 2012, instrumento importante na proteção do meio ambiente e que proporciona a conservação e redução de impactos ambientais. Nesse contexto, o presente trabalho teve como objetivo avaliar impactos ambientais nas APP’s de nascentes do rio de Ondas, Barreiras – Ba, ressaltando o uso de geotecnologias no processo de identificação. Foram mapeadas APP´s presentes em 13 nascentes, na qual empregou-se a delimitação de um buffer com raio de 50m em torno de cada ponto amostral.  Posteriormente, os dados obtidos foram submetidos à interpretação através das ferramentas QGIS 2.18.28. Considerou-se como parâmetros de avaliação as nascentes inseridas em área agrícola, próximas a estradas, pastagem, solo exposto e vegetação degradada. Após a avaliação, notou-se que a degradação ambiental ocorreu em suma pela retirada da vegetação nativa, pela proximidade de áreas habitadas e estradas. Portanto, a intervenção em APP gera impactos expressivos, e a fim de mitiga-los, ações de fiscalização e estratégias de recuperação devem ser efetivas.


Keywords


Proteção ambiental, Atividades antrópicas, Geoprocessamento.

References


ALENCAR, V. B.; MEIRA, S. A.; MENDES, L. M. S. Áreas de Preservação Permanente no Campus do Itaperi e seu entorno (Fortaleza, Ceará): o uso de técnicas de geoprocessamento no auxílio à proteção ambiental. Planeta Amazônia: Revista Internacional de Direito Ambiental e Políticas Públicas, n. 9, p. 45-59, 2017.

ALMEIDA, R. S.; LATUF, M. O.; SANTOS, P. S. Análise do desmatamento na bacia do rio de Ondas no período de 1984 a 2014, Oeste da Bahia. Caderno Prudentino de Geografia, v. 1, n. 38, p. 41-63, 2016.

BATISTELLA, M. et al. Monitoramento da expansão agropecuária na Região Oeste da Bahia. Embrapa Monitoramento por Satélite-Documentos (INFOTECA-E), Campinas, SP, 2002.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Resolução nº 303, de 20 de março de 2002. Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 mar. 2002. Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=299. Acesso em: 21.Jan. 2020.

BRASIL. Lei nº 12.651 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção de vegetação nativa. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 mai. 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.htm. Acesso em: 17 nov. 20200.

CAMPOS, S. et al. Técnicas de geoprocessamento na caracterização de apps numa microbacia, em função da legislação ambiental. Energia na Agricultura, v. 32, n. 2, p. 184 -188, 2017.

COUTINHO, L. M. et al. Usos da terra e Áreas de Preservação Permanente (APP) na bacia do rio da Prata, Castelo-ES. Floresta e Ambiente, v. 20, n. 4, p. 425-434, 2013.

CUNHA, E. R.; BACANI, V. M. Geoprocessamento e SIG aplicado na identificação dos conflitos de uso da terra e legislação ambiental na bacia hidrográfica do córrego Indaiá, Aquidauana-MS. In: XVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSOREAMENTO REMOTO-SBSR, João Pessoa-PB. 2015. Anais [...]. Três Lagoas-MS: INPE, 2015. p. 0842 – 0849.

CUNHA, E. R.; et al. Imagens de Alta Resolução do Google Earth como Base para o Mapeamento do Uso e Cobertura da Terra da Bacia Hidrográfica do Córrego Indaiá- MS. Revista Pantaneira, v. 14, p. 60-68, 2012.

EUGÊNIO, F. C. et al. Mapeamento das áreas de preservação permanente do estado do Espírito Santo, Brasil. Ciência Florestal, v. 27, n. 3, p. 897-906, 2017.

FITZ, P. R. Geoprocessamento sem complicação. 1 ed. Oficina de textos, São Paulo, 2008.

FLAUZINO, F. S. et al. Mirna Karla Amorim Silva. Luiz Nishiyama. Roberto Rosa. Geotecnologias aplicadas à gestão dos recursos naturais da bacia hidrográfica do rio Paranaíba no cerrado mineiro. Sociedade & Natureza, v. 22, n. 1, p. 75-91, 2010.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Barreiras, Bahia, Brasil- Censo 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/barreiras/panorama. Acesso em: 28 out. 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Geociências: Downloads. 2010. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/geociencias/downloads-geociencias.html. Acesso em: 29 jun. 2020.

INCRA. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Acervo Fundiário. 2010. Disponível em: http://acervofundiario.incra.gov.br/acervo/acv.php. Acesso em: 29 jan. 2020.

JENSEN, J. R. Sensoriamento remoto do ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. Tradução da 2ed. por (pesquisadores do INPE): José Carlos N. Epiphanio (coordenador); Antonio R. Formaggio; Athos R. Santos; Bernardo F. T. Rudorff; Cláudia M. Almeida; Lênio S. Galvão. São José dos Campos, 2009.

MARTINS, I. A. et al. Áreas de proteção ambiental e a preservação do bioma cerrado. Revista Brasileira de Estudos de Segurança Pública, v. 12, n. Especial, p. 10-19, 2019.

MOREIRA, A, M. Uso de imagens do Google Earth capturadas através do software stitch map e do TM/Ladsat-5 para mapeamento de lavouras cafeeiras – nova abordagem metodológica. In: XV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 2011, Curitiba, Paraná. Anais [...]. São josé dos Campos: INPE, 2011. p. 0481- 0488.

MMA. Ministério do Meio Ambiente. Downloads de dados geográficos. 2010. Disponível em: http://mapas.mma.gov.br/i3geo/datadownload.htm. Acesso em: 29 jan. 2020.

NASCIMENTO, M. C.; SILVA, M. P.; GUIMARAES JUNIOR, S. A. M. Geoprocessamento aplicado a análise dos impactos ambientais na cobertura vegetal da Área de Proteção Ambiental de Santa Rita, Alagoas-Brasil. In: XIV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 2009, Natal, Rio Grande do Norte. Anais [...]. São José dos Campos: INPE, 2009. p. 4101-4108.

NOVO, E. L. de M. Sensoriamento Remoto. Princípios e Aplicações. São Paulo: Edgard Blucher Ltda, 2010.

SANTANA, O. A. et al. Distribuição de espécies vegetais nativas em distintos macroambientes na região do oeste da Bahia. Revista Espaço e Geografia, v. 13, n. 2, 2010.

SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P.; RIBEIRO, J. F (ed.). Cerrado: Ecologia e Flora. Vol 1. Embrapa–Cerrados: Brasília, Brasil, 2008.

SANTO, C. L. et al. Avaliação ambiental da área de preservação permanente das nascentes e corpo hídrico impactados pela atividade pecuária rotativa. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 5, p. 25385-25390, 2020.

SOUZA, P. A. et al. Metodologias de avaliação de impactos ambientais da APP, Rancho Tutty Falcão Gurupi-TO. Enciclopédia Biosfera, v.13, n. 24, 2016.

ZAIDAN, R. T. Geoprocessamento conceitos e definições. Revista de Geografia-PPGEO-UFJF, v. 7, n. 2, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-410

Refbacks

  • There are currently no refbacks.