A governança pública e sua aplicação nos regimes próprios de previdência social / Public governance and its application in the schemes own social security

Gislene Pereira Silva Gomes, Carlos Alberto Dias, Andreia Teixeira de Oliveira Santos, Ciro Meneses Santos, Ivana Carneiro Almeida, João Paulo Calembo Batista Menezes

Abstract


O objetivo do presente artigo é apresentar uma revisão bibliográfica sobre a utilização dos instrumentos de governança pública na gestão dos Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS). A pesquisa foi realizada em livros, manuais e artigos científicos publicados em periódicos relevantes. O estudo descreveu os modelos de gestão pública que são praticados no Brasil, demonstrando a influência da cultura patrimonialista e a governança pública como resultado da evolução do gerencialismo. A pesquisa constatou que a governança pública vem sendo aplicada no âmbito da administração pública e que a previdência social vem adotando seus instrumentos, inclusive nos regimes próprios, como é o caso do programa Pró-Gestão RPPS que visa a melhoria da qualidade e capacitação dos gestores públicos.

Keywords


Gestão pública. Governança Pública. Regimes Próprios de Previdência.

References


Barros, Nara R. M., Leal, Débora A. (2021) Tramitação simplificada, um dos paradigmas nas ações administrativas institucionais, Brazilian Journal of Development, 7(1), p.10494-10502.

Brasil, (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Presidência da República – Casa Civil – Available in: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Access: 15 Dez 2020.

Brasil, (2015). Previdência Social – Ministério da Previdência Social - Available in: http://sa.previdencia.gov.br/site/2018/01/PORTARIA-MPS-n%C2%BA-185-de-14maio2015-atualizada-at%C3%A9-02jan2018.pdf. Access: 20 Dez 2020.

Brasil, (2020). Ministério da Economia – Secretaria Especial de Previdência e Trabalho – SEPRT. Available in: https://www.gov.br/previdencia/pt-br/assuntos/previdencia-no-servico-publico/pro-gestao-rpps-certificacao-institucional/arquivos/2020/manual-do-pro-gestao-rpps-versao-3-1_1092020.pd%20f. Access: 15 Dez 2020.

Brasil, (2015). Ministério da Previdência Social. Plano Estratégico / Ministério da Previdência Social. Brasília: MPS, 44.

Brasil, (2020). Tribunal de Contas da União. Referencial básico de governança aplicável a organizações públicas e outros entes jurisdicionados ao TCU / Tribunal de Contas da União. Edição 3 - Brasília: TCU, Secretaria de Controle Externo da Administração do Estado – Secex Administração, 242.

Carvalho J. S. F. (2020). Manual de direito administrativo. 34 ed. São Paulo: Atlas.

Filgueiras, F. (2018). Indo além do gerencial: a agenda da governança democrática e a mudança silenciada no Brasil. Revista de Administração Pública, 52(1), 71-88.

Flick, U. (2008). Introdução à Pesquisa Qualitativa. 3 ed. Porto Alegre: Artmed Editora.

Gil, Antonio C. (2002) Como Elaborar Projetos de Pesquisa, 4 ed. São Paulo: Atlas.

Ibrahim, Fábio Zambitte. Curso de Direito Previdenciário. 15. ed. rev., ampl. e atual. Rio de Janeiro: Impetus, 2010.

Louzano, J. P. D. O., Tavares, Bruno, Martins, Fabrícia J. O., Costa, Thiago M. T., (2019). Accountability no regime próprio de previdência dos servidores municipais de diferentes estruturas institucionais. Repositório FGV EAESP. 24(77). DOI:

https://doi.org/10.12660/cgpc.v24n77.75891

Oliveira, A. G. D., Pisa, Beatriz J., (2015). IGovP: Índice De Avaliação Da Governança Pública - Instrumento de Planejamento do Estado e de Controle Social Pelo Cidadão. Revista de Administração Pública. 49(5). Rio de Janeiro.

Pereira, A. S., Sthitsuka, D. M., Pereira, F. J., & Shitsuka, R.. (2018) Metodologia da Pesquisa Científica, Universidade Federal de Santa Maria. Núcleo de Tecnologia Educacional, Santa Maria. https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Pereira, L. C. B. (1998). Exposição no Senado sobre a Reforma da Administração Pública. Caderno do MARE, Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, Brasília, 03.

Sano, H. & Abrucio, F. L. (2008). Promessas e Resultados da Nova Gestão Pública no Brasil: o Caso das Organizações Sociais de Saúde em São Paulo. RAE - Revista de Administração de Empresas, 48(3), 64-80. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902008000300007

Rodrigues, Eduardo A. S., Furtado, Laiane G., Lima, Diana, V., (2019). Adoção de Princípios de Boa Governança na Previdência Social do Brasil: Conhecendo as Diretrizes da ISSA. Revista Brasileira de Previdência. Available in: http://revista.unicuritiba.edu.br/index.php/previdencia/article/view/4467. Access: 05 Jan 2021.

Secchi, L. (2009). Modelos Organizacionais e Reformas Da Administração Pública. Rev. Adm. Pública, 43(2), 347-369. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122009000200004.

Tavares, Paulino V., Romão, Ana Lúcia, (2021) Transparência, Accountability e Corrupção: Uma Percepção Qualitativa da Governança Pública no Brasil e na África do Sul, Brazilian Journal of Development, (7)3, p 23596-23633.

Unesp, Universidade Estadual Paulista. (2020). Tipos de Revisão de Literatura. Botucatu.

Violin, T. C. (2007). Da Administração Pública Patrimonialista À Administração Pública Gerencial E A Burocracia. A&C R. de Dir. Administrativo & Constitucional, Belo Horizonte, 7(30), 225-247, Available in: http://www.revistaaec.com/index.php/revistaaec/article/view/646. Access: 10 Jan 2021.

Zwick, E., Teixeira, Marília P. R., Pereira, José R., Vilas Boas, Ana A. (2012). Administração pública tupiniquim: reflexões a partir da Teoria N e da Teoria P de Guerreiro Ramos. Cad. EBAPE.BR, Rio de Janeiro,10(2), 284-301.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-465

Refbacks

  • There are currently no refbacks.