Os desafios da educação especial na prática do AEE em Santa Cruz Cabrália-BA / The challenges of special education in the practice of AEE in Santa Cruz Cabrália-BA

Dilce Teresinha Assunção Da Silva, Roniere dos Santos Fenner

Abstract


O presente estudo caracteriza-se por ser de natureza qualitativa, de cunho exploratório baseado em uma palestra realizada no I seminário Regional do Extremo Sul da Bahia sobre “os desafios da Educação Especial na prática do AEE em Santa Cruz Cabrália-BA". O objetivo geral da presente pesquisa foi procurar identificar as práticas pedagógicas utilizadas pelos professores do Atendimento Educacional Especializado - AEE da rede pública de Santa Cruz Cabrália- BA, e como fazem para incluir os alunos com deficiência no processo de ensino e aprendizagem. Metodologia: Os docentes responderam um questionário semiestruturado e entregaram um pequeno relato sobre as  práticas por e-mail sobre as atividades e os materiais que utilizam para trabalhar com os alunos na sala de recursos multifuncional - AEE. Análise dos dados: Os dados coletados foram submetidos à técnica de Análise de Conteúdo, Segundo as proposições de Bardin (2002), e corresponde a uma metodologia que possibilita a descrição e a interpretação dos conteúdos das mensagens.


Keywords


desafios, práticas docente

References


ALMEIDA, L. S. Facilitar a aprendizagem: ajudar os alunos a aprender e a pensar. Psicologia Escolar e Educacional, 6, 155-165.2002.

ALVES, G. L. A Produção da Escola Pública Contemporânea. Campo Grande: Ed. UFMS; Campinas: Autores Associados, 2001.

ARANHA, M.S.F. Educação inclusiva: a fundamentação filosófica/coordenação geral. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. 2004. v.1

Asbahr, F. da S. F., & Lopes, J. S. (2006). A culpa é sua. Psicologia USP, 17(1),53-73. Acesso em maio de 2020.

Arnot, Madeleine (2006). Freedom’s children: a gender perspective on the education of the learner-citizen. Review of Education, 52, pp. 67-87

BIANCHETTI, L. Um olhar sobre a diferença: as múltiplas maneiras de olhar e ser olhado e suas decorrências. In: DENARI, F. E.; MANZINI, E. J. (Ed.). Revista Brasileira de Educação Especial. Marília/São Carlos: UNESP/ABPEE, v. 8, n. 1, 2002.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2002.

BUENO, J. G.S. Educação especial brasileira: integração/ segregação do aluno

diferente. São Paulo: EDUC, 1993.

BUENO, B. O. et al. (Org.). A vida e o ofício dos professores: formação contínua, autobiografi a e pesquisa em colaboração. São Paulo: Escrituras, 1998.

BUENO, J.G.S. As políticas de inclusão escolar, uma prerrogativa da educação especial. In: BUENO J.G.S; MENDES, G.M.L; SANTOS, R.A. (Org.). Deficiência e escolarização: novas perspectivas de análise. Araraquara: Junqueira & Marin. Brasília: CAPES, 2008. p.43-63.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a Educação Especial. Brasília: Ministério da Educação. 1998.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 23 DEZ. 1996. Disponível em:

COLLARES, C. A. L. e MOYSÉS, M. A. A. A História não Contada dos Distúrbios de Aprendizagem. Cadernos CEDES no 28, Campinas: Papirus, 1992, pp.31-48.

Declaração de Salamanca e Linha de Ação sobre Necessidades Educativas Especiais. (1994, Salamanca).

DURKHEIM, É As regras do método sociológico. São Paulo, Martins Fontes, 2007.

Tédde, Samantha. T254c - Crianças com deficiência intelectual: a aprendizagem e a inclusão / Samantha Tédde. Americana: Centro Universitário Salesiano de São Paulo, 2012. 99 f. Dissertação (Mestrado em Educação). UNISAL – SP.

FALCONI, Eliane Regina Moreno; SILVA, Natalie Aparecida Sturaro. ESTRATÉGIAS DE TRABALHO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL AEE. AEE, Atendimento Educacional Especializado, v. 10, 2002.

www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382012000300009

FONSECA, Victor da. Uma introdução as dificuldades de aprendizagem. Editorial Noticias Lisboa, 1999.

FERNÁNDEZ. A. A inteligência aprisionada: abordagem psicopedagógica clínica da criança e da família. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

FUMEGALLI, Rita de Cassia de Avila. "Inclusão escolar: o desafio de uma educação para todos?. 2012.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1975.

______ Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

FREDES, Maria Elizabete Pereira. A ludicidade como estratégia na prevenção das integração. Brasília: Ministério da Educação – Secretaria de Educação Especial, julho/agosto de 1989.

GADOTTI, M. Diversidade cultural e educação para todos. Rio de Janeiro: Graal, 1992.

GADOTTI M. Educação e poder: introdução à pedagogia do conflito. 10. ed. São Paulo: Cortez, 1998.

GARDNER, H. Estruturas da mente: a teoria das inteligências múltiplas. Porto Alegre: Arte médicas, 1994.

_________ O verdadeiro, o belo e o bom: Os princípios básicos para a nova educação. Rio de Janeiro: Objetiva, 1999.

GARDNER, H. Inteligências múltiplas. Universia Brasil. Disponível em: htpp//www.universiabrasil_howardgardner.html, 2005. Acesso 2015

GONÇALVES. Áurea Maria Stavale. A criança disléxica e a clínica Psicopedagógica. 2006.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa sócial. São Paulo: Atlas, 1999.

HONORA M. & FRIZANCO M. L., Esclarecendo as deficiências: Aspectos teóricos e práticos para contribuir com uma sociedade inclusiva. Ciranda Cultural, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA ESTATÍSTICA ( IBGE) em 2010 e divulgação em 2012 -http://cod.ibge.gov.br/234 fw. Acesso em abril de 2016.

IBGE. 2013. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2015.

OLIVEIRA,J.H. Barros de; Oliveira M.Barros. Psicologia da Educação Escolar II Professor-Ensino. Livraria Almeirda, Coimbra Portugal, 1996.

OLIVEIRA, A. A. S. Estratégias para o ensino inclusivo na área da deficiência intelectual -Políticas públicas de formação de recursos humanos em educação especial. Londrina: ABPEE, p.69-82, 2009.

MACEDO, Lino. O lúdico nos processos de desenvolvimento e aprendizagem escolar. In: João Alberto da. (orgs). Psicopedagogia em movimento. Pelotas: EDUCAT, 2009.

MIRANDA, M.I. Crianças com problemas de aprendizagem na alfabetização: contribuições e teorias piagetiana.Araraquara, SP: JM Editora, 2000

MOOJEN, S. Dificuldades ou transtornos de aprendizagem? In: Rubinstein, E. (Org.). Psicopedagogia: uma prática, diferentes estilos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.

MORAES R, Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciências & Educação: Bauru , SP, V9, 2003

MORIN, Edgar. Ato de Educar. Rio de Janeiro.Bertrand Brasil, 2000

PARANÁ, Critérios para o atendimento educacional especializado em Sala de Recursos Multifuncional - Tipo I, na Educação Básica. Curitiba, 2011.

ROMERO, J.F. Os atrasos maturativos e as dificuldades de aprendizagem.In: COLL. C.,PALACIOS, J., MARCHESI, A. Desenvolvimento psicológicos e educação: necessidades educativas especiais e aprendizagem escolar.Porto Alegre: Artes Médicas, 1995,v.3.

TÉDDE, Samantha. T254c - Crianças com deficiência intelectual: a aprendizagem e a inclusão / Samantha Tédde. Americana: Centro Universitário Salesiano de São Paulo, 2012. 99 f. Dissertação (Mestrado em Educação). UNISAL – SP.

TRIVINUS, A.N.S Introdução a pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987

VIGOTSKY, Lev; Leontiev; Alexis; Luria; Alexandr R.Psicologia e pedagogia: Bases Psicologicas da Aprendizagem e do desenvolvimento. São Paulo: Moares, 1991.

VIGOTSKY, Lev; A Formação Social da Mente, São Paulo: Fontes, 1991.

VIGOTSKY, Lev; Leontiev S. Psicologia e pedagogia. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

VIGOTSKY & A Educação – João Batista Martins – Belo Horizonte – Autentica, 2005.

VOLKMANN. T. O. D. Sala de recursos: uma opção para a superação das dificuldades de aprendizagem. 46 f. Monografia (Curso de especialização em Educação Especial) da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, campus de Marechal Cândido Rondon, 1999.

WEBER & BENETTI, v(8), nº 8, p. 1900 – 1915, AGO, 2012. (e-ISSN: 2236-1308) Pós-Graduada em Educação: Interdisciplinaridade e Transversalidade, Unipampa.

http://www.colegioweb.com.br/curiosidades/vantagens-e-desvantagens-das-escolas-de-tempo-integral.html#ixzz46r7FESkU.

http: www.mec.gov.br/portalbrasil. com /informações- do-ministério-da-educação

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO. O Programa de Contraturno Escolar. Disponível em: http://portalsme.prefeitura.sp.gov.br/ Acesso em: 23 de nov. 2011.

www.ministeriodaeducação.gov.br

novaescola.org.br/formacao/deficiencia-intelectual-inclusao-636414.shtml

someeducacional.com.br/apz/...de_aprendizagem/DificuldadeAprendizagem.pdf

Higa, S. L., & Martinelli, S. C. (2006). As orientações motivacionais de estudantes do ensino fundamental. Teoria e Prática da Educação, 9(2), 169-177.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-537

Refbacks

  • There are currently no refbacks.