O museu como espaço social: o caso do Museu De Arte Moderna Aloísio Magalhães no centro expandido continental do Recife / The museum as a social space: the case of the Aloísio Magalhães Museum Of Modern Art in the expanded continental center of Recife

Vinícius de Lemos Santos, Ana Luisa Oliveira Rolim

Abstract


A cidade é uma rede de vias, espaços livres e espaços edificados, cujas relações são de fundamental para compreender as cidades. No âmbito dos espaços edificados, este estudo enfoca o museu de arte na cidade contemporânea, tendo como objeto específico o Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (MAMAM), situado no Recife. A teoria da arquitetura pode ser estudada a partir de suas causas (determinações ambientais, políticas, ideológicas etc.), como uma variável dependente, ou de se seus efeitos, isto é, através de seus impactos diretos nos usuários (funcionais, econômicos, sociológicos, bioclimáticos etc.), portanto, como variável independente. A presente metodologia fundamenta-se neste segundo grupo, especificamente, no campo da sintaxe espacial, enquanto teoria e ferramenta analítica da arquitetura, cuja investigação-chave é em que medida a arquitetura e o urbanismo interferem nas relações sociais (HILLIER e HANSON,1984: 2003). O enfoque da pesquisa é a análise morfológica dos leiautes espaciais do MAMAM, antes e pós reforma sofrida na década de 1990.  Possuindo um rico acervo permanente e exposições temporárias, defende-se que o museu tenha tanto um papel pedagógico como de transmissor de experiência espacial e social. Para que fosse empreendida a análise sintática dos espaços, primeiro, levantaram-se as plantas baixas do museu nos dois momentos em questão, para, depois, serem elaborados mapas convexos e grafos justificados  visando a averiguação dos tipos de espaços conforme categorizados por Hillier (1996). Posteriormente, foram realizados mapas de visibilidade, juntamente com simulações de agentes autômatos para investigar padrões de deslocamento nos espaços. Além disso, foram feitas observações e rastreamento de visitantes in loco. Após a análise dos dados, observou-se que a reforma ocorrida não parece ter tido um impacto relevante na integração visual dos ambientes, se comparada à configuração original, e, de acordo com as simulações de agentes autômatos, novos percursos mostram uma nítida distinção no deslocamento de visitantes, o que se deve a uma partição espacial mais complexa do que no leiaute anterior à reforma. Entende-se que os resultados apresentados são importantes por revelar informações valiosas ao entendimento do espaço estudado, estimulando desdobramentos futuros da pesquisa no campo da sintaxe espacial, que visem a produção de espaços expositivos mais positivos em relação ao seu potencial, tanto como espaço social, como caráter pedagógico-cultural.


Keywords


Morfologia espacial, Sintaxe espacial, Museus, Arquitetura de museus.

References


AL-SAYED, K. et al. Space Synthax Methodology. Bartlett School of Architecture, UCL, 2014. 117p.

BENEDIKT, M. L. To take hold of space: isovist and isovist fields. Environment Planning B 6, 1979, p. 47-65.

CHOI, Y. K. The morphology of exploration and encounter in museum layouts. In: Proceedings, Space Syntax First International Symposium,1997. Vol 1, p. 16.1 -16.10.

HILLIER, B. e HANSON, J. The Social Logic of Space. Cambridge: Cambridge University Press, 2003. 281 p.

HILLIER, B. Space is the machine. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

_________ e TZORTZI, K. Space Syntax: The Language of Museum Space. In: MACDONALD, Sharon (Ed.). A Companion to Museum Studies. Oxford: Wiley-Blackwell, 2011. Cap. 17, p. 282-301.

_________ e VAUGHAN, L. The City as One Thing. Progress in Planning, 2007. Vol. 67 (3), p. 205-230.

HOLANDA, Frederico et al. Arquitetura e urbanidade. São Paulo: ProEditores Associados, 2003.

____________________. 10 Mandamentos da Arquitetura. Brasília: FRBH, 2013. 344 p.

NATAPOV, A.; KULIGA, S.; DALTON, R. C. et al. Building circulation typology and space syntax predictive measures. In: The 10th Syntax Symposium (SSS10), 2015, London. Disponível em: < http://www.sss10.bartlett.ucl.ac.uk/wp-content/uploads/2015/07/SSS10_Proceedings_030.pdf. Acesso abril 2016.

KOCH, Daniel. JASS. School of Architecture and the Built Environment, KTH, 2004. Disponível em: < http://www.nada.kth.se/projects/proj03/SUX/tmpRoot/release/ >.

ROLIM, Ana. “A expressão do movimento no museu Guggenheim”. In: Guimaraens, Cêça e Gomes, Juliana (org), Anais do 5o Seminário Internacional Museografia e Arquitetura de Museus Fotografia e Memória 2016, Rio de Janeiro: Rio Book’s, 1a Edição 2016. p.1-17.

ROLIM, Ana et al. “From Wright to Gwathmey Siegel: The case of movement in the Guggenheim museum’. In: Heitor, Tereza et al (eds), Proceedings of the 11th International Space Syntax Symposium, Lisboa: Instituto Superior Técnico, 2017. p. 19.1 -16.15.

TURNER, Aslasdair. Depthmap X. Multi-Platform Spatial Network Analysis. University College London. Londres, 2004. Disponível em: < http://varoudis.github.io/depthmapX/>.

TURNER, Alasdair. New Developments in Space Syntax Software. In: TURNER, A. (Ed.) Proceedings of workshop on New Developments in Space Syntax Software, 2007. Istambul: ITU Faculty of Architecture, p. 1-51.

WINEMAN, J.; PEPONIS, J. E DALTON, R. C. Exploring, Engaging, Understanding in Museums. In: Space Syntax and Spatial Cognition Workshop: Spatial Cognition 2006. Monograph Series of the Transregional Collaborative Research Center. Bremen: Universität Bremen, 2006, p 33-51.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-543

Refbacks

  • There are currently no refbacks.