Relação presença de helmintos e eosinofilia no sangue periférico: Acampamento Cigano no alto Sertão Alagoano / Relation presence of helminths and eosinophilia in the peripheral blood: Gypsy Camp in the upper Sertão Alagoano

Ana Karla Almeida dos Santos, Rosanir da Silva, Adson Jackson Teles de Barros, José Aparecido B. da Gama, Maria Auxiliadora Machado, Rosimeri da Conceição Menezes Costa

Abstract


A prevalência de parasitoses intestinais é considerada como um problema de saúde pública, uma vez que estão diretamente ligadas às condições ambientais e também ao comportamento humano, é de grande importância que se prese pela saúde frente a uma melhoria na qualidade de vida. O presente trabalho teve como objetivo: verificar a prevalência das helmintoses e sua relação com a eosinofilia, em uma comunidade cigana, no Município de Carneiros, AL. A pesquisa foi realizada com uma amostra de 24,96% da população, entre homens, mulheres e crianças, com idade entre 5 e 55 anos, sendo escolhidos de forma aleatória. O estudo constituiu na realização de exames parasitológicos (3 amostras) utilizando o método de sedimentação espontânea (Hoffman, Pons e Janer – HPJ). Foi aplicado um questionário epidemiológico para adquirir dados socioambientais das famílias que iriam participar do estudo. Para os casos positivos de helmintos foi realizado um hemograma completo, enfatizando a taxa de eosinófilos, correlacionando seus resultados como objetivo geral deste trabalho. Frente aos resultados obtidos no parasitológico de fezes 58,33% (14/24), foram positivo para helmintos e 41,66% (10/24) negativos, sendo o Ancilostomatideo o  helminto com maior prevalência, com 71,42% ( 10//14), seguido do Ascaris 28,7% (04/14) e Trichuris 21,42% (03/14), o poliparasitismo foi encontrado em 21,42% (3/14) das amostras. Diante dos resultados, é possível confirmar que existiu  correlação das helmintoses com as taxas de eosinofilia observadas. Diante dos resultados, evidencia-se que a ocorrência dos helmintos estar relacionados com as precárias condições de saneamento básico e educação em saúde.


Keywords


Helmintos. Eosinofilia. Incidência. Medidas Sanitárias.

References


ABEP - Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa – 2008. Disponível em: file:///C:/Users/ESCOLA%20%20PC/Downloads/07_cceb_2008_em_vigor_em_2008_base_lse_2005.pdf . Acesso em : 14/10/18.

BAIN, B. J. 2004. Células Sangüíneas. ARTMED, Porto Alegre.

BUSCHINI, M. L. T.et al. Spacialdistributionofenteroparasitesamongschoolchildrenfrom Guarapuava, Stateof Paraná, Brazil. Revista Brasileira de Epidemiologia, Rio de Janeiro, v. 10, n. 4, p. 568-578, 2007.

BUSNELLO, M.I, E TEIXEIRA, L.M. Prevalência de enteroparasitas em estudantes de duas escolas de ensino fundamental. Revista da Faculdade de Farrmácia e Odontologia de Araraquara 2009; 51: 30-35.

CARNEIRO, J. JUNQUEIRA, L.C. Histologia básica I. 12. ed. - Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

FERREIRA, M.U, FERREIRA, C.S, E MONTEIRO, C.A. Tendência secular das parasitoses intestinais na infância na cidade de São Paulo (1984-1996). Revista de Saúde Pública 2000; 34: 73-82.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística | v4. 3.8.18.9. 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/al/carneiros/historico. Acesso em 03/10/2018.

HOFFMANN, W. A., PONS, J. A. & JANER, J. L. 1934. The sedimentation –concentrationmethod in Schistosomiasis mansoni, Puerto Rico. JournalofPublic Health 9: 281-298.

MACEDO, H. S. 2005. Prevalência de parasitos e comensais intestinais em crianças de escolas da rede pública municipal de Paracatu (MG). Revista Brasileira de Análises Clínicas 37: 209-213.

MARQUEZ, A. S., MARQUEZ, A. S., HASENACK, B. S., TRAPP, E. H. & GUILHERME, R. L. 2002. Prevalência de enteroparasitoses em crianças de um bairro de baixa renda de Londrina – Paraná. Ciências Biológicas e Saúde 4: 55-59.

REY, L. 2002. Bases da Parasitologia Médica. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro.

TAVARES, R. G., PEZZI, N. C. Relação de aspectos Socio-econômicos e ambientais com parasitoses intestinais e eosinofilia em crianças de ENCA Caxias do Sul-RS. Estudos, Goiânia, v. 34, n.11/12, p. 1041-1055, nov./dez. 2007.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-593

Refbacks

  • There are currently no refbacks.