Elaboração de sequências didáticas: uma experiência de minicurso com alunos de licenciaturas / Education of teaching sequences: a mini-course experience with undergraduate students

José dos Santos Ferreira, Magna Misleiza Rodrigues Medeiros, Francisco Glauber de Brito Silva, Leonardo Alcântara Alves

Abstract


A utilização de diferentes meios/métodos de ensinar, atrelados a um planejamento bem organizado e pensado, já é conhecido como fundamental no fazer docente. Nesta linha, o presente trabalho apresenta um relato de experiência de minicurso, ofertado no ano de 2018, tendo como público alvo os discentes das licenciaturas presentes no campus e nas Instituições de Ensino Superior participantes do evento. Como objetivo, o curso atendeu a proposta da orientação para elaboração de uma sequência didática, a qual se caracteriza como um tipo de metodologia de ensino, que busca auxiliar os educadores no planejamento das suas aulas de forma mais dinâmica, lúdica e prática, fazendo uso ainda de materiais de baixo custo e acessíveis, nas diferentes áreas de ensino.  Como objetivos específicos o curso utilizou como enfoque a discussão do conceito de interdisciplinaridade, conhecer os aspectos metodológicos e os critérios de análise para avaliação/produção de material didático e refletir sobre o papel do professor na análise/elaboração/avaliação de material didático. Na execução das atividades, a princípio discutiram-se, com base em textos elaborados por autores estudiosos da temática, conceitos que dizem respeito a sequências didáticas e sua elaboração, assim como a importância da interdisciplinaridade neste processo, ressaltando ainda o papel do professor na análise/elaboração/avaliação do material didático. Posteriormente, no segundo momento, trabalhou-se de forma prática a elaboração de uma sequência didática através de aulas expositivas e dialogadas, de pesquisa orientada e da produção de sequência didática. Para a produção do material didático foi considerado o contexto de ensino, as modalidades, as mídias e as tecnologias, a partir de uma sequência didática em uma determinada situação de aprendizagem (preferencialmente interdisciplinar e em grupo).  Dando continuidade, o terceiro momento compreendeu as apresentações do material didático produzido. Estas apresentações proporcionaram a avaliação geral do minicurso, momento em que são conceituadas as aprendizagens potencialmente significativas desse processo e concretizadas a eficiência, a ludicidade, a interdisciplinaridade e tantas outras vantagens da utilização das sequências didáticas enquanto metodologia ativa aplicada em sala de aula. De acordo com as explanações dadas pelos alunos participantes do minicurso, foi possível visualizar a satisfação e a contribuição que o momento trouxe para todos. A discussão de temas como sequências didáticas parece ser diminutas nos cursos de licenciatura do campus, sendo momentos como estes ricos para o processo de formação desses futuros professores.

 


Keywords


Material didático. Sequência didática. Metodologia ativa

References


ALVES, R. Filosofia da ciência: introdução ao jogo e a suas regras. São Paulo: Edições Loyola, 14ª edição, 2009.

AUSUBEL, D. P. Aquisição e Retenção de Conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Plátano, 2003.

BRAGA, Claudia de Figueiredo. Inclusão social e cultura científica através do projeto "UFPB na sua escola: a ciência em suas mãos”. In: PALITOT, Mônica Dias et al. (Org.) Caminhos e reflexões psicopedagógicas e interdisciplinares para aprender a aprender. Págs. 9-25. João Pessoa: Ideia, 2016.

DIAS, R. E. Currículo, Docência e seus Antagonismos no Espaço Iberoamericano. Revista Investigación Cualitativa, v. 2, n. 2, p. 100-114, 2017.

FERREIRA, J. S.; ALVES, L. A. EPISTEMOLOGIA DA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: construindo significados. IN: Educação em processo de ensino e aprendizagem. NETA, J. G. (Org.) – João Pessoa: Libellus Editorial, 2019. 294 p.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

MOREIRA, A. M. A teoria da aprendizagem significativa de Ausubel. In: MOREIRA, A. M. Teorias da aprendizagem. EPU: São Paulo, 1999. 151-165p.

MOREIRA, A. M. ¿AL FINAL, QUÉ ES APRENDIZAJE SIGNIFICATIVO? Revista Qurricullum, v. 25, p. 29-56, março, 2012.

POZO, J. I.; CRESPO, M. A. G. A aprendizagem e o ensino de ciências - Do Conhecimento Cotidiano ao Conhecimento Científico. 5ª edição. Porto Alegre: Artmed, 2009.

RAUPP, F. M.; BEUREN, I. M. Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In. BEUREN, I.M. (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2006. Cap.3, p.76-97.

SANTOS, M. C. A IMPORTÂNCIA DA PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDATICO NA PRATICA DOCENTE. Anais do VII CGB - Congresso Brasileiro de Geógrafos. A AGB e a Geografia brasileira no contexto das lutas sociais frente aos projetos hegemônicos. Vitória/ES: 10 a 16 de agosto, 2014.

SEVERINO, Antonio. Educação e Transdisciplinaridade: crise e reencantamento da aprendizagem. p. 33-65. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

TRINDADE, S. P. Atitude transdisciplinar nos procesos do ensino e da aprendizagem no ensino fundamental. Revista de estudios e investigación en psicología y educación, Vol. Extr., No. 6, p. 76-80, 2015.

VALENTE, José Armando. MUDANÇAS NA SOCIEDADE, MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO: O FAZER E O COMPREENDER. In: VALENTE, José Armando (organizador). O computador na sociedade do conhecimento. Campinas, SP: UNICAMP/NIED, 1999. 156p.

ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Tradução Ernani F. da F. Rosa. Porto Alegre: Artmed, 1998. 224p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n8-129