A reforma do ensino de arquitetura e o movimento renovador da educação Brasileira (1930 – 1932) / The reform of the teaching of architecture and the movement renovator of Brazilian education (1930 - 1932)

Caio Nogueira Hosannah Cordeiro

Abstract


 

A reforma do ensino de Arquitetura iniciada por Lucio Costa, em sua breve passagem como diretor da Escola Nacional de Belas Artes (ENBA), em 1931, é até hoje referência para o ensino de Arquitetura e Urbanismo no Brasil. Sua origem se remete ao movimento moderno e à introdução do pensamento urbanístico no Brasil e no plano internacional. Em meio à efervescência da “Revolução de 1930”, os debates na Associação Brasileira de Educação (ABE) e as reformas estaduais do ensino iriam desencadear a criação do Ministério da Educação e da Saúde e a produção do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (1932). Esses debates também repercutiriam entre os arquitetos, em suas entidades representativas. A proposta experimentada na ENBA teve início com o processo de criação do curso de Arquitetura, que se tornaria independente do ensino de Belas Artes, e se concluiu em 1945, com a fundação da Faculdade Nacional de Arquitetura (FNA) da Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro. O presente artigo dá continuidade às análises sobre a inserção da reforma no movimento político, cultural e artístico, enfatizando os princípios norteadores e os enredamentos que produziriam as condições e a demanda por um novo ensino de Arquitetura, que incluía o Urbanismo como disciplina. A partir da análise curricular da reforma, além de outros documentos, o artigo visa contribuir para a compreensão do fenômeno a seus marcos no processo de consolidação da arquitetura moderna no Brasil. 

 

 


Keywords


Arquitetura Brasileira; Ensino de Arquitetura; Reforma Lucio Costa.

References


ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

AZEVEDO, Fernando et al. Manifesto dos pioneiros da educação nova. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Educação, 2012.

BRITO, Silvia H. A. A Educação no Projeto Nacionalista do Primeiro Governo Vargas (1930-1945). In: LOMBARDI, I. C.; SAVIANI, D.; NASCIMENTO, M. I. M. (Org.). Navegando pela história da Educação. Campinas, SP: HISTEDBR, 2006.

COSTA, Lucio. Lucio Costa: Registro de uma Vivência. São Paulo: Empresa das Artes, 1995a.

COSTA, Lucio. O novo diretor da Escola de Belas Artes e as diretrizes de uma reforma. O Globo. Rio de Janeiro. 29 dez 1930.

FÁVERO, M. de L. de A. A Universidade no Brasil: das origens à Reforma Universitária de 1968. Curitiba: UFPR, 2006.

HOBSBAWN, Eric J. Era dos Extremos – O breve século XX (1914-1991). Tradução de Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

PEREIRA, Margareth da Silva (Org.). 1908, Um Brasil em exposição. Rio de Janeiro, RJ: Casa Doze, 2010.

PEREIRA, Margareth da Silva. 1931 – Arte e Revolução: Lucio Costa e a reforma da Escola de Belas Artes. Rio de Janeiro: PROURB – UFRJ, 2003. 1 CD-Rom.

PRADO JR. Caio. História Econômica do Brasil. 35 ed. São Paulo, Brasiliense, 1987.

XAVIER, Alberto (Org.) Arquitetura moderna brasileira: depoimento de uma geração. São Paulo: Cosac & Naif, 2003.

DECRETOS

BRASIL. Decreto nº 19.851, de 11 de abril de 1931. Dispõe sobre o estatuto das universidades brasileiras. Diário Oficial, Distrito Federal, DF, 15 abr. 1931a, p. 5800-5808.

______. Decreto nº 19.852, de 11 de abril de 1931. Dispõe sobre a organização da Universidade do Rio de Janeiro. In: ATOS do Governo Provisório. Distrito Federal, DF, [1931]b, p. 348-409. Acervo do Museu D. João VI, Escola de Belas Artes. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

______. Decreto nº 22.897, de 6 de julho de 1933. Altera disposições do Decreto nº 18.852, de 11 de abril de 1931, na parte referente à organização do ensino artístico ministrado pela Escola Nacional de Belas Artes, e dá outras providências. In: ATOS do Governo Provisório. Distrito Federal, DF, [1933], p.17-36. Acervo do Museu D. João VI, Escola de Belas Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n8-145