Notificação de eventos adversos relacionados a medicamentos em um hospital oncológico/ Reporting on adverse drug reactions in a cancer hospital

Carlos Vinícius Quadros Ribeiro, Marília da Glória Martins

Abstract


 Este estudo aborda a análise das medidas de farmacovigilância na aplicação das notificações acerca de Reações Adversas a Medicamentos (RAM) em pacientes oncológicos no Maranhão. A fim de uma análise eficaz, os objetivos são identificar e avaliar os registros de notificações de farmacovigilância, durante um ano, em um hospital oncológico de referência no estado. Trata-se de um estudo de caráter observacional, retrospectivo e transversal, que utiliza como fonte de dados a ficha de notificação de suspeita de reação adversa a medicamento (RAM) e prontuários do hospital, no período de 01 de janeiro de 2018 a 31 de dezembro de 2018. Na área de farmacovigilância, as notificações totalizaram 297, as quais foram realizadas majoritariamente por profissionais farmacêuticos, representando 63% do total de notificações. Em percentuais inferiores, apareceram as seguintes categorias profissionais: enfermeiros (18%); técnicos de enfermagem (9%) e médicos (10%). Do total de notificações, constatou-se que 5 medicamentos representaram o maior número de Reação Adversa Medicamentosa, sendo esses a Carboplatina, com 61 notificações (20%), Docetaxel, com 28 (9%), Paclitaxel, com 8 (3%), Anfotericina B, com 11 (3%), Irinotecano, com 6 notificações (2%); as demais notificações somando 191 (63%). A pesquisa conclui que há subnotificação no hospital pesquisado, porém encontrados em número inferior ao relatado por outros estudos, especialmente no que se refere a reações adversas. Ressalta-se a contribuição do profissional farmacêutico na notificação em farmacovigilância e a importância da notificação para obtenção de dados, objetivando a regulamentação sanitária e garantindo a segurança do paciente.


Keywords


Adversos, Erro, Medicamentos, Notificação.

References


ANDRADE, L. E. L. de. Evolução da cultura de segurança em hospitais antes e após a implantação do programa nacional de segurança do paciente. 2016. 123f. Dissertação. Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN, Natal, 2016.

ANDRADE, L. E. L. de.; LOPES, J. M.; SOUZA FILHO, M. C. M. et al. Cultura de segurança do paciente em três hospitais brasileiros com diferentes tipos de gestão. Ciênc. Saúde coletiva. Rio de Janeiro vol.23, n.1, jan. 2018. Disponível em: .

BAKER, G. R.; NORTON, P.G.; FLINTOFT, V. et al. The Canadian Adverse Events Study: the incidence of adverse events among hospital patients in Canada. Canadian Medical association Journal – CMAJ, 170(11):1678–86. 2004. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2020.

BRASIL. Lei n° 6.360, de 23 de setembro de 1976. Dispõe sobre a vigilância sanitária a que ficam sujeitos os medicamentos, as drogas, os insumos farmacêuticos e correlatos, cosméticos, saneantes e outros produtos e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo. Brasília, DF, 24 de setembro de 1976, p.12647. Disponível em: . Acesso em: 12 mai. 2020.

BRASIL. MINISTE?RIO DA EDUCAC?A?O. Parecer n°1.133 de 2001b. Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação em Enfermagem, Medicina e Nutrição. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo. Brasília, DF, 3 de outubro de 2001. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2020.

BRASIL. MINISTE?RIO DA SAU?DE. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Protocolo de Segurança na Prescrição, Uso e Administração de Medicamentos. 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2020.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. O que é farmacovigilância? Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2020.

BRASIL. MINISTE?RIO DA SAU?DE. Portaria GM/MS n° 696, de 7 de maio de 2001a. Institui o centro nacional de monitorização de medicamentos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo. Brasília, DF, Seção 1, n°, 8 de maio de 2001. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2020.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Rede Sentinela. 2020. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/rede-sentinela. Acesso em 30 ago. 2020.

BRASIL. Portaria n° 529, de 1 de abril de 2013. Institui programa nacional de segurança do paciente. Diário Oficial da Repu?blica Federativa do Brasil, Poder Executivo. Brasília, DF, 02 de abril de 2013, Seção 1, p. 43. Disponível em: . Acesso em: 07 jun. 2020.

CARVALHO, J. P. Estratégias para a elaboração do plano de farmacovigilância considerando o conhecimento e opinião dos profissionais de uma indústria pública. 2011. 291f. Dissertação. Programa de Pós-graduação em Saúde Pública, da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2011.

MORO, A. Participação social e regulação de medicamentos: o caso da talidomida no Brasil. 2017. 209f. Tese. Programa de Pós-graduação em Políticas Públicas, da Universidade Federal do Paraná – UFPR, Curitiba, 2017.

NE?RI, E. D. R.; GADE?LHA, P. G. C.; MAIA, S. G. et al. Erros de prescrição de medicamentos em um hospital brasileiro. Rev. Assoc. Med. Bras. 57(3):306–14. 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2020.

OMS-ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Departamento de Medicamentos Essenciais e Outros Medicamentos. A importância da Farmacovigilância. Brasília: Organização Pan Americana da Saúde, 2005.

OMS-ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Perspectivas políticas de la OMS sobre medicamentos. La farmacovigilancia: garantía de seguridad en el uso de los medicamentos. Ginebra: Organización Mundial de la Salud, 2004.

OMS-ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Safety monitoring of medicinal products. The importance of pharmacovigilance. Ginebra: Organización Mundial de la Salud, 2002.

OPAS-ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE SAÚDE. Termo de referência para reunião do grupo de trabalho: Interface entre Atenção Farmacêutica e Farmacovigilância. Brasília: OPAS, 2002.

PFAFFENBACH, G. Automedicação em crianças: um problema de saúde pública. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 28, n. 3, p. 260-261, set. 2010. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 2020.

PFAFFENBACH, G. Recomendações de biossegurança para proteção de profissionais da Atenção Primária à Saúde durante o enfrentamento da COVID-19: análise dos documentos técnicos do Brasil, São Paulo e Amazonas referentes ao uso de equipamentos de proteção individual. Revista Visa em debate: sociedade, ciência e tecnologia. Disponível em: . Acesso em: 02 set. 2020.

PINHEIRO, H. C. G. Reações Adversas a Medicamentos: conhecimentos e atitudes dos profissionais de saúde em um hospital sentinela de ensino. 2008. 103 f. Dissertação. Programa de Pós-graduação em Saúde Pública, da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2008.

SALVIANO, L. H. M. S. Avaliação do Nível de Informação dos Profissionais de Saúde da Família acerca das Reações Adversas a Medicamentos e Farmacovigilância. 2008. 91f. Dissertação. Programa de Pós-graduação em Saúde Pública, da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2008.

SALVIANO, L. H. M. S.; LUIZA, V. L.; PONCIANO, A?. M. D. S. Percepção e condutas de profissionais da Estratégia Saúde da Família acerca de reações adversas a medicamentos. Epidemiologia e Serviços de Saúde. Brasília, v. 20, n. 1, p. 47–56, mar. 2011. Disponível em: . Acesso em: 13 mai. 2020.

SILVA, A. E. B. C. Análise de risco do processo de administração de medicamentos por via intravenosa em pacientes de um hospital universitário de Goiás. 2008. 342f. Tese. Programa de Pós-graduação da Escola de Enfermagem de São Paulo e Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo – USP. São Paulo, 2008.

SILVA, A. E. B. C. S.; REIS, A. M. M.; MIASSO, A. I.; SANTOS, J. O.; CASSIANI, S. H. B. Eventos adversos a medicamentos em um hospital sentinela do Estado de Goiás, Brasil. Revista Latino Americana de Enfermagem. Ribeirão Preto, v. 19, n. 2, p. 9. 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-257

Refbacks

  • There are currently no refbacks.