Avaliação dos efeitos nas propriedades técnicas da utilização de resíduo de casca de ovo em blocos de pavimentação / Evaluation of the effects on the technical properties of the use of egg shell waste in paving blocks

Felippe De Lavor Dias, Rafael Gardel Azzariti Brasil, Mateus Carvalho Amaral, Flávio Silva Machado, Maria Helena Teixeira da Silva, Francisco José Varejão Marinho, Uilson Alves da Silva, Luis Antônio de Oliveira Chaves

Abstract


As mudanças dos processos produtivos fruto da revolução industrial, geraram uma crescente e permanente necessidade de matérias primas naturais. O Brasil é um país que gera grande quantidade de lixo, o que causa grandes impactos ambientais. Dentre os materiais descartados no país, temos grandes quantidades de casca de ovo, aproximadamente 172.000 toneladas. Este projeto visa determinar os efeitos da substituição parcial de cimento por resíduo de casca de ovo, nas propriedades técnicas de peças de concreto para pavimentação produzidas na cidade de Rio das Ostras. Para tal, foi estimada a quantidade de cascas de ovos descartada em Rio das Ostras, a quantidade limite de artefatos de cimento produzidos a partir da quantidade do resíduo de casca de ovo. A etapa seguinte foi a prototipagem das peças e por último foram realizados os ensaios de resistência desses protótipos, segundo a Norma Brasileira (NBR) 9781.


Keywords


Casca de ovo, poluição, artefatos de cimento, paver.

References


MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - Construção Sustentável. www.mma.gov.br/cidades-sustentaveis/urbanismo-sustentavel/construção-sustentável. Acessado em 01 abril de 2018.

JOHN, V. Materiais de Construção Civil e Princípios de Ciência e Engenharia dos Materiais. 3ª ed. Revisada e Atualizada. São Paulo: Ibracon, 2017

SNIC– SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DO CIMENTO. Produção Nacional De Cimento Por Regiões E Estados (t). 2017. www.snic.org.br/assets/pdf/numeros/1522239834.pdf. Acessado em 01 de abril de 2018.

AMARAL, M. Incorporação de Resíduo de Casca de Ovo em Tijolo Solo-Cimento. Monografia– UENF, Campus, RJ. 2011.

OLIVEIRA, D., et al. Valorização De Resíduos Sólidos: Casca de Ovos como Matéria-Prima no Desenvolvimento de Novos Produtos. 2nd International Workshop Advances in Cleaner Production. São Paulo. Brasil. 2009.

COSTA, V; GUMIERI, G; BRANDÃO, G. Piso intertravado produzido com rejeito de sinterfeed. Revista IBRACON Estruturas e Materiais, São Paulo, vol. 7, nº. 2, abr. 2014.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9781: Peças De Concreto Para Pavimentação-Especificação E Métodos De Ensaio. Rio de Janeiro: ABNT, 2013.

AGOPYAN, V. Construção Civil consome até 75% da matéria-prima do planeta. In: Globo Ciência. 2013.

SANTOS, A. D. Estudo de propriedades de físicas e químicas de um novo cimento selador endodôntico. Tese de Mestrado. Universidade Estadual Paulista – UNESP. Ilha Solteira. 2004.

DEJA, J; ULIASZ-BOCHENCZYK, A.; MOKRZYCKI, E. CO2 Emissions from Polish cement industry. International Journal of Greenhouse Gas Control, v. 4, p.583–588, 2010.

PINI. Anuário da construção. São Paulo: Pini, 2011.

MEHTA, P., MONTEIRO, P. Concreto: Estrutura, propriedades e materiais. 674 p. IBRACON, São Paulo, 2008.

ANTUNES, H., et al. Produção de blocos de concreto e pavers utilizando agregados reciclados. 2011. www.unifil.br/portal/arquivos/publicacoes/paginas/2011/12/400533_publipg.pdf. Acessado em: 27 de novembro de 2018.

LIMA, C. Abordagens Industriais Ambientais: solucionar problemas de poluição ou buscar sustentabilidade ambiental. Dissertação de Pós-graduação da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual de Campinas. – UNICAMP. Campinas - 2008.

FREIRE, N., SOUSA, G., HOLANDA, F. Using eggshell in red wall tiles. Waste and Resource Management, 2008.

ROSSI, T., et al. Resíduos cerâmicos incorporados na composição de concretos e argamassas como material pozolânico. III Mostra Científica Do V Fórum De Sustentabilidade Do Conselho Regional De Desenvolvimento Da Região Do Alto Jacuí. 2017. SP, Brasil: Rev. Virtual Quim. 2017.

VIEIRA, C., et al. Teste industrial de cerâmica vermelha incorporada com resíduo de vidro de lâmpada fluorescente. Cerâmica, vol.62, n.364, pp.376-385, 2016.

PAIXÃO, C., et al. Estudo da Viabilidade de Utilização de Resíduos Cerâmicos para Confecção de Argamassas. Cerâmica Industrial, 16 (4) Julho/Agosto, 2011. www.ceramicaindustrial.org.br/pdf/v16n4/v16n4a06.pdf. Acessado em 24 de junho de 2018.

FREITAS, L., et al. Incorporação de coque de petróleo em cerâmica vermelha. Cerâmica 57, 206-211, 2011.

BABISK, M., et al. Incorporação de resíduo de quartzitos em cerâmica vermelha, HOLOS, Ano 28, 169-177, Vol. 6, 2012.

CORREA, J. Tijolos Ecológicos de Bagaço de Cana-de-açúcar. Revista EPeQ/Fafibe on-line, 5ª edição, 2013. www.unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/revistaepeqfafibe/sumario/27/05022014173529.pdf. Acessado em: 24 junho de 2018.

NOVELLI, S., et al. Anais do 49º Congresso Brasileiro de Cerâmica – ABC. Águas de São Pedro. Brasil, 2005.

Tsai, W., et al. Development and characterization of mesoporosity in eggshell ground by planetary ball milling. Microporous and Mesoporous Materials, Vol. 111, Ed. 1-3, pp.379-386, 2008. www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S138718110700474X. Acessado em 01 abril de 2018.

RODRIGUES, S.; ÁVILA, S. Caracterização Físico-Química da Casca de Ovo de Galinha e Utilização como Fonte para Produção Compostos de Cálcio. Universidade Anhanguera de São Paulo, UNIAN. Av. Industrial, 3330 - Campestre, Santo André, São Paulo.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10834: Bloco vazado de solo-cimento sem função estrutural: Determinação da resistência à compressão e da absorção de água. Rio de Janeiro: ABNT, 1994.

RENOTRAN. Fabricação de bloco reciclado e artefatos de cimento. 2018. www.renotran.com.br/produtos.php. Acessado em 24 de junho de 2018.

ACIDADEON. Usina de Reciclagem de Resíduos da Construção volta a funcionar: Prohab de São Carlos retoma a produção. São Carlos. São Paulo: acidadeon. 2017. www.acidadeon.com/saocarlos/cotidiano/NOT,3,3,1237388,Usina+de+Reciclagem+de+Residuos+da+Construcao+Civil+volta+a+funcionar.aspx. Acessado em 24 de junho de 2018.

ECOMAQUINAS. A cidade de Pindorama no estado de Alagoas agora produz Bloco Ecológico com cinza de bagaço de cana. www.ecomaquinas.com.br/index.php/bra/noticias/a-cidade-de-pindorama-no-estado-de-alagoas-agora-produz-bloco-ecologico-com-cinza-de-bagaco-de-cana.html. Acessado em: 24 junho de 2018.

GERHARDT, T.; SILVEIRA, D. (Org). Métodos de pesquisa. 1ª ed. Coordenado pela Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

ABPA - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PROTEÍNA ANIMAL. 2017 Relatório Anual. São Paulo, 2017. www.abpabr.com.br/storage/files/3678c_final_abpa_relatorio_anual_2016_portugues_web_reduzido.pdf. Acessado em 12 de junho de 2018.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Projeção Da População Do Brasil Por Sexo E Idade Para O Período 2000/2060. Projeção Da População Das Unidades Da Federação Por Sexo E Idade Para O Período 2000/2030. Rio de Janeiro: IBGE. 2013. www.ibge.gov.br. Acessado em 12 de junho de 2018.

MADEIRA, J. L.; SIMÕES, C. C. da S. Estimativas preliminares da população urbana e rural segundo as unidades da federação, de 1960/1980 por uma nova metodologia. Revista Brasileira de Estatística, Rio de Janeiro: IBGE, v. 33, n. 129, p. 3-11, jan./mar. 1972.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estimativas da População Residente Para os Municípios de Para as Unidades da Federação Brasileira com Data de Referência de 1º de Julho de 2017. Rio de Janeiro: IBGE. 2017. www.ibge.gov.br. Acessado em 12 de junho de 2018.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2000. Rio de Janeiro: IBGE. 2001. www.ibge.gov.br. Acessado em 12 de junho de 2018.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE. 2011. www.ibge.gov.br. Acessado em 12 de junho de 2018.

LANA, S., et al. Qualidade de ovos de poedeiras comerciais armazenados em diferentes temperaturas e períodos de estocagem. Rev. bras. Saúde prod. anim., Salvador, v. 18, n. 1, p. 140-151, mar. 2017. www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-99402017000100140&lng=en&nrm=iso. Acessado em 12 de junho de 2018.

CALLISTER JR.; RETHWISCH, D. Ciência e Engenharia dos Materiais: Uma Introdução. LTC, v. 8° Edição, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-298

Refbacks

  • There are currently no refbacks.