Diagnóstico para a desindustrialização do Brasil: Doença Holandesa ou Custo Brasil? / Diagnosis for deindustrialization in Brazil: Dutch disease or Brazilian cost?

Vitor Borges Monteiro, Christiano Modesto Penna

Abstract


Considerando que a indústria brasileira perdeu de forma precoce participação no agregado nacional nos últimos anos, este estudo procurou identificar as principais causas desse processo de desindustrialização ocorrido no Brasil. Há duas fontes para tal processo: a primeira tem como base a chamada doença holandesa, que sugere que a apreciação da taxa de câmbio real em função do aumento das exportações das commodities seria capaz de gerar um efeito negativo sobre a indústria como um todo; e a segunda calcada na ideia do custo Brasil, que sugere que o efeito negativo sobre a indústria seria ocasionado pelo forte peso de variáveis como impostos e salários. Utiliza-se a análise de componentes principais para mensurar um indicador que represente o custo Brasil. Nossa proposta é a de investigar o efeito destas variáveis no processo de desindustrialização pós-real com base na metodologia de Vetores Auto-Regressivos – VAR. Nossos resultados sustentam que ambos efeitos são nocivos para a industrial brasileira, mas a hipótese da doença holandesa explica mais o declínio da participação da indústria no PIB.


Keywords


Doença Holandesa, Desindustrialização, Vetores Auto-Regressivos, Custo Brasil.

References


ALVARENGA, Gustavo V. et al. Políticas anticíclicas na indústria automobilística: uma análise de cointegração dos impactos da redução de IPI sobre as vendas de veículo. Brasília: IPEA, 2010. (Texto para Discussão nº 1.512).

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - ABIMAQ. Custo Brasil 2002-2012. Ago. 2013.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - ABIMAQ. Impacto do “Custo Brasil” na competitividade da indústria brasileira de bens de capital. São Paulo. Mar. 2010.

BONELLI, R., FONSECA, R. Evolução da competitividade da produção manufatureira no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 1998 (Texto para Discussão nº 574).

BONELLI, R., PINHEIRO, A. C. Competitividade e Desempenho Industrial: além do câmbio. Fundação Getúlio Vargas, nov. 2012. (Texto para Discussão).

BRASIL. Decreto n° 7.212, de 15 de junho de 2010. Regulamenta a cobrança, fiscalização, arrecadação e administração do Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI.

BRESSER-PEREIRA, L. C. The Dutch disease and its neutralization: a ricardian approach. Revista de Economia Política, v. 28, n.1 (109), p. 47-71, jan./mar. 2008.

BRESSER-PEREIRA, L. C.; MARCONI, Nelson. Existe Doença Holandesa no Brasil? In: BRESSER-PEREIRA, L. C. (Org.). Doença holandesa e indústria. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010, p. 207-230.

BUENO, Rodrigo de L. da S. Econometria de séries temporais. 1 ed. São Paulo: Cengage Learning, 2008. 299 p.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI. Custos industriais têm a menor taxa de crescimento desde 2010. Informativo da Confederação Nacional das Indústrias, ano 2, n. 2, abr./jun. 2013.

CARDOSO, E.; HOLLAND, M. South America for the Chinese? A Trade-Based Analysis. OECD. Working Paper, n. 289, abr. 2010.

CARRINO; T.A.;SILVA, A.M.;BOTELHO, N.F.;PINTO, M;CLEROT, L.C.P. Aplicação das técnicas ACP (Análise por Componentes Principais), Kernel ACP e Kernel MAF (Maximum Autocorrelation Factor) em dados aerogamaespectrométricos da Província Mineral do Tapajós: resultados iniciais para estudos geológicos. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.3634

CAVALCANTI, Marco A. F. H. Identificação de modelos VAR e causalidade de Granger: uma nota de advertência. Economia Aplicada. V. 4, n.2. Ribeirão Preto, abr./jun. 2010.

COLLIER, P.; GODERIS, B. Commodity Prices, Growth and the Natural Resources

Curse: Reconciling a Conundrum. Working Paper, n. 276. Centre for the Study of African Economies, ago. 2007.

CORDEN, W. M. Booming sector and Dutch disease economics: survey and consolidation. Oxford Economic Papers, v. 36, n. 3, p. 359-380, 1984.

CORDEN, W. M.; NEARY , J. P. Booming sector and de-industrialization in a small open economy. The Economic Journal, v.92, n. 368, p. 825-848, 1982.

DE LIRA, Francisco Roberto Fuentes Tavares. Desindustrialização no Brasil: mudança estrutural ou doença holandesa?. Revista Economia & Tecnologia, v. 9, n.1, p. 19-36, jan./mar. 2013.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - FIRJAN. Custo do Trabalho no Brasil. Nota Técnica, n. 6. 2013.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP. “Custo Brasil” e taxa de câmbio na competitividade da indústria de transformação brasileira. São Paulo, mar. 2013a.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP. Índice Fiesp de Competitividade das Nações e o Efeito do Ambiente Competitivo na Indústria de Transformação Brasileira – IC – FIESP 2013. São Paulo, nov. 2013b.

FERNANDEZ, C. Y. H. Câmbio real e preços de commodities: relação identificada através da mudança de regime cambial. 2013. 86 f. Dissertação (Mestrado em Economia) - Pontifícia Universidade Católica. Departamento de Economia, Rio de Janeiro, 2003.

HAMILTON, J. D. Time Series Analysis. Prince ton University Press,1994.

HAMPSHIRE, B. N. O efeito de preços de commodities sobre a taxa de câmbio

real para países exportadores de commodities: uma análise empírica. 2013. 80 f. Dissertação (Mestrado em Economia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Departamento de Economia, mar. 2008.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA - IPEA. Diretoria de Estudos Macroeconômicos. Impactos da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de automóveis. Nota Técnica, Brasília, n. 15, ago. 2009

JOHANSEN, S. Estimation and hypothesis testing of cointegration vectors in gaussian

Vector autoregressive models. Econometrica, v.59, n.6, p.1551-1580, 1991.

JOHANSEN, S. Statistical analysis of cointegration vectors. Journal of Economic Dynamics and Control, v.12, p.231-254, 1988.

MAIA, Sinezio Fernandes. Modelos de vetores auto-regressivos: Uma nota Introdutória. UEM, 2001 (Texto para discussão n.60).

MARGARIDO, Mario Antonio. Aplicação de Testes de Raiz Unitária com quebra estrutural em séries econômicasno Brasil na década de 90. Informações Econômicas, SP, v.31, n.4, abr. 2001.

MENDES, Judas Tadeu Grassi. Competição e competitividade das empresas brasileiras. Revista Economia & Tecnologia, ano 05, v. 17, abr./jun. 2009.

NASSIF, André. Há evidências de desindustrialização no Brasil?. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 28, n. 1, jan./mar. 2008.

OREIRO, José Luís; FEIJÓ, Carmem A. Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Revista de Economia Política, v. 30, n. 2 (118), pp. 219-232, abr./jun. 2010.

PALMA, J. G. Quatro Fontes de “Desindustrialização” e um Novo Conceito de “Doença Holandesa”. Conferência Industrialização, Desindustrialização e Desenvolvimento. FIESP e IEDI. Agosto, 2005.

PAVITT, Keith. Sectorial Patterns of Technical Change: Towards a Taxonomy and a Theory. Research Policy, v. 13, p. 343-373, 1984.

PHILLIPS, P. C. B.; PERRON, P. Testing for a unit root in time series regression.Biometrika, Great Britain, v. 75, n.2, p. 335-346. 1988.

ROWTHORN, Robert E. e WELLS, John R. De-industrialization and foreign trade. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

ROWTHORN, R.; RAMASWANY, R. Growth, Trade and Deindustrialization. IMF Staff Papers, v. 46, n. 1, mar. 1999.

SACHS, J. D.; WARNER, A. M. Natural resource abundance and economic growth.

National Bureau of Economic Research, NBER. Working Paper, n. 5398, dez. 1995.

SILVA, Jose Alderir da. Desindustrialização e doença holandesa: o caso brasileiro. Indic. Econ. FEE, Porto Alegre, v. 41, n. 3, p. 67-82, 2014

SIMS, C. Macroeconomics and Reality. Econometrica. V.48, p.1-48, Janeiro de 1980.

STRACK, Diego; AZEVEDO, André. A doença holandesa no Brasil: sintomas e efeitos. Revista Econômica e Desenvolvimento, v. 2, n. 24, p. 68-91, 2012.

TREGENNA, F. Characterizing deindustrialization: an analysis of changes in

manufacturing employment and output internationally. Cambridge Journal of Economics, v. 33. p. 433-466, mar. 2009.

VERÍSSIMO, Michele; XAVIER, Clésio; VIEIRA, Flávio. Taxa de Câmbio e Preços de Commodities: uma investigação sobre a hipótese da doença holandesa no Brasil. Revista Econômica, v. 13, n. 1, p. 93-130, jan./abr. 2012.

VERISSIMO, Michele Polline; XAVIER, Clésio Lourenço. Taxa de câmbio, exportações e crescimento: uma investigação sobre a hipótese de doença holandesa no Brasil. Revista Econômica Política, v. 33, n.1, p. 82-101, jan/mar. 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-322

Refbacks

  • There are currently no refbacks.