Lajes protendidas lisas em edificações / Smooth prestressing slabs in buildings

Roberta Medici Felix, Rodrigue Totolo Lungisansilu, Luiz Carlos Mendes

Abstract


No início do século XX, teve início com o francês Eugene Freyssinet a difusão de uma nova solução estrutural: a protensão dos elementos estruturais de concreto. Está técnica foi difundida no mundo, sendo responsável pelo desenvolvimento de uma técnica avançada para o seu tempo, a qual é utilizada até hoje como solução estrutural. No Brasil, a protensão somente foi utilizada pela primeira vez na construção da ponte do Galeão, em meados do século XX com a supervisão do próprio Freyssinet. Na atualidade este modo de construção vem sendo adotado como solução para amenizar os efeitos do crescimento acelerado dos centros urbanos e suas adjacências em edifícios. Isto é possível por meio das lajes protendidas que otimizam o uso do espaço disponível sem apresentar diferença significativa no custo final do empreendimento, entretanto toda a obra deve ser analisada individualmente e cabe ao engenheiro civil optar pela melhor técnica de construção disponível. Este artigo tem o intuito de apresentar o conceito da protensão e sua aplicação nas lajes lisas, assim como suas características, vantagens e desvantagens, além de demonstrar um modelo computacional de uma laje protendida em diversas espessuras, vãos, entre outras características. A liberdade arquitetônica faz com que seja possível alcançar com a utilização das lajes protendidas uma otimização do uso da área útil disponível.


Keywords


Lajes, Protensão, Lajes Protendidas.

References


ADAPT - PT. Structural concrete software. ADAPT Corporation, California, USA, 1981

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS. NBR 6120 - Cargas para o cálculo de estruturas de edificações. Rio de Janeiro: ABNT, 1980.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14931- Execução de Estruturas de Concreto – Procedimentos. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6349 - Barras, cordoalhas e fios de aço para armaduras de protensão - Ensaio de tração. Rio de Janeiro: ABNT, 2008.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7482 - Fios de aço para estruturas de concreto protendido- Especificação. RIO DE JANEIRO: ABNT, 2008.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7483 - Cordoalhas de aço para estruturas de concreto protendido - Especificação. RIO DE JANEIRO: ABNT, 2008.

ASSOCIACAO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS. NBR 6118 - Projeto de estrutura de concretos – Procedimentos. Rio de Janeiro: ABNT, 2014.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS. NBR 8953 – Concreto para fins estruturais – Classificação por grupos de resistência. Rio de Janeiro: ABNT, 2015.

BORJA, E. V. D. Tecnologia em construção de edificios;Construções em concreto armado; Lajes. Instituto Federal de educação, ciência e tecnologia. Rio Grande do Norte. 2013.

CABLE MAX CABOS DE AÇO. Cordoalhas. Cable Max Cabos de Aço, 2010. Disponivel em: . Acesso em: 20 abr. 2015.

CAPELLÀ-LLOVERA, J.; SANABRA-LOEWE, M. The four ages of early prestressed concrete structures, Chicago, v. 59, p. 121.

CHAVES, R. J. S. et al. Momentos Hiperstáticos de Protensão em Lajes Lisas Protendidas. Brazilian Journal of Development, p. 14, 2021.

CORBIOLI, N. Barco a vela em espelho d`água. Projeto Design, São Paulo, n. 389, 2012.

EMERICK, A. Projetos e execução de lajes protendidas. 1. ed. Rio de Janeiro: Interciencia, 2005.

FELIX,R.M. e BISNETO,J.A.P. Lajes Protendidas Lisas em Edificações. 2015.86p. Monografia, Universidade Estácio de Sá,2015.

FERREIRA, M. Analise da punção e flechas em lajes macicas sem vigas de concreto armado de acordo com as prescrições da NBR 6118:2003. Universidade Federal de São Carlos. São Carlos. 2005.

FILHO, F. Estruturas de pisos de edifícios com a utilização de cordoalhas engraxadas. São Carlos. 2002.

IMPACTO PROTENSÃO. Manual de procedimentos de campo para execução de estruturas com protensão em monocordoalhas não aderentes. Fortaleza. 1998.

LEONHARDT, F. Construção de concreto: concreto protendido. Rio de Janeiro: Interciencia, v. 5, 1983.

LORENCI, G. V. S. Lajes Lisas Protendidas: Comparação dos Métodos de dimensionamento á Flexão. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2010.

LOUREIRO, G. J. Projeto de Lajes protendidas com cordoalhas engraxadas. Anais do VI simposio EPUSP sobre estrutura de concreto. Fortaleza. 2006.

MAC PROTENSÃO. Mac protensão, 2008. Disponivel em: . Acesso em: 25 abr. 2015.

MASP. Historico. Museu de Arte de São Paulo, 2009. Disponivel em: . Acesso em: 25 maio 2015.

MELGUES, J. Análise experimental da punção em lajes de concreto armado e protendido. São Carlos. 2001.

MOTA, J. E. Utilização de pilares pré-moldados protendidos nas edificações multi piso. Escola de Engenharia de São Carlos – USP. São Carlos. 2006.

PORTAL Ilha Carioca. Portal Ilha Carioca. Disponivel em: . Acesso em: 5 mar. 2015.

PORTAL Metálica. Disponivel em: .

PREPON. Catálogo da Prepon. Prepon Sistema de Protensão. Regente Feijó. 2011.

SANTOS, P. O concreto protendido e a ponte estação estaiada de santo amaro. Universidade Anhembi Morumbi. São Paulo, p. 73. 2008.

SOUZA, V.; CUNHA, A. Lajes em concreto armado e protendido. 2. ed. Rio de Janeiro: Eduerj, 1998.

VASCONCELOS, A. C. O concreto no Brasil: recordes,realizações,história. São Paulo: Copiare, 1985.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-522

Refbacks

  • There are currently no refbacks.