Transexualidade, identidade de gênero e sindicato: algumas perspectivas/ Transsexuality, gender identity and union: some perspectives

Luiz Carlos Garcia, Gustavo Marcel Filgueiras Lacerda, Rafael Clemente Guimarães, Nayara Maria de Lima

Abstract


Analisar a diversidade de gênero no Brasil além de uma questão de compreender os fenômenos sociais é uma questão de preservação da vida de algumas pessoas. Quando se trabalha a existência das pessoas transexuais, fica muito claro o contexto de exclusão e violência sofridos. Tem-se verdadeiro genocídio de transexuais no Brasil, e muito pouco é feito pelas instituições, de modo geral, sobre o tema. E é nesse contexto, que o presente trabalho se propõe a problematizar a atuação dos sindicatos, enquanto verdadeiros espaços de debate e luta, historicamente construídos e compreendidos frente a situação das pessoas transexuais. Busca-se a contextualização das vivências diversas no Brasil e a leitura da diversidade diante da atuação sindical atual.


Keywords


Transexuais, sindicatos, identidade de gênero, trabalho digno, diversidade.

References


ALMEIDA, Cleber Lúcio de; ALMEIDA, Wânia Guimarães Rabêllo de. Direito do Trabalho e Constituição: A constitucionalização do Direito do Trabalho no Brasil. 1 ed. São Paulo: LTr, 2017.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Decreto-Lei n.º 5.452, de 1º de maio de 1943.Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em:. Acesso em: 15 ago. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.467, de 13 de julho de 2017.Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e as Leis nos 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2018.

BRASIL. Relatório de Direitos Humanos da Presidência da República. 2017. Disponível em: < https://www.mdh.gov.br/informacao-ao-cidadao/auditorias /Relatorio2013.pdf/view >. Acesso em 01 de jun. de 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. ADI nº 4275. Plenário do STF. Julgamento em 1º de março de 2018. Brasília, DF.

BOURDIEU, Pierre. Sobre o poder simbólico. In: BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Trad. Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. Trad. Renato Aguiar. 13 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CHAVES, Débora Caroline Pereira. Afinal, quem sou eu para o Direito? Reflexões sobre a tutela do transgênero no Brasil. 1 ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017.

CONNELL, Robert W. MESSERSCHIMIDT, James W. Masculinidade hegemônica: Masculinidade hegemônica. Revista Estudos Feministas 21 (1):424. Florianópolis. 2013.

CORTE INTERAMERICANA DE DERECHOS HUMANOS. Opinión consultiva OC-24. Identidad de género, e igualdad y no discriminación a parejas del mismo sexo. 2017. Disponível em: . Acesso em 02 de ago. de 2018.

DANTAS, Miguel Calmon. Constitucionalismo Dirigente e Pós-Modernidade. 1 ed. São Paulo: Ed. Saraiva, 2009.

TRAVESTI DANDARA foi apedrejada e morta a tiros no Ceará, diz secretário. G1, Fortaleza, 8 de março de 2017. Disponível em: < http://g1.globo.com/ceara/noticia/2017/03/apos-agressao-dandara-foi -morta-com-tiro-diz-secretario-andre-costa.html> Acesso em 1 de jun. de 2019.

HOBSBAWN, Eric. Mundos do Trabalho: Novos estudos sobre a História Operária. 6ª ed. Trad. de Waldea Barcelos e Sandra Bedran. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

SCOTT, Joan. Tradução: Christine Rufino Dabat. Maria Betânia Ávila. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Revista Educação e Realidade. 1998.

KORIN, Daniel. Nuevas perspectivas de género en salud. Revista Adolescencia Latinoamericana. Volume 2. Nº 2.2001.

MOURA, Renan Gomes de. A masculinidade tóxica e seus impactos na vida dos Gays dentro das organizações. Revista Ciências do Trabalho, São Paulo, n. 13, abril de 2019. Disponível em: . Acesso em: 01 de jun. de 2019.

O MAPA da homofobia em SP. G1, São Paulo, 13 de jun. de 2017. Disponível em: < http://especiais.g1.globo.com/sao-paulo/2017/o-mapa-da-homofobia-em-sp/>. Acesso em 01 de jun. de 2019.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Convenção Americana de Direitos Humanos. 1969. Disponível em: . Acesso em: 02 de ago de 2018.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. OIT: Organização Internacional do Trabalho. 2019. Disponível em: < https://nacoesunidas.org/agencia/oit/>. Acesso em 1 de jun. de 2019.

ROUDINESCO, E.; PLON, M. Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

SALIH, Sara. Judith Butler e a Teoria Queer. Tradução de Guacira Lopes Louro. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

TEODORO, Maria Cecília Máximo. O Princípio da Adequação Setorial Negociada no Direito do Trabalho. 2 ed. São Paulo: LTr, 2018.

VIANA, Fabricio. Segundo relatório TGEU, Brasil segue no 1º lugar do ranking de assassinatos de transexuais. Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, 27 de novembro de 2018. Disponível em: < http://paradasp.org.br/segundo-relatorio-tgeu-brasil-segue-no-1o-lugar-do-ranking-de-assassinatos-de-transexuais/>. Acesso em 01 de jun. de 2019.

VIEIRA, Helena. Teoria Queer, o que é isso? 2013. Disponível em: . Acesso em 02 de jul de 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-656