A creche como direito e as implicações para a formação e valorização dos professores / Nursery as a right and the implications for teacher education and appreciation

Viviam Carvalho de Araújo, Núbia Schaper Santos, Alice de Paiva Macário

Abstract


Este texto tem por objetivo apresentar reflexões oriundas da pesquisa intitulada "Sentidos e significados sobre a formação do(a) professor(a) das creches municipais conveniadas de Juiz de Fora/MG", desenvolvida pelo Grupo de Pesquisa Linguagens, Infâncias, Cultura e Desenvolvimento Humano - GP LICEDH - da Faculdade de Educação – FACED - da Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF. O aporte teórico-metodológico que embasa as ações do grupo são os referenciais da perspectiva histórico-cultural, da pesquisa crítico-colaborativa e as políticas públicas para a área.  O trabalho, realizado a partir de um recorte da pesquisa supracitada, pauta-se na problematização acerca dos desafios e das perspectivas da universalização do acesso e da qualidade da educação dos bebês e das crianças pequenas em creches (0 a 3 anos) tendo, como foco, a formação e a valorização dos profissionais que atuam nessa etapa educacional. Ao defendermos a creche como direito das crianças e das famílias, torna-se imprescindível trazer para o debate a qualidade da educação a ser oferecida, considerando que ela está relacionada às políticas públicas para as infâncias. Nesse sentido, não é possível pensarmos em uma educação de qualidade sem levarmos em consideração todos os componentes que constituem a política nacional de Educação Infantil, quais sejam, a expansão, o financiamento, a qualidade, a valorização e a formação dos professores. Os resultados da pesquisa apontam que, mesmo com uma vasta orientação legal que preconiza a necessidade de se considerarem a formação e a valorização dos professores que atuam nas creches, esta é uma realidade que ainda não é contemplada nas políticas públicas do município em questão. Presumindo que esses componentes são eixos essenciais para a tão propagada qualidade na Educação Infantil, torna-se urgente que essa pauta integre as discussões da agenda da política educacional local.

 


Keywords


Educação Infantil. Creche. Formação e Valorização de Professores

References


BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

______. Lei nº 9.324, de 20 de dezembro de 1996: Dispõe sobre as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

_______. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Infantil: pelo direito das crianças de zero a seis anos à Educação. Brasília: MEC/SEB, 2005.

_______. Lei nº 11.738/2008. Regulamenta a alínea “e” do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Presidência da República, 16 de julho de 2008.

_______. Conselho Nacional de Educação/ Câmara de Educação Básica. Resolução nº 05, de 17 de dezembro de 2009a. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil.

________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Práticas cotidianas na Educação Infantil - Bases para a reflexão sobre as orientações curriculares. Brasília: MEC/SEB, 2009b.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Indicadores da qualidade na Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2009c.

_______. Presidência da República. Lei nº 13.005/2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências, 2014.

________. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada, 2015.

CAMPOS, Roselane Fátima. Educação Infantil: políticas e identidade. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 5, n.9, p. 217-228, jul./dez. 2011.

CAMPOS, Maria Malta. Entre as políticas de qualidade e a qualidade das práticas. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas. Impresso), v. 43, p. 22-43, 2013.

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO (CONAE). Documento Final. Brasília, DF: MEC, 2014. Disponível em: http://fne.mec.gov.br/images/doc/DocumentoFina240415.pdf. Acesso em: 08 de maio de 2017.

CÔCO, Valdete. Docência na Educação Infantil: De quem estamos falando? Com quem estamos tratando? In: FLORES e ALBUQUERQUE (orgs.). Implementação do Proinfância no Rio Grande do Sul: perspectivas políticas e pedagógicas. Porto Alegre: EDIPUCRS, p.143-157, 2015.

FERREIRA, Adir Luiz. Possibilidades e realismo crítico da Pesquisa e da Formação: a coloboração entre pesquisadores e professores. In: IBIAPINA, Ivana, M. L. de Melo; FERREIRA, Maria Salonilde; RIBEIRO, Márcia Maria Gurgel. Pesquisa em educação: múltiplos olhares. Brasília: Liber livro, 2007.

LIBERALI, Fernanda. C. Formação crítica de educadores: questões fundamentais. Taubaté/SP: Cabral Editora e Livraria Universitária, 2008.

MAGALHÃES, Maria Cecília C. Magalhães (org). A formação do professor como um profissional crítico: linguagem e reflexão. Campinas, São Paulo: Mercado de Letras, 2004.

NUNES, Fernanda (org). Proinfância e as estratégias municipais de atendimento a crianças de 0 a 6 anos. 1. ed. Rio de Janeiro: Traço e Cultura, v. 1. 132p, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-011.

Refbacks

  • There are currently no refbacks.