Avaliação para a aprendizagem em contextos híbridos de formação continuada: o potencial dos feedbacks na configuração de saberes didático-pedagógicos/ Evaluation for learning in hybrid contexts of continuing training: the potential of feedback in the configuration of didactic-document knowledge

Maria Auxiliadora Silva Freitas, Vera Lucia Pontes dos Santos, Luis Paulo Leopoldo Mercado

Abstract


Este trabalho versa sobre achados teórico-metodológicos da avaliação formativa em contextos híbridos de aprendizagem, mediados por tecnologias digitais, em uma ação de formação continuada que envolveu onze professores da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Trata-se de uma vivência formativa materializada no contexto interativo e interdependente dos estudos online e presenciais (face a face).  A priori, o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) foi preparado pelo professor-formador que, por sua vez, criou situações didáticas que explorassem possibilidades de interação, hipertextualidade, diálogo e pesquisa colaborativa, com vistas a contribuir com a apropriação de conceitos e procedimentos avaliativos numa abordagem híbrido-formativa.  Na inter-relação com os professores-cursistas, coube ao professor-mediador a tarefa de conduzir os processos de interação e mediação para retroalimentação do AVA. Esse diálogo interativo deu lugar à constituição de saberes didático-pedagógicos, mediante interlocução com práticas avaliativas oriundas da própria ação docente dos cursistas, para compreender, aprofundar e dar novos rumos à complexidade do ato de avaliar. As situações didáticas contemplaram discussões no fórum, construção de mapas conceituais, relatos docentes da prática avaliativa, produção e edição de vídeos, além de rubricas para a autoavaliação. Ressalta-se o papel preponderante dos feedbacks docentes frente ao processo complexo de ensino-aprendizagem e à apropriação de novos saberes docentes. Nesse cenário híbrido-formativo, produziu-se respostas para a seguinte questão-problema:  em que medida os feedbacks de professores-mediadores potencializam a constituição de saberes didático-pedagógicos, numa perspectiva de avaliação formativa? A base metodológica do estudo é a pesquisa qualitativa, caracterizada pelo estudo de caso, tendo a observação participante como instrumento de produção de dados. Do mesmo modo, faz-se uma imersão em aportes teóricos, tais como: Freitas e Pimentel (2015), Hoffmann (2001; 2009), Luckesi (2011), Moran (2018), Palloff e Pratt (2013), Ausubel (1968; 1982), Shute (2008), Abreu-e-Lima e Alves (2011), Mendes (2005). À luz dos pressupostos teórico-metodológicos, analisamos os feedbacks do professor-mediador em interface com as atividades, visando evidenciar seu impacto no processo de aprendizagem dos professores-cursistas. Dentre os resultados, destacamos: os professores-cursistas sentem-se motivados e valorizados quando suas produções são qualificadas pelo professor-mediador; os feedbacks dão sentido à aprendizagem, quando intervêm na (re)construção de saberes didático-pedagógicos. Assim sendo, o processo de avaliação formativa quando inserido em ambientes híbridos pode proporcionar novas habilidades para ensinar e aprender

Keywords


Avaliação Formativa; Contextos híbridos; Formação Continuada; Feedbacks Docentes; Saberes Didático-pedagógicos

References


ABREU-E-LIMA, Denise Martins de; ALVES, Mario Nunes. O feedback e sua importância no processo de tutoria a distância. Pro-Posições, Campinas, v. 22, n. 2, p. 189-205, maio/ago. 2011.

AUSUBEL, David. A aprendizagem significativa: a Teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

AUSUBEL, David. Educational Psychology: A cognitive view. New York: Rinehart & Wilson, 1968.

BAKHTIN, Mikhail (Volochinov). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1978.

BRASIL. MEC. Portaria nº. 1.134 de 10 de outubro de 2016. Revoga a Portaria MEC nº 4.059, de 10 de dezembro de 2004, e estabelece nova redação para o tema. Disponível em: http://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Port-MEC-1134-2016-10-10.pdf. Acesso em: 12 jan. 2015.

FREIRE, Paulo. Novos tempos, velhos problemas. In. SERBINO, R. V. et al. Formação de professores. São Paulo: Editora da UNESP, 1998. pp. 41-47.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1996.

FREITAS, Maria Auxiliadora Silva; PIMENTEL, Fernando Silvio Cavalcante. A linguagem hipertextual no processo de avaliação da aprendizagem na EaD. Artefactum – Revista de Estudos em Linguagem e Tecnologia. Ano VII – n° 02 / 2015.

FREITAS, Mª Auxiliadora S. Avaliação da Aprendizagem em ambientes de formação on-line: aportes para uma abordagem hermenêutica. Tese (doutorado). UFBA: Faculdade de Educação, Salvador, 2009.

HOFFMANN, Jussara. Avaliar para promover: as setas do caminho. Porto Alegre: Mediação, 2009.

__________Avaliação: mito e desafio : uma perspectiva construtivista. 30. ed. Porto Alegre: mediação, 2001.

KOCH. Ingedore G. Villaça. Desvendando os segredos do texto. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem: componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez, 2011.

MENDES, Olenir Maria. Avaliação Formativa no Ensino Superior: Reflexões e alternativas possíveis. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro; NAVES, Marisa Lomônaco de Paula (Orgs.) Currículo e avaliação na educação superior. São Paulo: Junqueira & Marin, 2005. p. 175-197.

MORAN, José. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: BACICH, Lilian, MORAN, José (Orgs.).Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

MOORE, M.; KEARSLEY, G. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Thomson, 2007.

PALLOFF, Rena M.; PRATT, Keith. O instrutor online: estratégias para a excelência profissional. Porto Alegre: Penso, 2013.

ROLDÃO, Maria do Céu; FERRO, Nuno. O que é avaliar? Reconstrução de práticas e conceções de avaliação. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 26, n. 63, p. 570-594, set./dez. 2015.

SIEMENS, George. Conectivismo: uma teoria da aprendizagem para a era digital. In: APARICI, Roberto (coordenador). Conectado no ciberespaço; [tradução Luciano Menezes Reis]. São Paulo: Paulinas, 2012.

SHUTE, V. J. Focus on formative feedback. Review of Educational Research, Princeton, v.1, n. 78, p. 153-189, 2008. Disponível em: https://www.ets.org/Media/Research/pdf/RR-07-11.pdf. Acesso em: 15 abr. 2018.

TARDIF, Maurice. Saberes docente e formação profissional. 12ª ed. – Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

UFAL. Avaliação para a aprendizagem no ensino superior: aspectos conceituais e procedimentais em contextos híbrido-formativos – Projeto do curso. Programa de formação continuada em docência do ensino superior (Proford). Maceió: Prograd/Ufal, abr./mai. 2018a.

__________. Avaliação para a aprendizagem no ensino superior: aspectos conceituais e procedimentais em contextos híbrido-formativos – AVA do curso. In: Programa de formação continuada em docência do ensino superior (Proford). Maceió: Prograd/Ufal, abr./mai. 2018. Disponível em: http://ava.ead.ufal.br/course/view.php?id=8041. Acesso: 18 set. 2018b.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-041

Refbacks

  • There are currently no refbacks.