A atuação e importância do nutricionista no âmbito da saúde pública/ Nutritionist's role and importance in public health

Dayane de Melo Barros, Marcela de Albuquerque Melo, Maria Heloisa Moura de Oliveira, Merielly Saeli de Santana, Laryssa Rebeca de Souza Melo, Thiago da Silva Freitas, Normanda Pereira da Silva, Estefany Karolayne dos Santos Machado, Marllyn Marques da Silva, Maria Edilza Mendonça dos Santos, Secineide Santana de Carvalho, Jose Helio Luna da Silva, Priscilla Gregorio de Oliveira, Tamiris Alves Rocha, Silvio Assis de Oliveira Ferreira, Danielle Feijo de Moura

Abstract


A atuação do nutricionista no âmbito da saúde pública é de considerável importância devido as suas ações de promoção a saúde através de diversos recursos, assim como ações de prevenção de doenças. Desta forma, a revisão sistemática objetivou identificar evidências disponíveis na literatura acerca da atuação e importância do nutricionista no âmbito da saúde pública. A busca bibliográfica se deu através da pesquisa nas bases de dados Scielo e Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), sites institucionais e livros. A dimensão temporal considerada das publicações foi entre 1993 e 2018. Foram excluídos os achados científicos que não estavam de acordo com a abordagem proposta. O profissional da área de nutrição pode realizar funções relacionadas à nutrição e alimentação da população no setor público através de diversas áreas de atuação, como, Conselhos Federais e Regionais de Nutrição, fiscalização sanitária, gestão em programas de alimentação e nutrição e Estratégia Saúde da Família (ESF). Diante disso, as ações de alimentação e nutrição na saúde pública, por meio da atuação do nutricionista, são destacáveis e necessárias para a população devido aos diversos benefícios proporcionados pelas mesmas

Keywords


: funções, nutrição, revisão, saúde, setor público.

References


ASENSI, F. Sistema Único de Saúde Lei 8.080/1990 e Legislação Correlata. Leya, 2015.

BATISTA FILHO, M.; RISSIN, A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cadernos de Saúde Pública, v. 19, p. 181-191, Suplemento 1, 2003.

BORELLI, M.; DOMENE, S. M. Á., MAIS, L. A., PAVAN, J.; TADDEI, J.A.D.A.C. A inserção do nutricionista na Atenção Básica: uma proposta para o matriciamento da atenção nutricional. Ciência e Saúde Coletiva, v.20, n.9, p.2765-2778, 2015.

BRASIL. Conselho Federal de Nutricionistas. Resolução CFN nº 380/2005. Dispõe sobre a definição das áreas de atuação do nutricionista e suas atribuições, estabelece parâmetros numéricos de referência por área de atuação e dá outras providências. Brasília, 2005.

BRASIL. Gestão Municipal das Políticas de Alimentação e Nutrição e de Promoção da Saúde na Atenção Básica, Ministério da saúde, 38p, 2017.

BRASIL. Conselho Federal de Nutricionistas. O papel do nutricionista na atenção primária à saúde. Brasília, DF, 2008.

BRASIL. Conselho Federal de Nutricionistas. Resolução CFN Nº 600, de 25 de fevereiro de 2018. Brasília, DF, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Matriz de ações de alimentação e nutrição na atenção básica de saúde. Brasília: MS, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de alimentação e nutrição. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 687, de 30 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Promoção da Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 31 mar. Seção 1, p. 138, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria da SVS/MS n. 1428, de 26 de novembro de 1993. Regulamento técnico para inspeção sanitária de alimentos Cod. –100 a 001.0001. Diretrizes para estabelecimento de Boas Práticas de Produção e de Prestação de Serviços na Área de Alimentos. Regulamento técnico para o Estabelecimento de Padrão de Identidade e Qualidade –(PIQs) para Serviços e Produtos na área de. Diário Oficial da União, Brasília, DF, s/d, 1993.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sistema Único de Saúde (SUS): estrutura, princípios e como funciona. Brasília: Ministério da Saúde, 2019. Disponível em: < http://www.saude.gov.br/sistema-unico-de-saude>.

CESSE, E.Â.P. Epidemiologia e determinantes sociais das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil.296f. 2007. Tese (Doutorado em Ciências), 2007.

CONSEA (Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional). Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - Proposições do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional para sua elaboração. Documento Aprovado na Plenária do CONSEA de 12 de agosto de 2009, 2009. Acesso em 03 de junho de 2019. Disponível em: .

COUTINHO, J. G.; CHAVES, P. G.; TORAL, N. A desnutrição e obesidade no Brasil: o enfrentamento com base na agenda única da nutrição. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, Suplemento 2, p. 332-340, 2008.

DUARTE, R.L. Procedimento Operacional Padrão – A importância de se padronizar tarefas nas BPLC. Curso de BPLC – Belém-PA, 8p, 2005.

FIGUEIREDO, A.V.A.; RECINE, E.; MONTEIRO, R. Regulação dos riscos dos alimentos: as tensões da Vigilância Sanitária no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, p. 2353-2366, 2017.

GEUS, L. M. M.; MACIEL, C. S.; BURDA, I. C. A.; DAROS, S. J.; BATISTEL, S.; MARTINS, T. C. A.; FERREIRA, V. A.; DITTERICH, R. G. A importância na inserção do nutricionista na Estratégia Saúde da Família. Ciência e Saúde Coletiva, n. 16, v. 1, p. 797-804, 2011.

JAIME, P. C.; DELMUÈ, D. C. C.; CAMPELLO, T.; SILVA, D. O.; SANTOS, L. M. P. Um olhar sobre a agenda de alimentação e nutrição nos trinta anos do Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 6, p.1829-1836, jun. 2018.

MOREIRA, S.A. Alimentação e comensalidade: aspectos históricos e antropológicos. Ciência e Cultura, v. 62, n. 4, p. 23-26, 2010.

OMS (Organização Mundial de Saúde). 10 Facts on food safety, 2016. Acesso em 31 de julho de 2019. Disponível em: .

OMS (Organização Mundial de Saúde). Food Safety, Key Facts, 2017. Acesso em 28 de agosto de 2019. Disponível em: < http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs399/en/>.

PERRENOUD, P. Construindo as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed, 1999.

PESSANHA, L. Segurança alimentar como princípio orientador de políticas públicas: implicações e conexões ao caso brasileiro. 317f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade), Universidade Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1998.

PETRY, A.L.G. Aspectos sócio-econômicos e adequação alimentar em áreas periféricas urbanas do Recife. 142f. Dissertação (Mestrado em Economia e Sociologia). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1993.

RASBRAN. O nutricionista e as políticas públicas. Revista da Associação Brasileira de Nutrição. São Paulo, SP, Ano 5, n. 1, p. 86-88, ISSN 1983-3164, 2013.

SCHRAMM, J. M. D.A.; OLIVEIRA, A. F. D.; LEITE, I. D. C.; VALENTE, J. G.; GADELHA, Â. M. J.; PORTELA, M. C.; CAMPOS, M. R.. Transição epidemiológica e o estudo de carga de doença no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 9, n. 4, p. 897-908, 2004.

SILVA JÚNIOR, E. A. Manual de Controle Higiênico Sanitário em Alimentos. 6. ed. São Paulo: Varela, 2005.

SILVA, J.P.; BAIÃO, M.R; SANTOS, M.S. Ações de alimentação e nutrição na Atenção Básica. In: ABBADE, Christiane. Alimentação e Nutrição: contexto político, determinantes e informação em saúde. Rio de Janeiro, v. 1, p 60- 105. 2013.

SOUZA, E.B. Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores. Cadernos UniFOA, Volta Redonda. v. 5. n. 13. p. 49-53, 2010.

TADDEI, J. A.; LANG, R. M. F.; SILVA, G. L.; DE AGUIAR TOLONI, M. H. Nutrição em saúde pública. Editora Rubio, 2011.

TARDIDO, A.P.; FALCÃO, M.C. O impacto da modernização na transição nutricional e obesidade. Revista brasileira de nutrição clínica, v. 21, n. 2, p. 117-24, 2006.

TOLOZA, D.C. Nutricionista: um histórico da profissão até os dias atuais. 68f. Monografia (Especialista em Qualidade dos Alimentos), Centro de Excelência em Turismo, Universidade de Brasília, Brasília, 2003




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-042

Refbacks

  • There are currently no refbacks.