Variedades de macieira: cenário Internacional e Nacional / Apple varieties: International and National scenario

Marcus Vinicius Kvitschal, Marcelo Couto, Thyana Lays Brancher

Abstract


A maçã no Brasil é uma das principais frutas tanto pelo aspecto econômico quanto social. Embora o Brasil seja um dos maiores produtores mundiais de maçãs, a cadeia produtiva apresenta grandes problemas, dos quais se pode destacar: 1) adaptação inadequada das principais variedades utilizadas; 2) dificuldade de controle fitossanitário nos pomares; 3) vulnerabilidade climática, biológica e econômica no país. Essa vulnerabilidade é promovida pela dependência de apenas duas variedades (‘Gala’ e ‘Fuji’), que também implica em dificuldades logísticas no uso da mão de obra disponível no país e baixa qualidade das frutas ofertadas no varejo. Em comparação a outros países mais tradicionais em produção de maçãs, as variedades “commodity” ainda representam a maior fração dos volumes produzidos da fruta, mas nas últimas décadas diversas novas variedades melhoradas tem se consolidado, graças ao uso de estratégias comerciais inovadoras, a exemplo do que se observa para as “Managed Varieties” (variedades controladas por algum sistema comercial ou marca). No entanto, no Brasil existe uma forte barreira comercial à consolidação dessas variedades melhoradas, independentemente se são desenvolvidas no Brasil ou no exterior, cenário que deve sofrer mudanças devido às tendências mundiais que se tem observado. Estratégias comerciais inovadoras para as novas variedades, a exemplo dos “clubes de variedades”, o desenvolvimento de novos produtos a partir da maçã e fortalecimento da indústria, bem como a melhoria da fruta ofertada no varejo são as perspectivas para o país num futuro próximo. As variedades “commodity” ‘Gala’ e ‘Fuji’ ainda deverão continuar sendo as mais plantadas no país por décadas, embora variedades melhoradas deverão começar a ocupar espaço gradualmente, contribuindo para a diversificação varietal na cadeia produtiva da maçã no Brasil. Essa é a grande mudança de cenário que o setor da maçã brasileira deverá vivenciar nas próximas décadas.

 


Keywords


Malus domestica x Borkh.; maçã; diversificação varietal; espécies frutíferas; commodity.

References


ANUÁRIO BRASILEIRO DA MAÇÃ / Benno Bernardo Kist et al. (ed.), Santa Cruz do Sul: Editora Gazeta, 2016. 64p.: il.

BELROSE, Inc. Wolrd Apple Review – 2018 edition. Pullman: Belrose Inc., 2018. 173p.

BROWN, S. K.; MALONEY, K E. An update on apple cultivars, brands and club-marketing. New York Fruit Quarterly, v. 21, n. 1, p. 3-10, 2013.

BROWN, S. K.; MALONEY, K. E. Apple breeding, genetics and genomics. NY Fruit Quarterly, v. 23, n. 3, p. 5-8, 2015.

CARRASCO, O. Fruticultura del siglo XXI y sus desafíos. Boletim Técnico POMÁCEAS: Talca, v.15, n.3. 2015. 5p.

CRIPPS, J. E. L.; RICHARDS, L. A.; MAIRATA, A. M. ‘Pink Lady 'apple. HortScience, v. 28, n. 10, p. 1057-1057, 1993.

DENARDI, F.; KVITSCHAL, M. V.; HAWERROTH, M. C. A brief history of the forty-five years of the Epagri apple breeding program in Brazil. Crop Breeding and Applied Biotechnology. v. 19, n. 3, p. 347-355, 2019.

FAO – Food and Agriculture Organization of the United Nations. FAOSTAT – Statistics Division. Disponível em: http://www.fao.org/faostat/en/#data/QC, acessado em: 19 de agosto de 2019.

LEGUN, K. A. Club apples: a biology of markets built on the social life of variety. Economy and Society, v. 44, n. 2, p. 293-315, 2015.

PETRI, J. L.; LEITE, G. B.; COUTO, M.; GABARDO, G. C.; HAWERROTH, F. J. Chemical induction of budbreak: new generation products to replace hydrogen cyanamide. Acta Horticulturae, n. 1042, p. 159-166, 2014.

ROBINSON, T. Advances in apple culture worldwide. Revista Brasileira de Fruticultura, Volume Especial, E.037-047, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-091

Refbacks

  • There are currently no refbacks.