A importância da fisioterapia no setor de urgência e emergência: uma revisão de literatura/ The importance of physiotherapy in the emergency and emergency sector: a literature review

Caio Cesar Mariano da Silva, Israel Moraes dos Santos

Abstract


O serviço de urgência e emergência é a porta de entrada do hospital para o paciente que apresenta alterações dos pontos de vista biológicos e físicos, cursando risco de vida. Este é um estudo quantitativo, descritivo, que agrega evidências de pesquisa afim de avaliar o perfil clínico dos pacientes que dão entrada no setor de urgência e emergência, com a finalidade de discutir sobre o papel da fisioterapia neste setor. Método: Uma revisão sistemática, estabelecendo critérios para inclusão e exclusão de artigos. O processo de elaboração deste estudo de revisão inclui analisar cada artigo selecionado, a qualidade dos artigos, identificar conceitos importantes, comparar os dados estatísticos e concluir sobre o que a literatura informa em relação aos pacientes atendidos no setor de urgência e emergência. Conclusão: A demanda equivocada da população pelos serviços de alta especificidade, gera uma sobrecarga nos setores de urgência e emergência hospitalares. Mais da metade dos pacientes possuem baixo risco de complexidade, podendo receber atendimento em locais de atendimento de baixa complexidade. O fisioterapeuta pode atuar no setor de urgência e emergência para atender essa demanda, permitindo que médicos especializados atuem em casos de alta complexidade.


Keywords


“Urgência e emergência”, “hospital”, “fisioterapia”.

References


ABREU, L. C. et al. Uma visão da pratica da fisioterapia respiratória: ausência de evidência não e evidencia de ausência. Revista Arquivos Médicos do ABC v. 32, p.76-78, 2007.

ALBINO, R. M. et al. Classificação de Risco: Uma Necessidade Inadiável em um Serviço de Emergência de Qualidade. Arquivos Catarinenses de Medicina. Florianópolis: v. 36, n. 4, 2007.

AZEREDO C. A. C. Fisioterapia respiratória moderna. São Paulo: Manole; 1993.

AZILIERO, F. Emprego do Sistema de Triagem de Manchester na Estratificação de Risco: Revisão de Literatura. Trabalho de Conclusão de Curso – Escola da Enfermagem, UFRGS, Porto Alegre, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n.2048, de 05 de novembro de 2002. Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência. Diário Oficial da União.

Brasília, 2002.

BRASIL. Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional – COFFITO. Resolução n.472, de 20 de maior de 2016. Dispõe Sobre o Trabalho do

Fisioterapeuta no Período de 24 horas em CTI`s. Diário Oficial da União.

Brasília, 2016.

CABRAL, A. P. S. et al. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU): Análise da Demanda e sua Distribuição Espacial em uma Cidade do Nordeste Brasileiro. Rev. Bras Epidemiol. 2008;11(4):530-40.

COELHO, M. F. et al. Urgências Clínicas: Perfil de Atendimentos Hospitalares. Rev Rene.

; 14(1):50-9.

FÓRUM DE DIRETRIZES EM VENTILAÇÃO MECÂNICA AMIB E SBPT, 1., 2013. São

Paulo, Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica 2013.

GARLET, E. R. et al. Finalidade do Trabalho em Urgências e Emergências: Concepções profissionais. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v.17, n. 4, p.99-105, 2009.

GIGLIO-JACQUEMOT, A. Definições de urgência e emergência: critérios e limitações. Urgências e emergências em saúde: perspectivas de profissionais e usuários. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2005. Antropologia e Saúde Collection, p. 15-26.

GARLET, E. R. et al. Finalidade do Trabalho em Urgências e Emergências: Concepções profissionais . Revista Latino-Americana de Enfermagem, v.17, n. 4, p.99-105, 2009.

JUNIOR, J. L. et al. O Perfil da Emergência do Hospital da Restauração: Uma Análise dos Possíveis Impactos Após a Municipalização dos Serviços de Saúde. Rev. Bras. Epidemiol. Vol. 7, nº.3, 2004.

OGAWA, K. Y. L. et al. Intervenção Fisioterapêutica nas Emergências

Cardiorrespiratórias. Revista O Mundo da Saúde, São Paulo: v.33, n.4, p. 457- 466, 2009.

OHARA, R. Caracterização do Perfil Assistencial dos Pacientes Adultos de um Pronto Socorro. Revista Brasileira de Enfermagem. Vol. 63, nº.5, set-out, 2010, pp. 749-754.

OLIVEIRA, G. N. et al. Perfil da população Atendida em uma Unidade de Emergência Referenciada. Rev. Latina-Am. Enfermagem. 19(3):[09 telas] maio-jun 2011.

OLIVEIRA, G. N.et al. Correlação das Categorias de Classificação de Risco com Aspectos Clínicos e Desfechos. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2016;24:E2842.

PICCOLI, A. et al. Indicações para Inserção do Profissional Fisioterapeuta em uma Unidade de Emergência . Revista ASSOBRAFIR Ciência. v.4, n.1, p. 33-41, 2013.

ROSA, T.P. et al. Perfil dos Pacientes Atendidos na Sala de Emergência do Ponto Socorro de um Hospital Universitário. R. Enferm. UFSM 2011 Jan/Abr; 1(1):51-60

SILVA, V. P. M. et al. Caracterização do Perfil de Demanda da Emergência de Clínica Médica do Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina. Arquivos Caratinenses de Medicina. Vol.36, nº.4, de 2007.

TAQUARY, S. A. S. et al. Perfil Clínico e Atuação Fisioterapêutica em Pacientes Atendidos na Emergência Pediátrica de um Hospital Público de Goiás. Fisioter Pesq. 2013;20(3):262- 267.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-092

Refbacks

  • There are currently no refbacks.