A etnociência dos povos indígenas da Amazônia / The ethnoscience of the indigenous peoples of the Amazon

Maria Lúcia Gomes Figueira de Melo, Maria Josevett Almeida Miranda, Denise de Souza Simões Rodrigues

Abstract


Este artigo faz parte de uma pesquisa mais ampla que estamos realizando sobre a Etnociência como uma das vertentes teóricas mais profícuas no interior do paradigma da Etnometodologia, enquanto uma das abordagens teórico-metodológicas emergentes no campo da pesquisa científica. Em contraposição aos paradigmas teóricos tradicionais, fundamentados em uma concepção eurocêntrica de conhecimento científico, a Etnociência evidencia que não existe uma Ciência única e universal, mas diversos modos de organização do conhecimento, baseado em um raciocínio prático do senso comum, enquanto processo e produto históricos das experiências e práticas vividas e construídas pelos sujeitos sociais no mundo sócio-cultural em que (con)vivem. Objetivando resgatar esses saberes práticos alijados das academias e, da Escola em geral, enfatizamos a importância dessa Ciência pluricultural entre os diversos povos culturalmente distintos, como casos dos povos indígenas, quilombolas e demais “minorias” socialmente oprimidas e discriminadas em seus diferentes modos de organização de viver e raciocinar. Para tanto, realizamos uma acurada pesquisa bibliográfica nas obras de referência e paradigmática sobre a temática, que foi aprofundada por uma pesquisa documental, acessando-se os “sites” mas recentes que se reportam sobre o assunto, via “Internet”. Com a finalidade de fornecer maior concretude e atualidade sobre o objeto problematizado, realizamos uma pesquisa de campo entre os acadêmicos de Licenciatura Plena em diversas áreas do conhecimento humano no Centro de Ciências Sociais e Educação da Universidade do Estado do Pará, objetivando através de entrevistas verificar o conhecimento desses sujeitos sociais sobre o raciocínio prático dos grupos indígenas da Amazônia que apresentam uma racionalidade concreta fora dos padrões da lógica conjuntista-identitária. Tendo em vista complementar o nível de aprofundamento desta investigação científica, realizamos também uma pesquisa de campo junto aos grupos indígenas Munduruku, Tapirapés, Waimiri-Atroari, Guajajaras e Tembés, nos estados do Amazonas, Maranhão e Pará, unidades federadas pertencentes à Amazônia Legal.


Keywords


Etnometodologia. Etnociência. Multiculturalismo. Práticas socioculturais. Grupos Indígenas.

References


ALBUQUERQUE JUNIOR, Ailton Batista de. et al... Análises da Concentração de Terras no Brasil a partir de uma Visão Crítica. Curitiba (PR): BRAZILIAN JOURNAL OF DEVELOPMENT, 2019

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Etnomatemática: Elo entre as Tradições e a Modernidade. São Paulo (SP): AUTÊNTICA, 2001.

EINSTEIN, Albert. Como Vejo o Mundo. Rio de Janeiro (RJ): NOVA FRONTEIRA, 1981.

FERREIRA, Eduardo. Racionalidade dos Índios Brasileiros. In. Revista Science American, Ed. Especial Nº 11, São Paulo (SP): EDIOURO, 2005.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro (RJ): GRAAL, 1979.

GADOTTI, Moacir. Pedagogia da Terra. São Paulo (SP): PETRÓPOLIS, 2001.

GALEANO, Eduardo. As Veias Abertas na América Latina. Rio de Janeiro (RJ): PAZ e TERRA, 1987.

GAMBINI, Roberto. Espelho Índio: A Formação da Alma Brasileira. São Paulp (SP): AXIS MUNDI, 2000.

GARFINKEL, Harold. Studies in Etnometodology. New Jersey (EUA): PRENTICE HALL, 1967.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro (RJ): ZAHAR, 1978.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatística do Povoamento e Grupos Indígenas Extintos. Rio de Janeiro (RJ): IBGE, 2019.

KOSIK, Karel. Dialética do Concreto. Rio de Janeiro (RJ): PAZ e TERRA, 1985.

LANDER, Edgar. (ORG.). Colonialidade do Saber: Eurocentrismo e Ciências Sociais. São Plabo: (CHL): CLACSO, 2005.

LEVY-BRUHL, Lucien. La Mentalité Primitive. Paris (FRA): PUF, 1921.

LEVY-STRAUSS, Claude. O Pensamento Selvagem. São Paulo (SP): PAPIRUS, 1989.

MELO, Lúcia. Etnometodologia e Educação. Belém (PA): SOCID/CCSE/UEPA, 2015.

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬______. Violência e Conflito na Amazônia Rural. Campina Grande (Pb): CENTRO DE HUMANIDADES/UFPb, 1990.

_____ . A Revolta dos Índios Guajajaras. In. _______ Violência e Conflito na Amazônia Rural. Campina Grande (Pb): CH/UFPb, 1990.

______. Diagnóstico Preliminar sobre o Raciocínio Lógico-Prático dos Povos Indígenas da Amazônia. Belém (PA): SOCID/UEPA, 2017

MENEGAT, Jardelino et al... Comunidade Educadoras: Perspectivas para a Defesa do Direito à Educação. Curitiba (PR): BRAZILIAN JOURNAL OF DEVELOPMENT, 2019.

OLIVEIRA, Cintra & NASCIMENTO, Tania. Processo de Aculturação e Agricultura Mecanizada: um estudo de caso sobre a Comunidade Indígena Parkatejê de Bom Jesus de Tocantins. Belém(PA): CCSE/UEPA, MCC do Curso em Sociologia e Educação Ambiental, 2008.

OLIVEIRA NETO, Benjamim Machado de. O valor da Pluralidade Cultural e o Currículo Escolar na Concepção do Professor. Curitiba (PR): BRAZILIAN JOURNAL OF DEVELOPMENT, v.5, n. 9, 2019.

PASSOS, Patrick & CUNHA, Vânia. Diagnóstico das Condições Sociais de Saúde dos Índios Tembé. Belém (PA): CCSE/UEPA, MMC, 2007

SOUZA, Cristina. Educação Tribal x Educação Formal Indígena Tutelada pela FUNAI: O Caso dos Tembés do Alto-Guamá. Belém (PA): CCSE/UEPA, 1996.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n10-026

Refbacks

  • There are currently no refbacks.