Cascata de cuidado contínuo da infecção por HIV segundo gênero no Estado do Tocantins / Cascade of continuous care of HIV infection by gender in the state of Tocantins

Jéssica Gualberto Silva, Beatriz Gomes Machado, Virgínia Fontana Alves dos Santos, Adriana de Souza Oliveira, Letícia Cerqueira de Santana, Lorena Dias Monteiro

Abstract


Introdução: A terapia antirretroviral precoce e a adesão ao tratamento são as estratégias mais importantes para a saúde pública no controle da infecção pelo HIV. Objetivo: Avaliar a tendência da cascata de cuidado contínuo da infecção por HIV segundo gênero no estado do Tocantins no período de 2009 a 2018. Métodos: Estudo ecológico de série temporal baseado em dados epidemiológicos de HIV oriundos do Ministério da Saúde. A análise de tendência incluiu modelos de regressão de Poisson por pontos de inflexão. Resultados: No período de 10 anos, houve 1.647 casos registrados de HIV e 2.051 casos de AIDS residentes no estado do Tocantins. A média da prevalência de diagnóstico tardio no gênero masculino foi superior (35,8%) quando comparada à feminina. Os homens tiveram uma tendência estatisticamente crescente quanto ao diagnóstico tardio (APC= 12,6; IC95% 7,7 - 17,8) entre 2009 e 2018. No mesmo período, a tendência crescente do diagnóstico tardio pela contagem do primeiro CD4 realizado no ano foi quase três vezes mais em homens que em mulheres (APC= 13,5; IC95% 11,3 a 15,7). O tempo mediano entre a solicitação do primeiro CD4 realizado e o início da TARV teve uma queda significativa entre as mulheres (AAPC= -47,9; IC95% -58,2 a -35,2). Mesmo não tendo aumento significativo de início oportuno da TARV entre gêneros, as mulheres realizaram mais o diagnóstico precoce (APC=189,9-6,1 a 15,6). Conclusão: A tendência do acesso ao diagnóstico para mulheres foi maior, mas a vinculação e retenção nos serviços, a retenção em terapia e a supressão viral apresentaram tendência de queda em relação aos homens.


Keywords


HIV, Estudos de Séries Temporais, Epidemiologia, Gênero, Tratamento.

References


Dantas MS, Abrão FMS, Costa SFG, Oliveira DC. HIV/AIDS: significados atribuídos por homens trabalhadores da saúde. Esc. Anna Nery vol.19 no.2 Rios de Janeiro Apr./June 2015. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20150044

OMS (Organização Mundial da Saúde), OMS (Organização Mundial da Saúde): Report on global sexually transmitted infection surveillance. 2018 [cited 2020 Nov 22]. Available from: online

do Val JLD, Bonizio MLF, da Silva PA, Catelani GR, Chachá SG, Ruggiero CM, et. al. Cascata de Cuidado Contínuo Da Infecção Por Hiv: Coinfecções e Perda de Seguimento. Braz. j. infect. 2018. 22, 115. https://doi.org/10.1016/j.bjid.2018.10.219

Dimitrov DT, Kiem HP, Jerome KR, Johnston C, Schiffer JT. Um regime curativo diminuiria a prevalência do HIV, mas não a incidência do HIV, a menos que seja direcionado a uma população virgem para o TARV. Relatórios científicos. Fevereiro de 2016; 6: 22183. DOI: 10.1038 / srep22183.

Granich RM, Gilks CF, Dye C, et al. Teste voluntário universal para HIV com terapia antirretroviral imediata como estratégia para eliminação da transmissão do HIV: um modelo matemático. Lancet 2009. 373(9657), 48–57. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(08)61697-9

Corey L, Coombs RW. The natural history of HIV infection: implications for the assessment of antiretroviral therapy. Clin Infect Dis. vol. 16 Suppl 1 (1993) https://doi.org/10.1093/clinids/16.supplement_1.s2

Perelson AS, Neumann AU, Markowitz M, Leonard JM, Ho DD. HIV-1 dynamics in vivo: virion clearance rate, infected cell life-span, and viral generation time. Science. 1996 Mar 15;271(5255):1582-6. https://doi.org/10.1126/science.271.5255.1582

Kim J, Lee E, Park BJ, Bang JH, Lee JY. Adherence to antiretroviral therapy and factors affecting low medication adherence among incident HIV-infected individuals during 2009-2016: A nationwide study. Sci Rep. 2018 Feb 16;8(1):3133. https://doi.org/10.1038/s41598-018-21081-x

Antiretroviral Therapy Cohort Collaboration. Life expectancy of individuals on combination antiretroviral therapy in high-income countries: a collaborative analysis of 14 cohort studies. Lancet. 2008 Jul 26. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(08)61113-7

Han Y, Lassen K, Monie D, Sedaghat AR, Shimoji S, Liu X, et.al. Resting CD4+ T cells from human immunodeficiency virus type 1 (HIV-1)-infected individuals carry integrated HIV-1 genomes within actively transcribed host genes. J Virol. 2004 Jun;78(12):6122-33. https://doi.org/10.1128/JVI.78.12.6122-6133.2004

Das M, Chu PL, Santos GM, Scheer S, Vittinghoff E, McFarland W, Colfax GN. Decreases in community viral load are accompanied by reductions in new HIV infections in San Francisco. PLoS One. 2010 Jun 10;5(6):e11068. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0011068

Mangal TD, Meireles MV, Pascom ARP, Coelho RA, Benzaken AS, Hallett TB. Determinants of survival of people living with HIV/AIDS on antiretroviral therapy in Brazil 2006-2015. BMC Infect Dis. 2019;19(206). https://doi.org/10.1186/s12879-019-3844-3

Ministério da Saúde, HIV/AIDS 2019: Boletim Epidemiológico Brasília, DF; 2019. Número especial. [cited 2020 Nov 22]. Available from: online

Antunes MC, Peres CA, Paiva V, Stall R, Hearst N. Diferenças na prevenção da AIDS entre homens e mulheres jovens de escolas públicas em São Paulo, SP. Rev. Saúde Pública, v.36, n.4, p.88-95, 2002. https://doi.org/10.1590/S0034-89102002000500013.

Santos NJS, Barbosa RM, Pinho AA, Villela WV, Aidar T, Filipe EMV. Contextos de vulnerabilidade para o HIV entre mulheres brasileiras. Cad. Saúde Pública. vol.25 supl.2 Rio de Janeiro 2009. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009001400014

Marques J, Santana J, Gomes R, Nascimento E. Masculinidade hegemônica, vulnerabilidade e prevenção ao HIV/AIDS. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2012, vol.17, n.2, pp.511-520. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000200024.

Baeten JM, Donnell D, Ndase P, Mugo NR, Campbell JD, Wangisi J, et al. Antiretroviral Prophylaxis for HIV Prevention in Heterosexual Men and Women. N Engl J Med. 2012;367(5):399–410. https://doi.org/10.1056/NEJMoa1108524

Tocantins. Secretaria de Estado de Saúde. Comissão Intergestores Bipartite. Resolução CIB n.º 161/2012 de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre a conformação das novas regiões de saúde do estado do Tocantins e as ações e serviços mínimos a serem ofertados nesses territórios. Disponível em: https://central3.to.gov.br/arquivo/244723/

Brasil. Ministério da Saúde. Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis: Departamento de Indicadores e Dados Básicos da HIV/AIDS nos Municípios Brasileiros [internet]. 2020.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) [Internet]. 2020. Cidades e Estados (Tocantins). Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/to.html

Kim HJ, Fay MP, Feuer EJ, Midthune DN. Permutation tests for joinpoint regression with applications to cancer rates. Stat Med. 2000 Feb 15;19(3):335-51. https://doi.org/10.1002/(sici)1097-0258(20000215)19:3<335:aid-sim336>3.0.co;2-z

Clegg LX, Hankey BF, Tiwari R, Feuer EJ, Edwards BK. Estimating average annual percent change in the in-trend analysis. Stat Med. 2009; 28 (29): 3670-82. https://doi.org/10.1002/sim.3733

López LC. Uma Análise das Políticas de Enfrentamento ao HIV/AIDS na Perspectiva da Interseccionalidade de Raça e Gênero. Saúde soc. vol.20 no.3 São Paulo July/Sept. 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902011000300006

PAN AMERICAN HEALTH ORGANIZATION (PAHO). Addendum to meeting report: Regional consultation on HIV epidemiologic information in Latin America and the Caribbean: Washington: PAHO, 2014. [cited 2020 Nov 22]. Available from: online

Bemelmans M, Baert S, Negussie E, Bygrave H, Biot M, Jamet C, Ellman T, Banda A, van den Akker T, Ford N. Sustentando o futuro do aconselhamento em HIV para alcançar 90-90-90: uma análise regional do país. Journal of the International AIDS Society. 2016. 19 (1), 20751. https://doi.org/10.7448/IAS.19.1.20751

Ministério da Saúde, Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/ AIDS e das Hepatites Virais. Manual

Técnico de Elaboração da Cascata de Cuidado Contínuo do HIV. Brasília. 2017. Available from: online.

Knauth DR, Hentges B, Macedo JL, Pilecco FB, Teixeira LB, Leal AF. O diagnóstico do HIV/AIDS em homens heterossexuais: a surpresa permanece mesmo após mais de 30 anos de epidemia. Cad. Saúde Pública 36 (6) 08 Jun 2020. https://doi.org/10.1590/0102-311x00170118

Marques BG. Fatores que influenciam o diagnóstico tardio de HIV/AIDS: Um olhar sociológico de casos em Porto Alegre. Porto Alegre, janeiro de 2015. http://hdl.handle.net/10183/132866

UNAIDS. Saúde Pública e a supressão viral do HIV: O que significa estar com a carga viral indetectável? 2017.Disponível em: https://unAIDS.org.br/2017/07/indetectavel-saude-publica-e-supressao-viral-do-hiv/

Ribeiro LCS, Giami A, Freitas MIF. Representations of people living with HIV: influences on the late diagnosis of infection. Rev Esc Enferm USP. 2019;53:e03439. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2018009703439

Ribeiro LCS, Freitas MIF, Tupinambás U, Lana FCF. Diagnóstico tardio de infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana e fatores associados. Rev. Latino-Am. Enfermagem vol.28 Ribeirão Preto 2020 Epub 31-Ago-2020. http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.4072.3342

Almeida MCB, Labronici LM. A trajetória silenciosa de pessoas portadoras do HIV contada pela história oral. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2007, vol.12, n.1, pp.263-274. https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000100030

Bonolo PF, Gomes RRFM, Guimarães MDC. Adesão à terapia anti-retroviral (HIV/AIDS): fatores associados e medidas da adesão. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 16, n. 4, p. 267-278, dez. 2007. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742007000400005

Nunes AA. Governo do Tocantins Secretaria de Estado da Saúde Comissão Intergestores Bipartite/CIB-TO. Resolução - CIB Nº. 113/2011, de 05 de setembro de 2011. Disponível em: https://central3.to.gov.br/arquivo/314671/

Ministério da Saúde, et al. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis: Ministério da Saúde lança campanha para conter avanço de HIV em homens.2019. Available from: online

Moraes DCA, Oliveira RC, Costa SFG. Adesão de homens vivendo com HIV/AIDS ao tratamento antirretroviral. Esc Anna Nery - Rev Enferm. 2014;18(4):676–81. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20140096

Piña C, Dange A, Rawat S, Jadhav U, Arnsten JH, Chhabra R, et.al. Aquisição e adesão ao tratamento antirretroviral entre homens que fazem sexo com homens e mulheres transexuais com HIV em Mumbai, Índia: um estudo transversal. J Assoc Nurses AIDS Care. 2018 março-abril. https://doi.org/10.1016/j.jana.2017.10.001

Gebo KA, Fleishman JA, Conviser R, Reilly ED, Korthuis PT, Moore RD, et.al.Racial and gender disparities in receipt of highly active antiretroviral therapy persist in a multistate sample of HIV patients in 2001. J Acquir Immune Defic Syndr. 2005 Jan 1;38(1):96-103.https://doi.org/10.1097/00126334-200501010-00017

Lemly DC, Shepherd BE, Hulgan T, Rebeiro P, Stinnette S, Blackwell RB, et.al. Race and sex differences in antiretroviral therapy use and mortality among HIV-infected persons in care. J Infect Dis. 2009 Apr 1;199(7):991-8. https://doi.org/10.1086/597124

Turner BJ, Laine C, Cosler L, Hauck WW. Relationship of gender, depression, and health care delivery with antiretroviral adherence in HIV-infected drug users. J Gen Intern Med. 2003;18(4):248-257. doi:10.1046/j.1525-1497.2003. 20122.x

Felix G, Ceolim MF. O perfil da mulher portadora de HIV/AIDS e sua adesão à terapêutica antirretroviral*. Rev. esc. enferm. USP vol.46 no.4 São Paulo Aug. 2012. https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000400015

Padoin SMM, Züge SS, Adrighi JD, Primeira MR, Sants EEP, Paula CC. Mulheres do Sul Brasil em terapia antirretroviral: perfil e o cotidiano medicamentoso. Epidemiol. Serv. Saúde v.24 n.1 Brasília mar. 2015. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000100008




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n10-115

Refbacks

  • There are currently no refbacks.