A política comercial de angola e a participação brasileira/ The angola commercial policy and brazilian participation

Julio Cavalheiro Kopf, Argemiro Luis Brum

Abstract


O tema deste artigo é a política comercial externa de Angola. O problema central é o de se verificar como se caracteriza a política comercial externa deste país africano. Afinal, com o crescimento expressivo, tanto das exportações como das importações, e as sucessivas quebras de recordes favoráveis na balança comercial angolana, um montante cada vez maior de empresas começam a se aventurar no mercado mundial, visando não somente o aumento de suas receitas, mas também a sua sobrevivência no setor. Com isso surgem oportunidades para empresas atuantes nos processos que envolvem o comércio internacional. O objetivo central é compreender e analisar a estrutura da política econômica externa de Angola e algumas relações com o Brasil. A metodologia utilizada foi a da recuperação bibliográfica e estatística de dados sobre o tema, de forma a permitir uma análise que respondesse ao problema posto. Dentre as conclusões, nota-se que Angola deveria fortalecer parcerias comerciais com um maior número de países, pois sua economia não é diversificada e alguns produtos acabam custando muito caro para serem produzidos, servindo especialmente para favorecer grupos econômicos específicos. Um sistema de livre comércio mais amplo, principalmente com Portugal e Brasil, seria recomendável


Keywords


Comércio exterior; Balança comercial; Angola, Exportações, Importações.

References


Agência AngoNotícia – “Sonangol incompatibiliza-se com chineses e franceses”: Disponível em: http://www.angonoticias.com/full_headlines.php?id=13633. Acesso 14/10/2016.

Angola hoje ano 6 nº 32 mai/jun/2007 pag 42-43; Conferência do Atlântico Sul em Luanda impulsiona a integração – in: Angola Hoje, ano 6 nº 33 jul/ago/2007 pag. 38

BANCO DE FOMENTO DE ANGOLA. Estudos Economicos e Financeiros. 2009.

BEZERRA, D. S. Globalização x Comércio Exterior. Disponível em http://www.portal-administracao.com/2013/11/a-globalizacao-e-o-comercio-exterior.html acesso em 19 de maio. 2016.

Empresas petrolíferas em Angola. Disponível em: http://www.sonangol.com.ao

Acesso em 14/10/2016

EMBAIXADA DE ANGOLA NA ÁUSTRIA. Relações Internacionais. Disponível em: http://www.embangola.at/dados.php?ref=rela%E7%F5es-internacionais acesso as 11h no dia 25/10/2016

GONÇALVES, R. Economia Política Internacional: fundamentos teóricos e as relações internacionais do Brasil. Rio de Janeiro: Campus. 2005.

HUGON, Paul. História das doutrinas econômicas. São Paulo: Atlas, 1969.disponivel em: http://www.estantevirtual.com.br/b/paul-hugon/historia-das-doutrinaseconomicas/885973939 acesso 15 de agosto. 12h.

HUNT, E. K. História do pensamento econômico. São Paulo: Campus, 1981.

JUNIOR, T. A Influência Da Globalização No Comércio Internacional. UNIVALI (2009). < https://blogdatradejr.blogspot.com.br/2009/11/influencia-da-globalizacao-no-comercio.html>. Acessado em 15 Nov. 2016.

KEEDI, S. Logística de transporte internacional. 3. ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

MALUF, S. Administrando o comércio exterior do Brasil. São Paulo: Aduaneira, 2003.

MINCO. Institucional. 2014. Disponível em: www.minco.gov.ao. Acesso em: 28 Nov. 2016.

OLIVEIRA, I. T. M. Teoria do comércio: correntes e debates. Revista de Economia e Relações Internacionais, São Paulo, v. 5, n. 10, p.80-97, jan. 2007. Semestral.

PORTER, M. E. A Vantagem Competitiva das Nações. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

SINGER P. Aprender a Economia. Porto Alegre: Livraria Passos, 1969

SMITH, A. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

VAZQUEZ, J. L. Comércio Exterior Brasileiro. Editora Atlas. 3° edição.1998.

WERNECK, P. Comércio Exterior e Despacho Aduaneiro. 3.ed. Curitiba: Ruud, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-154

DOI (PDF (Português (Brasil))): https://doi.org/10.34117/bjd.v5i10.3775.g3576

Refbacks

  • There are currently no refbacks.