Evidências da cultura empreendedora em região de fronteira: uma análise da atitude empreendedora sob a perspectiva de gênero por meio da escala carland entrepreneurship index / Evidence of entrepreneurial culture in a frontier region An analysis of entrepreneurial attitude from a gender perspective using the carland entrepreneurship index scale

Alessandra Leite Prado Ludwig, Elton Luiz Ludwig, Elói Junior Damke

Abstract


O empreendedorismo é um processo que afeta comunidades em suas vertentes sociais, psicológicas e especialmente econômicas. Desta realidade, torna-se relevante as contribuições de estudos sobre as características do indivíduo empreendedor, que conforme a lição de SCHUMPETER (1982) é o agente responsável pela desestabilização da ordem econômica vigente pela introdução de novos produtos e serviços, como também por formas, organização e exploração de novos recursos materiais. Assim, conjugando-se esta pesquisa à análise do conceito de gênero em SCOTT (1989) como categoria de análise histórica de poderes, à teoria da prática dos jogos sérios em ORTNER (2007) que consiste na produção de sujeitos sociais no mundo por meio da prática, como também à nova identidade feminina em ascensão da terceira mulher em LIPOVETSKY (2000), que flexibiliza os cuidados com o lar em detrimento de conquistar maior influência e valorização no mercado de trabalho, considerando, inclusive o conceito de gênero como um organizador chave da globalização conforme HIRATA (2015). Nesse esteio, o relatório Global Entrepreneurship Monitor – GEM (2015), revelou que o número de empreendedores estabelecidos homens é maior que o de mulheres, porém, entre os empreendedores iniciais, o número de homens e mulheres é similar, de onde se percebe que o perfil feminino demanda maiores investigações com relação à sua efetiva integração no mercado de trabalho. A partir deste fato foi desenvolvida a presente pesquisa, com intuito de avaliar o nível de atitude empreendedora feminino em uma região de fronteira, fator diferencial para a demanda comercial, considerando potencial turístico, como também multiculturalidade por ser região de polo educacional. Esta assunção de nova identidade feminina como agente integrado e influente no meio público ainda é reconhecida em um polo minoritário de mulheres, conforme HIRATA (2015), mas se revela marcante na classe das mulheres empreendedoras. Esta coleta de dados do comportamento de mulheres empreendedoras, segue a vertente dos estudos construtivistas sobre o empreendedorismo, de análise multidimensional dos dados sob o prisma da psicologia comportamental, como também fatores ambientais. Os dados foram levantados por meio de survey junto a 168 respondentes, através da escala Carland Entrepreneurship Index (CEI). O CEI consiste em um questionário objetivo, contendo 33 questões, com alternativas em pares para escolha de uma afirmativa. Exige pouco tempo para organizar as respostas pelo entrevistado e ao pesquisador é de fácil tabulação. Foi validado no Brasil por Inácio Junior e Gimenez (2004) que traduziram a escala, aplicando as entrevistas a membros da comunidade em geral, alunos de graduação e pós-graduação em administração de duas instituições de ensino superior e por proprietários-gerentes das empresas residentes nas incubadoras tecnológicas do Estado do Paraná, concluindo pela validade do instrumento traduzido quando aferiu resultados positivos nos testes de confiabilidade split-half e Alfa de Cronbach. As respostas a presente pesquisa revelaram que o perfil mais incidente entre as empreendedoras de Foz do Iguaçu/PR classifica-se como intermediário, que a faixa etária dominante é de 40 anos, que os níveis de escolaridade mais recorrentes estão entre segundo grau completo e o nível superior completo e que a característica empreendedora mais acentuada entre as entrevistadas é a propensão ao risco. No entanto, para as quatro características analisadas, as características de postura estratégica, propensão à inovação e traços de personalidade não superaram em muito a marca de 50% das analisadas, o que indica necessidade de desenvolvimento de métodos e políticas que efetivem a cultura empreendedora com todas as suas características para desempenho de uma parcela maior de suas praticantes.


Keywords


Recursos Humanos, Gênero; Desempenho, Empreendedorismo; Economia trabalhista e demográfica.

References


CARLAND, J; CARLAND, J. A.; ENSLEY, M. D. (2001): Hunting the Heffalump: the theoretical basis and dimensionality of the Carland Entrepreneurship Index. Academy of Entrepreneurship Journal, Pittsburgh, v.7, n.2, p. 17-31. 2001.

CARLAND, J. W.; HOY, F.; BOULTON, W. R.; CARLAND, J. A. C. (1984): Differentiating entrepreneurs from small business owners: a conceptualization. Academy of Management Review, v. 9, n. 2, p. 354-359, 1984.

CARLAND, J. W.; HOY, F.; BOULTON, W. R.; CARLAND, J. A. C. (1992): An entrepreneurship Index: an empirical validation. Frontiers of Entrepreneurship Research. Boston, v. 25, n. 3, p. 244-265, Mar. 1992.

Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil- CPDOC. Fundação Getúlio Vargas – FGV, Rio de Janeiro, 2012. ANDRADE, S. R. de. (2016): “Eu sou uma pessoa de tremendo sucesso”: representações, identidades e trajetórias de mulheres executivas no Brasil. 2012. 238f Tese (Doutorado em História, Política e Bens Culturais). Disponível em . Acesso em 09.07.2016, às 5:39.

CYRINO, R. (2012): Mulheres Executivas: a divisão do trabalho doméstico à luz dos estereótipos de gênero. Coleção sociedade & cultura. Fino Traço Editora, Belo Horizonte, Brasil.

DABAT, C. R.; ÁVILA, M. B. (2016): Gênero: uma categoria útil para análise histórica, p. 7. Tradução do original SCOTT, J. Gender: a useful category of historical analyses. Gender and the politics of history. New York, Columbia University Press. 1989. Disponível em http://compromissoeatitude.org.br/wpcontent/uploads/2012/08/JoanScott_Genero_umacategoriautil.pdf. Acesso em 19.10.2016.

DAMKE, E. J.; HIJAZI, M. M.; MOREIRA, L. F.; BENITEZ, J. R.; DAMKE, J. F. W. (2015): Atitude Empreendedora e Desempenho Organizacional em Micro e Pequenas Empresas: um Estudo no Setor de Varejista de Confecções de Curitiba – PR. XVIII SEMEAD – Seminários em Administração, São Paulo.

FONTENELE, R. E. S.(2017): Empreendedorismo, competitividade e crescimento econômico: evidências empíricas. RAC Revista de Administração Contemporânea. Curitiba, v. 14, n. 6, art. 6, pp. 1094-1112, Nov./Dez. 2010. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rac/v14n6/v14n6a07.pdf. Acesso em 13.05.2017, às 8:49.

GLOBAL ENTERPRENEURSHIP MONITOR (2015). Relatório Executivo de Empreendedorismo no Brasil (2015). Curitiba, Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP).

HAIR, J. F., Anderson, R. E.,Tatham, R. L., & Black, W. C. (2005): Análise ultivariada de dados (5ª ed.). Bookman, Porto Alegre.

HIRATA, H. (2006) Entrevista: Helena Hirata. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/tes/v4n1/13.pdf. Acesso em 13.05.2017, às 4:51.

HIRATA, H. (2015): Mudanças e permanências nas desigualdades de gênero: divisão sexual do trabalho numa perspectiva comparativa. Disponível em Acesso em 05/04/2017, às 6:15.

IBGE. (2012): Pesquisa Mensal de Emprego – PME. Mulher no mercado de trabalho: perguntas e respostas. Disponível em http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pme_nova/Mulher_Mercado_Trabalho_Perg_Resp_2012.pdf. Acesso em 10.10.2016, às 8:25.

INÁCIO JUNIOR, E.; GIMENEZ, F. A. P. (2004): Potencial Empreendedor: um instrumento para mensuração. Revista de Negócios: Blumenau, v. 9, n. 2, p. 107-116, abril/junho 2004.

LIMA, R. C. R; FREITAS, A. A. F. (2010): Personalidade empreendedora, recursos pessoais, ambiente, atividades organizacionais, gênero e desempenho financeiro de empreendedores informais. RAP Revista de Administração Pública: Rio de Janeiro 44(2):511-31, março/abril 2010. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-76122010000200014. Acesso em 13.05.2017, às 18:09.

LIPOVETSKY, Gilles. (2000): A terceira mulher: permanência e revolução do feminino. Companhia das Letras, São Paulo.

MASSAINI, S. A.; BARAKAT, S. R.; GOUVÊA, M. A.; POLO, E. F. (2012): Empreendedorismo e competitividade global: uma análise multivariada de dados. RGO Revista Gestão Organizacional, v. 5, n. 2, julho/dezembro, 2012. Disponível em https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/rgo/article/viewFile/1401/781. Acesso em 12.05.2017, às 5:07.

ORTNER, Sherry B. (2007): Uma atualização da teoria da prática in Conferências e diálogos: saberes e práticas antropológicas. GROSSI, M P; ECKERT, C; FRY, P H (Orgs). Blumenau: Nova Letra, 2007, p.19-44. Disponível em Acesso em 23.04.2017, às 20:17.

SCHUMPETER, Joseph A. (1982): Teoria do Desenvolvimento Econômico. Abril Cultural, São Paulo.

ZAMPIER, Marcia A; TAKAHASHI, Adriana R. W. (2011): Competências empreendedoras e processos de aprendizagem empreendedora: modelo conceitual de pesquisa. CADERNOS EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 9, Edição Especial, artigo 6, Jul. 2011. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1679-39512011000600007&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 15/09/2017, às 4:3




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n10-166

Refbacks

  • There are currently no refbacks.