Avaliação da capacidade funcional de pacientes com doenças cardiorrespiratórias / Functional capacity assessment of patients with cardiorespiratory diseases

Amanda Fidelis Cavalcanti, Valdecir Castor Galindo Filho

Abstract


Cada vez mais comuns, as doenças cardiorrespiratórias representam o principal grupo de causas de morte no Brasil. Sintomas como tosse, secreção, sibilos, infecções respiratórias de repetição e dispneia estão associadas à incapacidade funcional, redução da qualidade de vida e piora do prognóstico neste grupo de pacientes, pois, a dificuldade respiratória tende a ser intensificada e dificulta as realizações das atividades rotineiras, podendo propiciar o surgimento de alterações da função cardíaca impactando na qualidade de vida dos indivíduos. Avaliar a capacidade funcional de pacientes com doenças cardiorrespiratórias internados em uma enfermaria hospitalar do Recife. Trata-se de um estudo de corte transversal, do tipo observacional e quantitativo. O estudo envolveu pacientes com doenças cardiorrespiratórias, idade entre 18 e 80 anos e de ambos os sexos, internados nas enfermarias do Hospital santa casa de Misericórdia, Recife – PE. Os pacientes foram submetidos a um questionário sócioclínico, em seguida foi utilizado o ventilômetro analógico para a avaliação da capacidade vital lenta (CVL), o manovacuômetro para testar a força muscular respiratória, dinamometria para o teste de preensão manual e o teste de caminhada de 6 minutos (TC6M) para avaliar a distância percorrida (DP). Para análsie estatística utilizou-se o Teste de Kolmogorov-Smirnov, o Teste de Mann-Whitney, o Teste de Wilcoxon e o Teste de Spearman, considerando p<0.05. A amostra foi composta por 42 indivíduos, sendo a maioria do sexo feminino (57.15%), com prevalência de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e da Insuficiência Cardíaca (IC). Observou-se uma redução significativa da força dos músculos respiratórios (pressões inspiratórias - 62.11 ± 26.32 cmH2O versus 91.35 cmH2O ± 14.01, p<0.001 e pressões expiratórias - 62.35 ±17.36 cmH2O versus 87.95 ± 19.44 cmH2O, p<0.001), CVL (1853.33 ± 713.83 ml versus 4721.42 ± 756.36 ml, p <0.001) e DP ((286.11 ± 131.08 m versus 513.38 ± 68.52 m, p<0.001) quando comparado os valores obtidos com os valores preditos. Verificou-se aumento da pressão arterial sistólica (PAS), pressão arterial diastólica (PAD), frequência cardíaca (FC) e Índice de Percepção do Esforço (Borg), bem como queda da saturação periférica de oxigênio (SpO2) ao final do TC6m quando comparado aos valores finais com os inicias previamente ao teste. Além disso, também foi observado correlação positiva da DP com a PAD e as medidas de preensão palmar. Pacientes com afecções cardiorrespiratórias apresentam redução significativa da força dos músculos respiratórios e da CVL quando comparado com os valores normais preditos, apesar de não ter sido verificada alterações quanto a força de preensão palmar. Além disso, pode-se observar alterações dos parâmetros de monitorização durante o TC6m, refletido possivelmente modificações no componente hemodinâmico e nas trocas gasosas mediante o esforço requerido durante o teste.


Keywords


Doenças Cardiovasculares, Doenças pneumáticas, Capacidade Funcional.

References


ARAUJO, C. O. et al. Diferentes padronizações do teste de caminhada de seis minutos como método para mensuração da capacidade de exercício de idosos com e sem cardiopatia clinicamente evidente. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 86, n. 3, p.198-205, 2006.

ATS COMMITTEE ON PROFICIENCY STANDARDS FOR CLINICAL PULMONARY FUNCTION LABORATORIES et al. Statement AT: guidelines for the six-minute walking-test. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, v. 166, p. 111-117, 2002.

BASTOS KKRT, OLIVEIRA RCA, LIMA WAM, BADARÓ RR, COSTA KIDB, COUTO PLS. Correlação entre capacidade functional pulmonar em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica. Journal of Health & Biological Sciences, v. 6, n. 4, p.371-376, 2018.

BERAN, D. et al. Forum of International Respiratory Societies working group. Burden of asthma and chronic obstructive pulmonary disease and access to essential medicines in low-income and middle-income countries. Lancet Respiratory Medicine, v. 3, n. 2, p.159–170, 2015.

BLACK, L. F.; HYATT, R. E. Maximal respiratory pressures: normal values and relationship to age and sex. American Review of Respiratory Disease, v. 99, n. 5, p. 696-702, 1969.

BORGES, J.B.C. et al. Pressões e volumes pulmonares em idosos institucionalizados. Revista Brasileira de Medicina, v. 15, n 7, p.7-32, 2009.

BRANDÃO, A.P. et al. Epidemiologia da hipertensão arterial. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, v.13, n.1, p.7-19, 2003.

BRANDSMA, C. A. et al. Lung ageing and COPD: is there a role for ageing in abnormal tissue repair? European Respiratory Review, v. 6, n. 6, p.146, 2017.

BURNETTO, A. F.; PAULIN, E.; YAMAGUTI, W. P. S. Comparação entre a escala de Borg modificada e a escala de Borg modificada análogo-visual aplicadas em pacientes com dispnéia. Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 6, n. 1, p.41-45, 2002.

CARVALHOA, E. et al. Insuficiência Cardíaca: Comparação Entre o Teste de Caminhada de Seis Minutos e o Teste Cardiopulmonar. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 97, n. 1, p. 59-64, 2010.

CASAS, H. A. et al. COPD underdiagnosis and misdiagnosis in high-risk primary care population in four latin American countries. A key to enhance diagnosis: The PUMA Study. PLoS One, v.13, n. 11, e015266, 2016.

DIAS JA, OVANDRO AC, KULKAML W, JUNIOR NGB. Força de preensão palmar: métodos de avaliação e fatores que influenciam a medida. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 12, n. 3, p.209-216, 2010.

EISNER, M. D. et al. An official American Thoracic Society public statement: novel risk factors and the global burden of chronic obstructive pulmonary disease. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, v. 182, n. 5, p.693-718, 2010.

ESCÓSSIO AL, ARAÚJO RC, OLIVER N, COSTA EC, RIZZO JA, SARINHO ESC, et al. Acurácia do teste de contagem em uma única respiração para determiner a capacidade vital lenta em pacientes hospitalizados. Revista CEFAC, v. 21, n. 2, p.e2119, 2019.

FERNANDES, A. A. et al. Validade preditiva de equações para força de preensão manual em homens brasileiros de meia idade e idosos. Revista Fisioterapia e Pesquisa, v. 19, n. 4, p.351-356, 2012.

GBD 2015 Mortality and Causes of Death Collaborators. Global, regional, and national life expectancy, all-cause mortality, and cause-specific mortality for 49 causes of death, 1980-015: a systematic analysis for the Global Burden of disease study. The Lancet, v. 338, n. 8, p.1459-1544, 2016.

GRIFFITH, K. A. et al. Predictors of loss of lung function in the elderly. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, v. 163, n. 1, p.61-68, 2001.

GUEDES, R. F. MELO, T. E.; LIMA, A. P.; GUIMARÃES, A. L. A.; MOREIRA, N. B. B.; GARCIA, P. G. Análise do perfil lipídico e dos fatores de risco associados as doenças cardiovasculares em acadêmicos da área de saúde. HU Revista, v. 42, n. 2, p. 159-164, 2016.

GUSMÃO, M. F. S. et al. Mensuração das pressões respiratórias máximas em idosos participantes de grupos de convivência. InterScientia, v. 3, n. , p.133-141, 2015.

HAMET, P. The burden of blood pressure: where are we and where should we go? Canadian Journal of Cardiology, v. 16, n.12, p.1483–1487, 2000.

JUNIOR, F. F. J.; PAISANI, D. M.; FRAN, J. Pressões respiratórias máximas e capacidade vital: comparação entre avaliações através de bocal e de máscara facial. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 30, n. 6, p. 515-520, 2004.

JUNIOR LAF, RUBLESKI A, GARCIA D, TIEPPO J, VERCELINO R, DAL BOSCO A, et al. Avaliação da força muscular respiratória e da função pulmonar em pacientes com insuficiência cardíaca. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 89, n. 1, p.36-41, 2007.

LANGER, D. et al. Guia para prática clínica: fisioterapia em pacientes com Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 13, n. 3, p.183-04, 2009.

LESSA, I. Epidemiologia da hipertensão arterial sistêmica e da insuficiência cardíaca no Brasil. Revista brasileira de hipertensao, v. 8, n.4, p.383-392, 2001.

MANGUEIRA NM, VIEGA IL, MANGUEIRA MAMM, PINHEIRO NA, COSTA MRSR. Correlação entre parâmetros clínicos e qualidade de vida relacionada à saúde em mulheres com CDPOC. J Bras Pneumol, v. 35, n. 3, p.248-255, 2009.

MANSUR, A. P.; FAVARATO, D. Mortality due to cardiovascular diseases in Brazil and in the metropolitan region of São Paulo: a 2011 update. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 99, n. 2, p. 755-61, 2012.

MARINO DM, MARRARA KT, DI LORENZO VAP, JAMAMI M. Teste de caminhada de seis minutos na doença pulmonar obstrutiva crônica com diferentes graus de obstrução. Rev Bras Med Esporte, v. 13, n. 2, p.103-106, 2007.

McGEACHIE, M. J. et al. Patterns of growth and decline in lung function in persistent childhood asthma. New England Journal of Medicine, v. 374, n. 19, p.1842–1852, 2016.

MENDES J, AMARAL TF, BORGES N, SANTOS A, PADRÃO P, MOREIRA P Handgrip strength values of Portuguese older adults: a population based study. BMC Geriatrics, v. 17, n. 1, p.191, 2017.

MOREIRA, D.; GODOY, J. R. P.; JUNIOR, W. S. Estudo sobre a realização da preensão palmar com a utilização do dinamômetro: considerações anatómicas e cinesiológicas. Fisioterapia Brasil., v.2, n.5, p.295-300, 2011.

NEDER, J. A. Et al. Reference values for lung function tests. II Maximal respiratory pressures and voluntary ventilation. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, v. 32, n. 6, p.719-727, 1999.

NOGUEIRA VDB, NOGUEIRA PAMS, VIEIRA RHG, SOUZA RJS, COUTINHO AE, FERREIRA GMH. Capacidade funcional, força muscular e qualidade de vida na insuficiência cardíaca. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 23, n. 3, p.184-188, 2017.

PEARCE, N. et al. Worldwide trends in the prevalence of asthma symptoms: phase III of the International Study of Asthma and Allergies in Childhood (ISAAC). Thorax, v. 62, n. 9, p.758-766, 2007.

REIS JS, DANTAS MS, SILVA CB, VALVERDE L, LANDEIRO RBR. Caracterização da força muscular respiratória e da capacidade functional de pacientes internados em uma enfermaria. Fisioterapia & Saúde Funcional, v. 1, n. 2, p.3-9, 2012.

SOARES, V. et al. Correlação entre força muscular e capacidade funcional em hipertensos. Revista Pesquisa em Fisioterapia, v. 6, n. 1, 2016.

RICIATI N, SETIATI S, LAKSMI PW, ABDULLAH M. Factors related with handgrip strength in elderly patients. Acta Medica Indonesiana, v. 49, n. 3, p.215-219, 2017.

RUAS G, COUTO VF, SOUSA PM, GONÇALVES OD, JAMAMI KL, JAMAMI M. Avaliação respiratória, capacidade functional e comorbidades em indivíduos com hipertensão arterial. Saúde Coletiva, v. 10, n. 59, p.31-36, 2013.

SMITH, M. C.; WROBEL, J. P. Epidemiology and clinical impacto f major comorbidities in patients with COPD. International Journal of Chronic Obstructive Pulmonary Disease, v. 27, n. 9, p.871-888, 2014.

TREVISAN, M. E.; PORTO, A. S.; PINHEIRO, T. Influência do treinamento da musculatura respiratória e de membros inferiores no desempenho funcional de indivíduos com DPOC. Fisioterapia e Pesquisa, v. 17, n. 3, p. 209-213, 2010.

YAMAJI S, DEMURA S, NAGASAWA Y, MAKADA M. The influence of diferente target values and measurement times on the decreasing force during sustaines static gripping work. Journal of physiological anthropology and applied human science, v. 25, n. 1, p.23-28, 2006.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n10-172

Refbacks

  • There are currently no refbacks.