Riscos associados à automedicação de anti-inflamatórios não esteroides em pacientes pediátricos: uma revisão sistemática / Risks associated with self-medication of non-steroidal anti-inflammatory drugs in pediatric patients: a systematic review

Lenice Renz, Andréia Ferreira da Silva, Uziel Ferreira Suwa

Abstract


A automedicação pode ser considerada a utilização de fármacos com a finalidade de promover a saúde e os efeitos imediatos para atender uma situação que não exista maior complexidade voltada para o tratamento de sintomas adversos. O objetivo desse estudo foi apresentar os riscos oferecidos pela automedicação de anti-inflamatórios em pacientes pediátricos. O estudo trata-se de uma revisão sistemática da literatura, com o modelo de análise para o estudo será baseado na metodologia de Prática Baseada em Evidências (PBE) com a utilização da Preferred Reporting Items for Systematic (Prisma) para a obtenção do (checklist) e realização de meta-análise dos estudos coletados, cujo método do estudo foi realizado a partir da metodologia Prisma com critérios de inclusão e exclusão pré-definidos e a utilização das estratégias de busca. Os resultados do estudo foram apresentados conforme a aplicabilidade do método de pesquisa com a utilização dos critérios de inclusão e exclusão para a revisão sistemática, tendo como quantitativo de análise um total de 11 publicações. Concluiu-se que o presente estudo, por meio da revisão sistemática, apresentou uma miscelânea de pesquisas que desenvolveram análises clínicas sobre a automedicação de AINEs em pacientes pediátricos, demonstrando que o uso irracional na administração e consumo dessa categoria de medicamento pode afetar a saúde do paciente pediátrico, onde se torna necessário a Atenção Farmacêutica e o acompanhamento médico especializado são fundamentais para a eficácia de um determinado tratamento.


Keywords


Automedicação; Anti-inflamatórios não esteroides; Pacientes pediátricos.

References


ARDOIN, S. P.; SUNDY, J. S. Update on anti-inflammatory drugs. Curr Opin Rheumatol, v. 18, 2006, p. 221-226.

ARRAIS, Paulo Sérgio Dourado. Prevalência da automedicação no Brasil e fatores associados. Rev Saúde Pública, v.2, n.50, 2016.

BELO, Nídia; MAIO, Patrícia; GOMES, Susana. Automedicação em idade pediátrica, Nascer e Crescer, v.34, n.4, 2017, p. 234-239.

BARTIKOSKI, B. J. et al. Automedicação: riscos e consequências. Riscos e consequências. 2018. UFRJ. Disponível em: https://www.ufrgs.br/farmacologica/wp-content/uploads/2018/06/antibiotics-750x393.jpg. Acesso em: 28 ago. 2021

BRASIL. Ministério da Saúde. Cuidado Farmacêutico na Atenção: caderno 1. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2014.

BRUNTON, L. et al. Goodman and Gilman´s: Manual of Pharmacology

and Therapeutics. McGraw-Hill Medical, 2008.

CIPOLLE, R. J.; STRAND, L. M.; MORLEY, P. C. Pharmaceutical Care Practice: the patient centered approach to medication management. 3 ed. New York: McGraw-Hill, 2012.

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Programa de suporte ao cuidado farmacêutico na atenção à saúde. Brasília, DF: Profar, 2016.

CUNHA, Fernanda Sales da et al. Tolerância ao paracetamol em crianças com hipersensibilidade não seletiva aos anti-inflamatórios não esteroidais, Arq Asma Alerg Imunol., v. 3, n.2, 2019, p. 163-167

DALE, M. M. Farmacologia Condensada. 2. ed. Elsevier, 2010.

DOMINGUES, P. H. F. et al. Prevalência e fatores associados à automedicação em adultos no Distrito Federal: estudo transversal de base populacional. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 26, n. 2, p. 319-330, 2017.

FÉLIX, Mara Morelo Rocha et al. Hipersensibilidade a anti-inflamatórios não esteroidais em crianças: relato de dois casos e revisão das novas classificações, Arq Asma Alerg Imunol., v.1, n.4, 2017, p. 410-416.

FERREIRA, T.E.; FILHO, S.B.; BORGATTO, A.F.; LOPES, L.C. Analgésicos, antipiréticos e anti-inflamatórios não esteróides em prescrições pediátricas. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 2013.

FERREIRA, T.R; LOPES, L.C. Analysis of analgesic, antipyretic, and nonsteroidal anti-inflammatory drug use in pediatric prescriptions. Revista JPediatr, Rio de Janeiro, 2016.

FERREIRA, Tânia Regina et al. Analgésicos, antipiréticos e anti-inflamatórios não esteroides em prescrições pediátricas, Ciênc. saúde coletiva, v.18, n.12, Rio de Janeiro, 2013.

FIGUEIREDO, Washington Luís Melo; ALVES, Túlio César Azevedo. Uso dos anti-inflamatórios não esteroides no controle da dor aguda: revisão sistemática, Rev Neurocienc, v.22, n. 1, 2014, p. 75-79.

FONTELES, Marta M. de França et al. Reações adversas causadas por fármacos que atuam no sistema nervoso: análise de registros de um centro de farmacovigilância do Brasil, Rev Psiq Clín., v.36, n.4, p.137-44, 2009.

GOODMAN, A. As Bases Farmacológicas da Terapêutica. 11. ed. Rio de

Janeiro: McGraw-Hill, 2006.

GOMES, T.C.F.. et al. Prevalência de automedicamentação envolvendo anti-inflamatórios em pacientes de pronto atendimento com diagnóstico prévio de hemorragia digestiva. Revista Braz J.Hea. Curitiba, v.2, n.4, jul/aug, 2019.

GOULART, I.C. et al. Automedicamentação em menores de cinco anos em municípios do Pará e Piauí: prevalência e fatores associados. Revista Brasileira de Saúde Materna Infantil. 2012.

HANG, H. P. et al. Pharmacology. 6. ed. Churchill Livingstone, 2007

KATSUNG, B. Farmacologia Básica e Clínica. 10. ed. Rio de Janeiro: Mc-

graw-hill interamericana, 2010

LIMA, G.B.; NUNES, L.C.C.; BARROS, J.A.C. Uso de medicamentos armazenados em domicílio em uma população atendida pelo programa saúde da família. Ciência Saúde Coletiva. Jan, 2010.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Nota Técnica N° 102/2012. 2014. Disponível em: http://www.saude.gov.br/images/pdf/2016/janeiro/07/naproxeno--atualizada-em-23-11-2015-.pdf. Acesso em: 22 jun. 2020.

OLIVEIRA, D. RAMALHO DE. Atenção Farmacêutica: da filosofia ao gerenciamento da terapia medicamentosa. São Paulo: RCN, 2011, 327 p.

PEREIRA, Gracian Li; DAGOSTINI, Josiane Magda Camarotto; PEREIRA, Gracian Li. Alternating antipyretics in the treatment of fever in children: a systematic review of randomized clinical trials, J Pediatr (Rio J). v. 88, n.4, 2012, p. 289-96

PROLUNGATTI, Camila Nogueira et al. O uso de fármacos analgésicos e anti-inflamatórios prévio ao atendimento em pronto socorro infantil, Rev. Dor, v.15, n.2, São Paulo, Apr./June 2014.

REZENDE, J. M. Linguagem médica. 3.ed. Goiânia: AB, 2004.

SILVA, L. I. M. M. et al. O cuidado farmacêutico em pediatria. Rev. Saúde Criança e Adolesc., v.3, n.1, p. 66-69, jan./jun. 2011.

SILVA, Jéssica Gama da et al. A prática da automedicação em crianças por seus pais: atuação da enfermagem, Rev enferm UFPE on line., Recife, v. 12, n.6, 2018, p. 1570-1577.

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES TÓXICO-FARMACOLÓGICAS. Dados de intoxicação no Brasil. 2019. Disponível em: https://sinitox.icict.fiocruz.br/dados-nacionais. Acesso em: 23 srt. 2020.

SYLVESTER, J. Anti-inflamatórios não-esteroidais, Atow 405, 2019. [Tutorial online]. Disponível em: https://www.sbahq.org/resources/pdf/atotw/405.pdf. Acesso em: 24 jun. 2020.

TELES FILHO, P. C.P.; PEREIRA JUNIOR, A.C. Automedicação em crianças de zero a cinco anos: Fármacos Administrados, conhecimento, motivos e justificativas. Esc. Anna Nery. Abr-jun, 2013.

URBANO, Ayra Zaine Rodrigues et al. automedicação infantil: o uso indiscriminado de medicamentos nas cidades de Santos e São Vicente, Revista Ceciliana, v.2, n.2, 2010, p.6-8.

QUEIROZ, Thallita Pereira et al. Dipirona versus paracetamol no controle da dor pós-operatória, Rev Odontol UNESP, Mar-Apr, 2013, p. 78-82




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n10-196

Refbacks

  • There are currently no refbacks.