Panorama do transtorno de estresse pós-traumático em pacientes na uti / Overview of post-traumatic stress disorder in icu patients

Rafaela Martins Lira, Beatriz de Almeida Bastos, Maria Beatrice Ribeiro de Albuquerque Gomes, Maria Lavínia Brandão Santiago, Ana Carolina Gracindo Brito, Laércio Pol-Fachin, Audenis de Lima Aguiar Peixoto

Abstract


Introdução: O transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) é caracterizado por um conjunto de reações associadas a uma memória do evento traumático. Ser admitido em uma UTI pode gerar experiências emocionais estressantes e traumáticas, por ser algo inesperado e pela vivência de ameaça de morte. Objetivo: Caracterizar o TEPT derivado de internação em UTI, mostrando que a doença é realmente prevalente, associando à possíveis causas e fatores de risco, e se confirmada, o que fazer para mudar este quadro. Método: Realizou-se uma revisão de literatura integrativa nas bases de dados digitais do LILACS, Medline e o SciELO. Os termos escolhidos foram: "posttraumatic stress disorder" e "intensive care" juntamente com o operador booleano "AND". Assim, foram selecionados 17 artigos que se enquadraram nos critérios de inclusão estabelecidos e apresentaram uma temática pertinente. Resultados: Dos estudos analisados, os índices de prevalência foram bastante variáveis. Ao analisar a amostra de todas as pesquisas e separar a quantidade de pacientes que estiveram internados em UTI por pelo menos 2 dias e que teriam preenchidos os critérios propostos na metodologia, os estudos apontam que 23,13% dos pacientes apresentaram sintomas e um possível diagnóstico de TEPT. Alguns fatores presentes nos estudos estiveram associados à maior incidência de TEPT na população estudada, incluindo pacientes com idade avançada, sexo feminino, solteiros, desempregados e com a presença comorbidades. Além disso, o tempo de internação maior que sete dias, tempo de ventilação mecânica maior que dois dias, uso de opioides para sedação, agitação psicológica na UTI, interrupção do uso de benzodiazepínicos durante a hospitalização, choque séptico e hipóxia também foram citados. Conclusão: Mesmo com um índice elevado de prevalência na população, o TEPT, em geral, ainda se encontra subdiagnosticado e banalizado pelas equipes de saúde. Quando se fala em TEPT e UTI é que se pode perceber essa negligência e falta de informação, pois não há muitas pesquisas nem algum tipo de guia ou protocolo que forneçam informações aos profissionais de saúde.


Keywords


Psiquiatria, Serviços Médicos de Emergência, Transtornos de Estresse Pós-Traumáticos.

References


AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual de Diagnóstico e Estatística de Distúrbios Mentais DSM III-R. São Paulo: Manole, 1989.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. DSM-IV-TR: Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais. 4ª Ed. Lisboa: Climepsi Editores, 2002.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Diagnostic and statistical manual of mental disorders. 5ª ed. Washington, DC, 2013.

CAIUBY, A.; ANDREOLI, P.; ANDREOLI, S. Transtorno de estresse pós-traumático em pacientes de unidade de terapia intensiva. Rev. bras. ter. intensiva, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 77-84, Mar. 2010.

CAPUZZO, M. S., et al. Patients with PTSD after intensive care Avoid hospital contact at 2- year follow-up. Acta Anaesthesiologica Scandinavica, 52,313-314, 2008.

COLVILLE, G.; KERRY, S.; PIERCE, C. Children's factual and delusional memories of intensive care. Am. J. Respir. Crit. Care Med., 2008;177(9).

COSTA, J.; MARCON, S.; ROSSI, R. Transtorno de estresse pós-traumático e a presença de recordações referentes à unidade de terapia intensiva. J. bras. psiquiatr., Rio de Janeiro , v. 61, n. 1, p. 13-19, 2012 .

ELY, E. et al. Apolipoprotein E4 polymorphism as a genetic predisposition to delirium in critically ill patients. Crit Care Med. V. 35, p.112–117, 2007.

FIGUEIRA, I.; MENDLOWICZ, M. Diagnóstico do transtorno de estresse pós-traumático. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 25, supl. 1, p. 12-16, 2003.

FURUKAWA, F. et al. Transtornos de estresse pós-traumático após sepse grave ou choque séptico. Revista de Medicina, v. 93, n. 1, p. 26-30, 2014.

GRAEFF, F. G. Bases biológicas do transtorno de estresse pós-traumático. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 25, supl. 1, p. 21-24, junho de 2003.

GRIFFITHS, J., et al.The prevalence of posttraumatic stress disorder in survivors of ICU treatment: A Systematic Review. Intensive Care Medicin. v. 33, p. 1506-1518, 2007.

LOFTUS, E. Make-believe memory. American Psychologist. v. 58, p. 864-873, 2003.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política nacional de redução de morbimortalidade por acidentes e violência. Rev Saúde Pública. V. 34, p. 427-30, 2002.

NICKEL, M. et al. The occurrence of posttraumatic stress disorder in patients following intensive care treatment: a cross-sectional study in a random sample. J Intensive Care Med. V. 19(5), p. 285-90, 2004.

RICHTER, J. C.; WAYDHAS, C.; PAJONK, F. G. Incidence of posttraumatic stress disorder after prolonged surgical intensive care unit treat¬ment. Psychosomatics. V. 47(3), p. 223-30, 2006.

ROVATTI, K. B.; TEODORO, M.; CASTRO, E. K. Memories and prevalence of posttraumatic stress disorder in intensive care units. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 25, n. 3, p. 499-505, 2012.

SADAT, Z.; ABDI, M.; AGHAJANI, M. Prevalence of Posttraumatic Stress Disorder and Related Factors Among Patients Discharged From Critical Care Units in Kashan, Iran. Arch Trauma Res. V. 4(4):e28466, 2015.

SVENNINGSEN, H. Associations between sedation, delirium and post-traumatic stress disorder and their impact on quality of life and memories following discharge from an intensive care unit. Dan Med J. v. 60(4):B4630, 2013.

YEHUDA, R. Post-traumatic stress disorder. N Engl J Med. V. 346, p. 108-14, 2002.

WALLEN, K. et al. Symptoms of acute posttraumatic stress disorder after intensive care. Am J Crit Care. V.17(6), p. 534–43, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n10-292

Refbacks

  • There are currently no refbacks.