Monitoramento da dinâmica de erosão e remobilização de blocos rochsos em áreas com cicatrizes de corridas de detritos: bacia do rio Tingidor, Morretes PR – Brasil / Monitoring and analysis of the erosion process dynamics and of rock blocks in debris - scarred areas: the case of tingidor river basin, Morretes PR - Brazil

Alessandro Martins, Everton Passos

Abstract


A presente pesquisa constitui-se em um monitoramento de processos erosivos e de remobilização de grandes blocos rochosos, realizados nas cicatrizes da corrida de detritos da bacia hidrográfica do rio Tingidor, localizado no Distrito de Floresta, município de Morretes no Estado do Paraná – Brasil. Utilizou-se o método de monitoramento por estacas, muito usado para medir avanços de voçorocas, que consiste em fixar pinos de metal neste caso na cicatriz da corrida de detritos. No monitoramento de mobilizações de blocos rochosos foi utilizado o método relativo estático com equipamentos GNSS para obter coordenadas UTM no mesmo ponto fixado no bloco rochoso, possibilitando analisar eventuais deslocamentos planimétricos da rocha. O monitoramento possibilitou registrar que há significativa instabilidade de materiais inconsolidados e movimentos dos blocos rochosos, porém, devem apresentar resultados mais precisos a médio e longo prazo, entretanto os resultados alcançados possibilitaram evidenciar remobilização dos materiais em todas as cicatrizes monitoradas, com média de 14,35 cm de exposição na base dos pinos de monitoramento. Apresenta-se considerações conclusivas a respeito da eficiência dos procedimentos na análise da evolução do relevo, especialmente da dinâmica morfológica das encostas marginais ao talvegue do leito fluvial.  

 

 


Keywords


Movimentos de massa, Processos erosivos, Dinâmica de cicatrizes de erosão.

References


ANDRADE, L. B.; ROCHA, G. C.; 2014. Uso de pinos de erosão para monitoramento em área de alto risco geológico em Juiz de Fora, MG. Revista Geonorte, Edição Especial 4, V.10, N.1, p.700-705, (ISSN 2237-1419). Disponível: https://www.periodicos.ufam.edu.br/index.php/revista-geonorte/article/view/1791. Acesso em 20 de janeiro 2017.

AUGUSTO FILHO, O., 1995. Escorregamentos em encostas naturais e ocupadas: análise e controle. In: BITAR, O.Y. (Coord.). Curso de geologia aplicada ao meio ambiente. São Paulo: Associação Brasileira de Geologia de Engenharia (ABGE) e Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), cap. 3.4, p.77-100.

BIGARELLA, J. J.; KLEIN, R. M.; LANGE, R. B.; LOYOLA E SILVA, J.; LARACH, J. O.I.; RAUEN, M. J. A., 1978. Serra do Mar e a porção oriental do estado do Paraná: um problema de segurança ambiental e nacional. Secretaria de Estado do Planejamento – ADEA (Associação de Defesa e Educação Ambiental). Curitiba: Bigarella, J. J.; Becker, R. D.; Matos, D. J.; Werner, A. (eds.), p. 248.

BIGARELLA, J. J.; PASSOS, E.; HERRMANN, M. L. P.; SANTOS, G. F.; MENDONÇA, M.; SALAMUNI, E.; SUGUIO, K., 2003. Estrutura e origem das paisagens tropicais e subtropicais. 2ª Edição. Florianópolis: UFSC, v. 3, 883-1436.

BONALDI, R. A., 2009. Florística de um trecho de Floresta Ombrófila Densa Submontana do Parque Nacional Saint/Hilaire - Lange, Paranaguá, Paraná, Brasil. Anais do IX Congresso de Ecologia do Brasil, 13 a 17 de setembro de 2009, São Lourenço MG; Disponível: http://www.seb-ecologia.org.br/revistas/indexar/anais/2009/resumos_ixceb/1329.pdf. Acesso em: 30/03/2017.

CHARLTON, R., 2008. Fundamentals of fluvial geomorphology. Roltledge, p. 234.

CHAVES Fabiana Leão; GERSCOVICH Denise Maria Soares; SALES Luciano Salviano de. Correlação Chuva versus Escorregamento - Comunidade Formiga / Rio de Janeiro. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.6, p. 63901-63911 jun. 2021. ISSN 2525-8761.

CHRISTOFOLETTI, A., 1981. Geomorfologia fluvial. São Paulo: Edgard Blucher. Vol. 1. p. 313.

CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T., 1980. Geomorfologia: exercícios, técnicas, aplicações. Organizações - ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil p. 157 - 190.

DE PLOEY, J. & GABRIELS, D., 1980. Measuring Soil Loss and Experimental Studies. In: Soil Erosion. Orgs M.J. Kyrkby e R.P.C Morgan. John Wiley & Sons, 63 – 108.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA. 2013. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3.ed. Brasília, p. 353.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA., 2011. Manual de métodos de análise de solos. 2 ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, p. 230.

FERNANDES N. F.; AMARAL, C. P. Movimentos de massa: uma abordagem geológico geomorfológica. In: Guerra, A. J. T.; Cunha, S. B., 1996. (Ed.) Geomorfologia e meio ambiente. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. Cap. 3, p. 123-194.

GEMAEL, C; ANDRADE J. B., 2004. Geodesia Celeste. Editora UFPR. 1ª ed., p. 389.

GUERRA, A. J. T. Processos Erosivos nas Encostas, in CUNHA, S. B., & GUERRA, A.J.T.,1996 ,(Orgs.) Geomorfologia: exercícios, técnicas e aplicações; Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, p. 140 – 155.

GUERRA A. J. T.; CUNHA S. B., 2001. (orgs): Geomorfologia – Uma Atualização de Bases e Conceitos. (2ª ed.) Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

GUERRA, A. J. T. Processos Erosivos nas Encostas. 2007. (Cap. 4). In: Guerra, A. J. T. & Cunha, S.B. (orgs.) Geomorfologia – Uma atualização de bases e conceitos. Betrand Brasil: Rio de Janeiro.

GUERRA, A.J.T., 2005 Experimentos e monitoramentos em erosão dos solos. Revista do Departamento de Geografia, n. 16, p. 32-37.

GUERRA, A. J. T., 2016. Erosão dos Solos e Movimentos de Massa – abordagens Geográficas. Editora CRV, Curitiba, Paraná.

GUERRA, A. T.; GUERRA, A.J.T., 1997. Novo dicionário geológico?geomorfológico – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p.652.

GUERRA, ANTÔNIO JOSÉ TEIXEIRA. 1999. O Início do Processo Erosivo. In: Erosão e Conservação dos Solos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. p. 17- 55.

INFANTI JUNIOR, N. & FORNASARI FILHO, N., 1998. Processos de Dinâmica Superficial. In: Oliveira, A.M.S. & Brito, S.N.A. (Eds.). Geologia de Engenharia. São Paulo: Associação Brasileira de Geologia de Engenharia (ABGE), cap. 9, p.131-152

IBGE. RESOLUÇÃO PR. N°22, DE 21 DE JULHO DE1983. Dispõe sobre as Especificações e Normas para Levantamento Geodésicos em Território Brasileiro. Boletim de Serviço 1602 (Suplemento). Rio de Janeiro. P. 11.

IBGE. Padronização de Marcos Geodésicos. DCG – Diretoria de Geociências CGED – Coordenação de Geodésia. 2008. Disponível: file:///C:/Users/55419/Downloads/padronizacao_marcos_geodesicos.pdf. Acesso em: 20 julho de 2015.

IMESON, A; CURFS, M., 2006. Erosão do solo. Lucinda, Land Care in Desertification Affected Areas, From Science Towards Application, série do fascículo B, nº1.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE (2008) - Recomendações para Levantamentos Relativos Estáticos - GPS. Disponível online no endereço url: ftp://geoftp.ibge.gov.br/documentos/geodesia/pdf/recom_gps_internet.pdf. acesso em 04/05/2017).

LEICK, A., 2004. GPS satellite surveying. 3rd. ed.: New York: John Wiley & Sons, p. 435.

LOUREIRO, H.A.S.; GUERRA, A.J.T., 2012. Monitoramento de voçorocas: adaptações metodológicas no uso de estacas e pinos de erosão. Anais do IX Simpósio Nacional de Geomorfologia – SINAGEO, Rio de Janeiro, 6p.

LIMA, L. D. M., 2008. Suscetibilidade à Erosão dos Solos nas Sub-bacias dos médio e alto cursos da Bacia do Rio Macaé / RJ. Instituto de Geociências – UFRJ. M.S.c., Programa de Pós Graduação em Geografia. Dissertação de Mestrado – Universidade Federal do Rio de Janeiro / PPGG. p. 127.

KRUEGER, C.P., 2006. Posicionamento por Satélites. Apostila do curso de especialização em geotecnologias, Universidade Federal do Paraná.

KOZCIAK, S., 2005. Análise da estabilidade de vertentes na bacia do rio Marumbi- Serra do Mar - Paraná. 141p. Tese (Doutorado em Geologia) – Departamento de Geologia, Setor de Ciências da Terra, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

MAACK, R., 1981. Geografia Física do Estado do Paraná. 2ª. Edição, Curitiba, Liv. José Olympio Edit.

MARTINS, A.; FERREIRA, M. B. P.; PONTONI, D. R.; BATISTA, A. H.; PASSOS, E. 2012; Descrição da compartimentação de processos de movimentos de massa na Serra da Prata em Morretes – PR. In: IX SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMORFOLOGIA. Rio de Janeiro (RJ). Anais do IX SINAGEO. Disponível em Acesso em: 20 jan. 2016.

MATHIAS, D. T. ET.AL., 2010. Avaliação de técnicas de monitoramento de processos erosivos acelerados em área Peri-urbana – São Paulo - VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra. Disponível em: http:// http://www.uc.pt/fluc/cegot/VISLAGF/actas/tema3/dener.pdf. Acesso em: 15/04/2017.

Mineropar. Minerais do Paraná S. A., 2001. Atlas comentado da geologia e dos recursos minerais do Estado do Paraná. Curitiba: MINEROPAR, 2001.

Mineropar. Minerais do Paraná S. A., 2005. Mapa Litoestratigráfico do Estado do Paraná, Folha de Curitiba (SG.22-X-D). Escala 1:250.000.

MONICO, J. F. G., 2001. Posicionamento pelo Navstar-GPS: Descrição, Fundamentos e Aplicações”. 1ed. São Paulo: Unesp. p. 287.

MONICO, J. F. G., 2000. Posicionamento por ponto de alta precisão utilizando o GPS: uma solução para a geodinâmica. Revista Brasileira de Geofísica, v 18, n°1, p. 39 - 48. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbg/v18n1/5879.pdf. Acesso em: 20/01/2017.

NIMER, E., 1990. Clima. In: IBGE. Geografia do Brasil: região Sul. v. 2. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. p. 152-187.

PINTO, R. C., PASSOS, E., CANEPARO, S. C., 2012. Classificação dos movimentos de massa ocorridos em março de 2011 na Serra da Prata, estado do Paraná. Geoingá: Revista do Programa de Pós-Graduação em Geografia, Maringá, v.4, p.3. Disponível: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/Geoinga/article/view/49152/751375140347 . Acesso em 05 de mar. de 2016.

PINTO, R.; PASSOS, E.; CANEPARO, S., 2015. Mapeamento de suscetibilidade aos movimentos de massa com uso da Avaliação Multicritério pelo método da Média Ponderada Ordenada / Mapping of susceptibility to mass movements using the - DOI 10.5752/P.2318-2962.2015v25n43p116.

Caderno de Geografia, [s. l.], v. 25, n. 43, p. 116–143. Disponível: file:///C:/Users/55419/Downloads/8276Texto%20do%20artigo-32730-1-10-20150213%20(2).pdf Acesso em 25 de out. de 2016.

RAMOS, Y. S; ET AL., 2012. Degradação física das áreas de entorno do reservatório da usina hidrelétrica Luiz Gonzaga/ PE Brasil. Revista Verde (Mossoró – RN), (edição Especial). v. 7, n. 5, p. 132-139.

SILVEIRA, C.T. DA, A.P. FIORI, A.M. FERREIRA, J.R. DE GÓIS, G. DE MIO, R.M.P.

SILVEIRA, N.E.B. Massulini & T.M.H. Leonardi. 2013. Emprego de atributos topográficos no mapeamento da susceptibilidade a processos geoambientais na bacia do rio Jacareí, Paraná. Soc. & Nat. (Uberlândia) 25: 623-639. Online: http://www.scielo.br/pdf/sn/v25n3/v25n3a14.pdf. Acesso em: 15/04/2017

Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Paraná – SEMA, 2002. Mapeamento da Floresta Atlântica do Estado do Paraná. Relatório técnico, Curitiba, 93 p.

WOLMAN, M.G., 1956. Factors influencing erosion of a cohesive river bank. American Journal of Science, 257; p. 204-216.

VANHONI, F.; MENDONÇA, F., 2008. O clima do litoral do estado do Paraná. Revista Brasileira de Climatologia, v. 3/4, p. 49 - 63.

VIEIRA, B. C., 2007. Previsão de escorregamentos translacionais rasos na Serra do Mar, (SP), a partir de modelos matemáticos em bases físicas. 193 p. Tese (Doutorado em Geogra?a) – Departamento de Geogra? a, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.

HUNGR, O. LEROUEIL S, PICARELLI L., 2014. The Varnes classification of landslide types, anupdate. Landslides 11:167–194.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n10-314

Refbacks

  • There are currently no refbacks.