Representações sociais dos jovens sobre o jornal daqui/ Social representations of young people about daqui journal

Gardene Leao de Castro

Abstract


 Nessa pesquisa, utilizando como referencial teórico as Representações Sociais, buscou-se compreender como jovens de diferentes classes sociais (alta, média e baixa), moradores de Goiânia, recebem, compreendem e (res)significam as representações midiáticas envolvendo a temática da criminalidade, violência e juventude, analisando especificamente as matérias publicadas no Jornal Daqui. Os jovens dos três extratos (Colégio Medicina, Colégio Fractal e Região Noroeste) afirmaram que periódico é sensacionalista, violento, com notícias superficiais, subestimando a capacidade de intepretação de seu público leitor. É possível perceber que os jovens possuem uma visão muito crítica sobre a cobertura midiática sobre juventude, violência e criminalidade. Apesar de vivenciar a violência de formas distintas em suas comunidades, eles são unânimes em afirmar que a mídia não é imparcial ou neutra ao retratar o seu cotidiano. Eles não se vêm como perigosos e bandidos, e não se reconhecem como sujeitos criminais.


Keywords


Mídia. Violência. Juventude. Representações Sociais.

References


ANGRIMANI, D. Espreme que sai sangue: um estudo do sensacionalismo na imprensa. São Paulo: Summus, 1995.

BOURDIEU, P. A Distinção: Crítica Social do Julgamento. São Paulo: Edusp/Porto Alegre: Zouk, 2007.

CALDEIRA, T. São Paulo: três padrões de segregação espacial in: CALDEIRA, T. P. do R. Cidade dos muros. Crime segregação e cidadania em São Paulo. SP: Editora 34 / Edusp, 2000. p.211 a 255.

DIAS, A. R. F. O discurso da violência - as marcas da oralidade no jornalismo popular. São Paulo: EDUC/Cortez, 1996.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

MAGRINI, M. Vidas em enclaves. Imaginário das cidades inseguras e fragmentação socioespacial em contextos não metropolitanos. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, São Paulo, 2013.

MISSE, M. Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria “bandido”. Lua Nova, São Paulo, 2010.

_________. Sobre a construção social do crime no Brasil: esboço de uma intepretação. Acusados & Acusadores - Estudos sobre ofensas, acusações e incriminações. Rio de Janeiro: Revan, 2008.

ROCHÉ, S. Le Sentiment d’insécurité. Paris: Presses Universitaires de France, 1993.

SPINK, M. J. Desvendando as teorias implícitas: uma metodologia de análise das representações sociais. In: GUARESCHI, P. e JOVCHELOVITCH, S. Textos em representações sociais. 5 ed. Petrópolis: Vozes, 1994, p. 117-145.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-179

Refbacks

  • There are currently no refbacks.