“Avaliação de resistência insulínica em uma amostra de adolescentes” / "Evaluation of insulin resistance in a sample of adolescents"

Bruna Laub Obeid, Ana Carolina Zanin Moura, Inês Maria Crespo Gutierres Parto de Alexandre

Abstract


Introdução: A prevalência mundial da obesidade infantil vem apresentando um rápido crescimento nos últimos anos. A obesidade está associada a diversas morbidades, entre elas a resistência insulínica (RI). A RI é caracterizada pela ineficiência da insulina plasmática em concentrações consideradas normais, com captação periférica de glicose prejudicada. Essa situação pode ter graves consequências cardiovasculares e metabólicas, e sua prevenção e diagnóstico devem ser o mais precoce possível. Objetivos: avaliar os índices de insulina, glicemia e o perfil lipídico em 35 adolescentes obesos, além de calcular o índice de HOMA, comparando os achados com os da literatura. Metodologia:Trata-se de um estudo transversal retrospectivo, aprovado pelo comitê de ética local, no qual os dados foram obtidos nos prontuários de 35 pacientes atendidos em ambulatório especializado. A amostra foi composta por adolescentes de 10 a 18 anos classificados como obesos ou sobrepeso de acordo com a classificação da OMS. Resultados: Do total, 45,45% eram do sexo masculino e 54,54% do sexo feminino. As prevalências referentes ao sobrepeso e obesidade, respectivamente, foram de 40% e 60% para sexo masculino e para sexo feminino foram 50% e 50%. A idade média dos adolescentes do sexo masculino = 13,92 ± 0,47 anos e do sexo feminino = 15,25 ± 0,82, sem diferença entre os sexos (p=0,12). O IMC médio sexo masculino = 32,12 ± 3,24 e do sexo feminino 33,61 ± 1,48, sem diferença entre os sexos (p=0,43). HOMA (média) sexo feminino = 5,21 ±1,44 e no sexo masculino = 4,31 ± 0,72, sem diferença entre os sexos (p=0,59). A glicemia média sexo feminino = 90,5 ± 2,55 e no sexo masculino = 92,17 ± 2,02, sem diferença entre os sexos (p=0,42). A insulina média sexo feminino = 20,43 ± 4,93 e no sexo masculino = 19,17 ± 3,21, sem diferença entre os sexos (p=0,85). O nível de tiglicérides (média) no sexo feminino foi 108  ± 27,41 e no sexo masculino de 150 ± 28,8, sem diferença entre os sexos (p=0,40). O nível de colesterol médio no sexo feminino = 149,83 ±10,33 e no sexo masculino = 156,9 ± 21,07, sem diferença entre os sexos (p=0,87). Houve correlação positiva entre HOMA e os níveis séricos de insulina (p=0,00). Conclusão: Constatou-se que os indicadores antropométricos e metabólicos foram mais prevalentes em crianças e adolescentes com IMC igual ou superior ao ponto de corte adotado para a obesidade, uma vez que apresentaram maiores níveis de colesterol total, triglicérides e índice HOMA-IR em relação aos que apresentaram sobrepeso, assim como, a inter-relação entre os indicadores. Os níveis de insulina e HOMA-IR correlacionaram-se positivamente com as variáveis corporais e os resultados indicam que o nível de resistência à insulina deve ser monitorado em crianças e adolescentes com excesso de peso e de gordura corporal, pois quanto maior a resistência à insulina, maior a prevalência e/ou desenvolvimento a longo prazo de síndrome metabólica, consequentemente, maior o risco de desenvolvimento prematuro de diabetes e doenças cardiovasculares.


Keywords


Obesidade; Adolescente; Resistência Insulínica; HOMA-IR.

References


CABRERA, Marcos AS; Wilson Jacob Filho. Obesidade em Idosos: Prevalência, Distribuição e Associação com Hábitos e Co-morbidades. Arq Bras de Endocrinol e Metab, v. 45, n° 5, out 2001.

MELO, Maria Edna de. Doenças desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade. ABESO, Maio 2011.

OLIVEIRA, C L de; Fisberg, M. Obesidade na Infância e Adolescência – Uma Verdadeira Epidemia. Arq Bras de Endocrinol Metab, v. 47, n° 2, Abril 2003.

WORLD Health Statistics 2012, WHO. Disponível em: https://www.who.int/data/gho/publications/world-health-statistics

PARDO IM, MERCADANTE MP, ZANATTA MF, RAMOS VCS, NASCIMENTO SD, MIRANDA JEB. Prevalência de excesso de peso entre estudantes de ensino fundamental de escola pública e privada em Sorocaba, São Paulo, Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 16º de fevereiro de 2013 [citado 30º de setembro de 2021];8(26):43-50. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/545

OLIVEIRA, AMA; Cerqueira, EMM; Souza, JS; Oliveira AC. Sobrepeso e Obesidade Infantil: Influência de fatores biológicos e ambientais em Feira de Santa, BA. Arq Bras de Endocrinol e Metab, v. 47/2: 144-150, 2003.

CALLIARI, LE, Kochi C, Mancini MC, Geloneze B, Salles JEN, Lima JG, Carra MK. Síndrome Metabólica na Infância e Adolescência. AC Farmacêutica, 2010: 225-238.

Troiano RP, Flegal KM. Overweight children and adolescents: description, epidemiology, and demographics. Pediatrics 1998; 101(3 Pt 2):497-504.

MOREIRA, Sérgio R. et al. Predição da resistência à insulina em crianças: indicadores antropométricos e metabólicos. J. Pediatr. (Rio J.) 2008, vol.84, n°1: 47-52.

HERMSDORFF, HHM; Monteiro, JBR. Gordura Visceral, Subcutânea ou Muscular: onde está o problema?. Arq Bras Endocrinol e Metab, v. 48, n°6, dez 2004.

MADEIRA, IR; Carvalho, CNM; Gazolla, FM; Matos, HJ; Borges. MA; Bordallo, MAN. Ponto de Corte do Índic Homeostatic Model Assesment Resistance (HOMA-IR) Avaliado Pela Curva Receiver Operating Characteristic (ROC) na Detecção de Síndrome Metabólica em Crianças Pré-Púberes com Excesso de Peso. Ard Bras de Endocrinol e Metab 2008, v. 52/n° 9 : 1466-1473.

VASQUES, ACJ; Rosado, LEFPL; Alfenas, RCG; Geloneze, B. Análise Crítica dos Índices do Homeostasis Model Assesment (HOMA) na Avaliação da Resistência à Insulina e Capacidade Funcional das Células Beta Pancreáticas. Arq Bras Endocrinol Metab 2008, v. 52/n°1 : 32-39.

MOLLER, D.E., Flier ,J.S., Insulin Resistance - Mechanisms, Syndromes, and Implications. The New England Journal of Medicine. Sept. 1991.

KELLY, GS. Insulin resistance: lifestyle and nutritional interventions. Altern Med Rev 2000; 5: 109-32.

GELONEZE, Bruno; TAMBASCIA, Marcos Antonio. Avaliação laboratorial e diagnóstico da resistência insulínica. Arq Bras Endocrinol Metab, São Paulo, v. 50, n. 2, Apr. 2006

WAJCHENBERG, Bernardo L. et al. Resistência à insulina: métodos diagnósticos e fatores que influenciam a ação da insulina. Arq Bras Endocrinol Metab [online]. 1999, vol.43, n.2, pp. 76-85.

SUNE, Fabio R; Dias-da-Costa, Juvenal S; Olinto, Maria TA; Pattussi, Marcos P. Prevalência e fatores associados para sobrepeso e obesidade em escolares de uma cidade do Sul do Brasil. Cad. de saúde Pública, Rio de Janeiro, 23(6): 1361-1371, jun, 2007.

ALBANO RD, SOUZA SB. Estado nutricional de adolescentes: “risco de sobrepes” e “sobrepeso” em uma escola pública na do município de São Paulo. Cad Saúde Pública 2001; 17: 941-7.

GIUGLIANO R, MELO ALP. Diagnóstico de sobrepeso e obesidade em escolares: utilização do índice de massa corporal segundo padrão internacional. J Pediatria (Rio de janeiro) 2004; 80: 129-134.

GIUGLIANO R, CARNEIRO EC. Factors associated with obesity in school children. J Pediatria (Rio de Janeiro) 2004; 80: 17-22.

SOTELO YOM, COLUGNATTI FAB, TDDEI JAAC. Prevalência de sobrepeso e obesidade entre escolares de rede pública segundo três critérios de diagnóstico antropométrico. Cad Saúde Pública 2004; 20: 233-40.

IV Diretriz Brasileira sobre Dislipidemia e Prevenção de Ateroesclerose Departamento de Ateroesclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras de Cardiologia, vol 88, suplemento I, abril 2007.

SOUZA, MSF; Leme, RB; Franco, RR; Romaldini, CC; Tumas, R; Cardoso, AL; Damiani, D. Síndorme Metabólica em adolescentes com sobrepeso e obesidade. Rev Paul Pediatr; 25(3): 214-20; 2007.

FARIA, ER; Franceschini, FCC; Peluzio, MCG; Sant’Ana, FLR; Prioria, SH. Correlação entre Variáveis de Composição Corporal e Metabólica em Adolescentes do Sexo Feminino. Arq Bras Cardiol; 93(2) : 119-127, 2009.

I Diretriz de Prevenção da Aterosclerose na Infância e na Adolescência. Arq. Bras de Cardiol, Vol 85, Suplemento VI, Dez 2005.

WEISS, R, Dziura J, Burgert TS, Tamborlane WV, Taksali SE, Yeckel CW et al. Obesity and the metabolic syndrome in children and adolescents. N Engl J Med 2004;350:2362-74.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n10-382

Refbacks

  • There are currently no refbacks.