A importância do atendimento psicológico para crianças que testemunham violência doméstica/ The importance of psychological care for children witnessing domestic violence

Susiane Lima Bertulino Rocha, Stephany Lima Chaves, Cynthia Cristina Zulian

Abstract


O objetivo deste estudo foi analisar a importância da atuação do psicólogo no atendimento de crianças que vivem em ambientes onde a violência doméstica se faz presente. Neste estudo, os processos pelos quais a exposição à violência doméstica afeta o ajustamento e o desenvolvimento das crianças foram explorados mostrando à importância da atuação do psicólogo no atendimento dessas crianças, vítimas indiretas expostas à violência doméstica. Uma série de premissas e explicações teóricas foi usada para explicar as maneiras pelas quais as crianças podem ser adversamente afetadas pela violência familiar, como também mostrou que os estudos de intervenção da psicoterapia podem mostrar evidencias de mudanças dessas crianças expostas à violência doméstica quando recebem o atendimento adequado do profissional de psicologia. Do ponto de vista metodológico, tratou-se de um estudo qualitativo, com a utilização da entrevista semiestruturada como instrumento de coleta de dados. A pesquisa bibliográfica que foi realizada visou compor um quadro teórico necessário à análise dos dados coletados. Ao final desse estudo conclui-se que o atendimento psicológico com crianças vítimas diretas e indiretas da violência doméstica é de extrema importância para resgatarem sua autoestima, sua autonomia, e principalmente a subjetividade de sua infância que de alguma forma foi afetada pelo contexto abusivo dentro de casa. Então a atuação do psicólogo é indispensável, pois a violência traz muitos danos á saúde mental de todos envolvidos principalmente para criança, pois é a fase em que se constitui a personalidade.


Keywords


Atendimento psicoterápico. Violência doméstica. Crianças.

References


ALMEIDA, A. A.; MIRANDA, O. B.; FREITAS, L. M. Violência doméstica/intrafamiliar contra crianças e adolescentes: uma revisão bibliométrica. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 6(2), 298-311, 2013. Disponível em: Acesso em: 10 abr. 2021.

ANTONI, C.; KOLLER, S.H. O psicólogo ecológico no contexto institucional: uma experiência com meninas vítimas de violência. Psicol. Ciênc. e Profissão, vol.21, n.1, p.14-29, 2001.

BÖING, E; CREPALDI, M. A. O Psicólogo na Atenção Básica: uma Incursão pelas Políticas Públicas de Saúde Brasileiras. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(3), 634-649. 2010. doi: http://dx.doi.org/ 10.1590/S1414- 98932010000300014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientação para gestores e profissionais de saúde / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2010. 104, p.: il. - (Série F. Comunicação e Educação em Saúde) ISBN 978-85-334-16888.

BROWN, D. W, ANDA, R. F., TIEMEIER, H., FELETTI, V. J, EDWARDS, V. J, CROFT, J. B., GILES, W. H. ‘Adverse childhoodexperiencesandtheriskofprematuremortality’, American Journal of Preventative Medicine, vol. 37, no. 5, pp. 389 – 396. 2009.

CARMO, P. S. do; SAGAZ, V. R. A atuação do Psicólogo e resiliência em crianças vítimas de violência sexual intrafamiliar. 2016. Disponível em: .Acesso em: 08 abr. 2021.

CAPRICHOSO, D. R. de. Percepção de crianças expostas à violência interparental. (Dissertação - Mestre em Psicologia Jurídica). Universidade Fernando Pessoa. Porto, 2010. Disponível em:. Acesso em: 05 abr. 2021.

CASTRO, M., ALCÁNTARA-LÓPEZ, M., MARTÍNEZ, A., FERNÁNDEZ, V., SÁNCHEZ-MECA, J., & LÓPEZ-SOLER, J. (2017). VPI da mãe, tipo de maus-tratos na criança e presença de TEPT em crianças e adolescentes. Jornal Internacional de Pesquisa Ambiental e Saúde Pública, 14 (9), 1077. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2021.

COELHO, L e PISONI, S. Vygotsky: sua teoria e a influência na educação. Revista e – Ped – FACOS/CNEC Osório. Vol. 2 – nº 1 – Ago/2012. ISSN 2237-7077. Disponível em: h. Acesso em: 05 abr. 2021.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Relatório do II Seminário Nacional de Psicologia e Políticas Públicas. Políticas Públicas, Psicologia e Protagonismo Social. João Pessoa: Conselho Federal de Psicologia. 2003.

COSTA L. F.; BRANDÃO, S. L. Abordagem clínica no contexto comunitário: uma perspectiva integradora. Psicologia & Sociedade, 17, 33-41, 2005.

DURAND, J. G., SCHRAIBER, L. B., FRANÇA-JUNIOR, I. & BARROS, C. Repercussão da exposição à violência por parceiro íntimo no comportamento dos filhos. Revista Saúde Pública 45(2), 355-364. 2011.

DUTRA, E. Considerações sobre as significações da psicologia clínica na contemporaneidade. Estudos de Psicologia (Natal), 9, 381-387, 2004.

ECA. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Federal n. 8069, de 13 de julho de 1990. Diário Oficial da União. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2021.

FARIA M. R. G.V de. Polivitimização e revitimização em adolescentes [manuscrito]: avaliação e consequências para a saúde mental / Margareth Regina Gomes Veríssimo de Faria – Goiânia, 2015. 95 f.; 30 cm. Tese (doutorado) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia, 2015. Disponível em:. Acesso em: 26 out. 2021.

GONZÁLEZ, R. La Violenciaenel Entorno Familiar: La Infancia como Víctima. Desenvolupa, n° 35, pp. 1- 11. 2013. Disponível em:

Numeros/Numero-35/La-violencia-en-el-entorno-familiar. -La-infancia-como-victima-Rosa-Maria-Gonzalez-Merino>. Acesso em: 17 set. 2021.

HABIGZANG, L. F.; CAMINHA, R.M. Abuso sexual contra crianças e adolescentes: conceituação e intervenção clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

HUMPHREYS, C.; HOUGHTON, C. Literature Review: Betteroutcomes for childrenandyoungpeopleexposedtodomestic abuse – directions for goodpractice, Edinburgh: Scottish Government 2008.

LOURENCO, L. M. et al. O impacto do testemunho da violência interparental em crianças: uma breve pesquisa bibliométrica e bibliográfica. Gerais, Rev. Interinst. Psicol., Juiz de fora, v. 4, n. 1, p. 104-111, jun. 2011. Disponível em. Acesso em: 20 abr. 2021.

MACHADO, J. A., SANCHES, M. A. A Gênese da Violência Infantil. Caderno teológicoda PUC, Curitiba º2(1), 173-189. 2014.

MALDONADO, D. P. A. e WILLIAMS, L. C. de A. O comportamento agressivo de crianças do sexo masculino na escola e sua relação com a violência doméstica. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 10, n. 3, p. 353-362, set./dez. 2005.

MARTINEZ-TORTEYA, C. et al. A paternidade materna prevê a regulação bio comportamental infantil entre mulheres com histórico de maus-tratos na infância. DevPsychopathol. 2015; 26 (2): 379–392. doi: 10.1017 / S0954579414000017.

PALUBA, E. B. Violência familiar: Responsabilidade Profissional e Intervenções Psicológicas. 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2021.

PEREIRA, A. M. D. F., RODRIGUES DE ALMEIDA, D., CHACON DÓRIA, L., CAVALCANTI GUEDES, P., RAMALHO DE SOUSA, T., & PESSOA DE FRANÇA, W. L. (2008). O papel do psicólogo e das entidades junto a crianças e adolescentes em situação de risco. Psicologia Ciência e Profissão, 28(3). 2008.

REIS; D. M; PRATA, L. CRISTINA G; PARRA, C. R. O impacto da violência intrafamiliar no desenvolvimento psíquico infantil. 2018. Psicologia. pt - ISSN 1646-6977. Disponível em: Acesso em: 22 out. 2021.

RUTTER, M.; TAYLOR (eds) Child and Adolescent Psychiatry (4ª ed.). Londres: Blackwell. 2002.

SANI, A. I.; CARDOSO, D. A Exposição da criança à violência interparental: Uma violência que não é crime. Revista Julgar Online, 4, 1-10. 2013.

SANI, A. I. Crianças expostas à violência interparental. In C. Machado & R. A. Gonçalves (Orgs.). Violência e vítimas de crimes: crianças (pp. 95-127). Portugal: Quarteto. 2008.

SILVA, L. M. P. Violência doméstica contra a criança e o adolescente - Recife: EDUPE, 2002. 240 p. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2021.

VECINA, T.; FERRARI, D. (Org.). O fim do silêncio na violência familiar. Teoria e prática. São Paulo: Agora. 2002.

WINNICOTT, D. W. A família e o desenvolvimento individual (3ª ed.) (C.M.B. Cipolla, trad.) São Paulo: Martins Fontes (original publicado em 1965). 2005.

XIMENES NETO, F. R. G., SANTOS, M. P. S., SAMPAIO, J. J. C., OLIVEIRA, E. N., CUNHA, I. C. K., & LEITE, J. L. Análise da produção do cuidado desenvolvido pelo enfermeiro na atenção à criança e ao adolescente vítima de violência doméstica. Sanare, 12(1), 20-26, 2013. Disponível em: . 09 mar. 2021.

ZUBIZARRETA, I. Consecuencias psicológicas del maltrato doméstico em las mujeres y en sus hijos e hijas. 2004. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2021.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n11-021

Refbacks

  • There are currently no refbacks.