Zoneamento agroclimático para Monteverdia ilicifolia (Mart. ex Reissek) Biral (Celastraceae) no Distrito Federal, Brasil / Agroclimatic zoning for Monteverdia ilicifolia (Mart. ex Reissek) Biral (Celastraceae) in Distrito Federal, Brazil

Raphael Maia Aveiro Cessa, Patrícia Sedrez da Rosa e Silva, Tais Barbosa, Maycon Lemos de Oliveira

Abstract


Este trabalho objetivou realizar o zoneamento agroclimático para cultivo não irrigado da espinheira-santa no Distrito Federal. As etapas metodológicas utilizadas na elaboração do zoneamento foram: delimitação das faixas representativas de acordo com as exigências climáticas da cultura, espacialização e reclassificação dos elementos climáticos temperatura máxima, precipitação anual e período chuvoso (zoneamento climático) e classe de solo. Os dados climáticos foram provenientes do Instituto Nacional de Meteorologia a partir das estações meteorológicas automáticas localizadas no Distrito Federal e em Goiás no período de 2010 a 2017. As classes predominantes no zoneamento agroclimático da espinheira- santa no Distrito Federal foram “restrição climática”, “pouca restrição climática” e “pouca restrição climática e restrição de solo”, tornando-se a classe “pouca restrição climática” interessante ao cultivo da espinheira-santa naquela unidade federativa, pelo fato de que, a precipitação anual e acumulada no período chuvoso e os valores de temperatura máxima, embora maiores, estão próximos daqueles tidos como referência, não havendo impedimento sobre o tipo de solo utilizado como substrato.


Keywords


espinheira-santa, cultivo, componentes climáticos.

References


ALVARENGA, W. A; COELHO, E. M. P; SAKAI, O. A; ANDRICH, F; OGAWA, Y. L.

Characterization of Compounds in the Plant Maytenus ilicifolia Mart. Ex Reissek during the Initial and Adult Development Stage. European Journal of Medicinal Plants 31(12): 61-71, 2020.

BAGGIO, C. H., FREITAS, C. S., MAYER, B., SANTOS, A. C., TWARDOWSCHY, A., POTRICH, F. B., CIPRIANI, T. R., SOUZA, L. M., SASSAKI, G. L., LACOMINI,

M., MARQUES, M. C., MESIA-VELA, S. Muscarinic-dependent inhibition of gastric emptying and intestinal motility by fractions of Maytenus ilicifolia Mart ex. Reissek. J. Ethnopharmacol. 123, 385–391, 2009.

BIRAL, L.; SIMMONS, M. P.; SMIDT, E. C.; TEMBROCK, L.; BOLSON, M.;

ARCHER, R.; LOMBARDI, J. A. Systematics of New World Maytenus (Celastraceae) and a new delimitation of the genus. Systematic Botany, v. 42, p. 680-693, 2017.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância em Saúde. ANVISA. Formulário de Fitoterápicos: Farmacopeia Brasileira. Brasília: 2 ed. 2021. 223.p

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável. Departamento de Extrativismo. Espinheira-santa: boas práticas para o extrativismo sustentável orgânico / Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável. Departamento de Extrativismo. Brasília, DF: MMA, 2016.

CARVALHO-OKANO, R. M. de. Estudos taxonomicos do genero Maytenus Mol. emend. Mol. (celastraceae) no Brasil extra-amazônico. 1992. 261 f. Tese (Doutorado) - Curso de Ciências (Biologia Vegetal), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1992.

CERVI, A. C., PACIORNIK, E. F., VIEIRA, R. F., MARQUES, L. C. Espécies vegetais

de um remanescente de floresta de araucária. Acta Biológica Paranaense: Brazil. 1989; 18:73-114

DAF/SCTIE/MS. RENISUS - Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS. DAF/SCTIE/MS - RENISUS, 2009. Disponível em: < http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/junho/06/renisus.pdf>. Acesso em: 01 de abr. 2019.

DI STASI, L. C. Aspectos químicos e farmacológicos da espinheira-santa: uma análise da utilidade dos dados. In: REIS, M. S.; SILVA, S. R. Conservação e uso sustentável de plantas medicinais e aromáticas: Maytenus spp., espinheira- santa. Brasília: IBAMA, 2004. p.67-92.

EMBRAPA (EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA). Centro

Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos.

Brasília, Serviço de Produção de Informação, 1999. 412p.

FLORA do Brasil 2020 em construção. Celastraceae. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/ floradobrasil/FB604473 Acesso em: 01 jun. 2021.

FRITZSONS, E.; MANTOVANI, L. E.; WREGE, M. S. Relação entre altitude e temperatura: uma contribuição ao zoneamento climático no Estado de Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, n.1, v.18, p.80 – 92, 2016.

GUARINO, E. S. G; MOLINA, A. R; BARBIERI, R. L; Distribuição potencial de espinheira-santa (Monteverdia ilicifolia e M. aquifolia) e sua relação com os bancos ativos de germoplasma da Embrapa - Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2019. 15 p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento / Embrapa Clima Temperado, ISSN 1678-2518; 328)

KLEIN, R. M. Árvores nativas da Mata Pluvial da costa atlântica de Santa Catarina. Congresso Florestal Brasileiro – contribuições e trabalhos apresentados e pareceres das comissões. p. 65-103, 1968.

LANDAU, E. C.; MOURA, L.; GUIMARÃES, D. P. Mapeamento das épocas aptas para o plantio de milho consorciado com braquiária na segunda safra agrícola no Brasil. Sete lagoas-MG: Embrapa CNPMS, 2013. 15p. (Circular Técnica no187).

MAGALHÃES, P. M. Agrotecnologia para o cultivo da espinheira-santa. CPQBA- UNICAMP, [on line]. Disponível em: . Acesso em: 01 de abr. 2019.

NIERO, R., ANDRADE, S. F., CECHINEL FILHO, V. C. A review of the

ethnopharmacology, phy-tochemistry and pharmacology of plants of the Maytenus

Genus. Curr. Pharm.Des., 17(18), 1851–1871, 2011.

PERLEBERG, T. D.; SILVA, T. E.; VITÓRIA, J. M.; SILVA, P. S.; MAGALHÃES, R.

S. C.; BARBIERI, R. L.; COSTA, C. J.; MARIOT, M. P. Qualidade fisiológica e viabilidade de sementes de espinheira-santa (Monteverdia ilicifolia, Celastraceae) Scientia Plena,16(11), 113-101, 2020.

SANTOS, A. R.; RIBEIRO, C. A. A. S; SEDIYAMA, G. C.; PELUZIO, J. B. E.;

PEZZOPANE, J. E.; BRAGANÇA, R. Zoneamento agroclimático no ArcGIS 10.3.1: passo a passo. Alegre-ES: CAUFES, 2015. 58p.

SANTOS-OLIVEIRA, R.; COULAUD-CUNHA, S.; COLAÇO, W. Revisão da

Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek, Celastraceae. Contribuição ao estudo das propriedades farmacológicas. Brazilian Journal of Pharmacognosy, v. 19, n. 2 B, p. 650–659, 2009.

RADOMSKI, M. I.; WISNIEWSKI, C.; CURCIO, G.R.; RACHWAL, M. G.; SANTOS,

C. A. M. Caracterização de ambientes de ocorrência natural e sua influência sobre o peso específico e o teor de polifenóis totais de folhas de espinheira-santa (Maytenus ilicifolia Mart.) Revista. Brasileira de Plantas Medicinais., v.6, n.2, p.36-43, 2004.

SOSA, S., MORELLI, C. F., TUBARO, A., CAIROLI, P., SPERANZA, G., MANITTO,

P. Anti-inflammatory activity of Maytenus senegalensis root extracts and of maytenoicacid. Phytomedicine 14, 109–114, 2007.

TABARELLI, M.; VILLANI, J. P.; MANTOVANI, W. Estrutura, composição florística e dinamismo de uma floresta secundária na encosta atlântica, São Paulo. In: CONGRESSO FLORESTAL PANAMERICANO, 1°CONGRESSO FLORESTAL

BRASILEIRO, 7, 1993, Curitiba. Anais...

STEENBOCK, W. Fundamentos para o manejo de populações naturais de espinheira-santa, Maytenus ilicifolia Mart. ex Reiss. (Celastraceae). UFSC. Florianópolis, 2003.

VITORIA, J. M.; ZACARIAS, F. M.; MARIOT, M. P.; BARBIERI, R. L.; PINTO, J. R.

Ocorrência de cochonilhas em espinheira-santa (Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek). Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.15, n.2, p.176-179, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n11-089

Refbacks

  • There are currently no refbacks.