Representação social acerca da doença mental: uma revisão integrativa/ Social representation about mental illness: an integrative review

Natália de Cássia da Silva Lira, Monali Alves da Silva, Rachel Cardoso dos Santos Silva, Carlos Henrique Souza Andrade, Vivia Conceição da Silva

Abstract


O estudo teve como objetivo analisar publicações relacionada representação social acerca da doença mental. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura realizada através de materiais científicos indexados na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS). Foram utilizadas para a busca dos artigos as seguintes bases de dados: SCIELO BDENF e os descritores de saúde: Doença mental and Estigma social. Foram identificadas 3.030 produções. Após o refinamento com o uso dos filtros de acordo com os critérios de inclusão, resultou em 79 artigos, dos quais apenas 12 atenderam ao objetivo do trabalho. Considerando os critérios de inclusão: texto completo disponível, artigo original, publicação entre 2011 e 2021, disponíveis na língua portuguesa e dentro da temática sugerida na pesquisa. Foram lidos e categorizados de acordo com ano de publicação, tipo de estudo e temática. O estigma associado ao doente mental é uma cultura da nossa sociedade, enraizada nos preceitos manicomiais e viola constantemente a dignidade, o direito a uma qualidade de vida adequada, a saúde e a inclusão social. Inclusive a ligação entre este doente e os profissionais de saúde é constituída por ações dessa natureza. Observa-se que o preconceito e o rótulo de doente mental existem também no núcleo familiar impactando negativamente nas relações. Compreender o que acontece com o comportamento do outro e o porquê do diagnóstico, tratamento é fundamental para a aceitação e a manutenção do respeito. As ações em saúde e educação devem ser fortalecidas para esclarecer a comunidade dirimindo mitos e minimizando situações desagradáveis que podem inclusive por em risco a vida do paciente. Este processo pode ainda contribuir para adesão ao tratamento, promover qualidade de vida e autonomia, cidadania, e empoderamento aos cuidadores e responsáveis. 


Keywords


Saúde mental, Estigma, Profissionais de saúde.

References


ARAUJO, G. O. et al. Ganho de Conhecimento no Internato Médico em Psiquiatria Não Reduz Estigmatização dos Transtornos Mentais. Rev. bras. educ. med., Brasília, v. 43, n. 1, supl. 1, p. 424-430, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022019000500424&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 11 Abr. 2021.

ARBOLEDA-FLÓREZ, J; STUART, H. From Sin to Science: Fighting the Stigmatization of Mental Illnesses. Revue Canadienne de Psychiatrie. Canadá, v. 57, n. 8, p.457-463, 2012. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/230598402_From_Sin_to_Science_Fighting_the_Stigmatization_of_Mental_Illnesses. Acesso em: 27 fev. 2021.

CARVALHO, D. et al. O que sabem e pensam os enfermeiros sobre a doença mental: Estudo do conhecimento e atitudes estigmatizantes em saúde mental. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, Porto, n. spe7, p. 65-71, out. 2020. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1647-21602020000300010&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 11 abr. 2021.

CASSIANO, A. P. C.; MARCOLAN, J. F.; SILVA, D. A. Atenção primária à saúde: estigma a indivíduos com transtornos mentais. Rev. Enferm UFPE on line. 13:e239668, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/239668/32517. Acesso em: 11 abr. 2021.

CORDEIRO, F. R. et al. Cuidados de enfermagem à pessoa com esquizofrenia: Revista de Enfermagem da UFSM, vol. 1, n. 2, p 174- 181, Rio Grande do Sul, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/3123. Acesso em: 20 fev. 2021.

FERREIRA, Marcela dos Santos. Influência do ensino de saúde mental na modificação de atitudes estigmatizantes de alunos técnicos de enfermagem Dissertação (Mestrado profissional em educação profissional em saúde). Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2018.

FERREIRA, M. S.; CARVALHO, M. C. A. Educação para o enfrentamento do estigma: Uma intervenção educacional com alunos de enfermagem. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, Porto, n. 23, p. 15-22, jun. 2020. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1647-21602020000100003&lng=pt&nrm=iso. Acessos em 11 abr. 2021.

GILL, I. M. A.; SANTOS, J. C. P; LOUREIRO, L. M. J. Estigma em estudantes de enfermagem: antes e depois do contacto com pessoas com transtornos mentais. Rev enferm UERJ, Rio de Janeiro, v. 24, n.1:e12309, 2016. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/12309/17862. Acesso em: 11 abr. 2021.

GOFFMAN E. Estigma: Notas de manipulação da identidade deteriorada. 3ed. Rio de Janeiro: LTC. 2004.

JUNIOR, O. S. et al. Experiência, narrativa e conhecimento:

a perspectiva do psiquiatra e a do usuário. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 24 [ 4 ]: 1053-1077, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/physis/v24n4/0103-7331-physis-24-04-01053.pdf. Acesso em: 13 abr. 2021.

MARTINS, G. C. S et al. O estigma da doença mental e as residências terapêuticas no município de Volta Redonda-RJ. Texto contexto - enferm., Florianópolis, v. 22, n. 2, p. 327-334, jun. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072013000200008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 11 abr. 2021.

MOURA H. D. S. et al. Transtorno afetivo bipolar: sentimentos, estigmas e limitações. Rev. Enferm UFPE on line. 2019;13:e241665. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/241665. Acesso em: 11 abr. 2021.

NASCIMENTO, L. A.; LEÃO, A. Estigma social e estigma internalizado: a voz das pessoas com transtorno mental e os enfrentamentos necessários. História, Ciências, Saúde-Manguinhos. vol.26, n.1, p.103-121, Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/hcsm/v26n1/0104-5970-hcsm-26-01-0103.pdf. Acesso em: 23 fev. 2021.

PEREIRA, Rosemary Corrêa. Lugar de Louco é no Hospício?! Um estudo sobre as representações sociais em torno da loucura no contexto da reforma psiquiátrica. Tese (Mestrado). Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 1997.

ROCHA, F. L.; HARA, C.; PAPROCKI, J. Doença mental e estigma. Revista Médica Minas Gerais. v. 25, n. 4, p. 590-596, Minas Gerais, 2015. Disponível em: http://www.rmmg.org/artigo/detalhes/1876. Acesso em: 27 fev. 2021.

SALLES, M. M.; BARROS, S. Representações sociais de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial e pessoas de sua rede sobre doença mental e inclusão social. Saúde Soc. São Paulo, v.22, n.4, p.1059-1071, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12902013000400009&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 11 abr. 2021.

SANTOS, P. A. N.; MIRANDA, M. B. S. O percurso histórico da reforma psiquiátrica até a volta para casa. Revista Escola de Medicina e Saúde 15 Pública. Salvador, 2015, s/n, s/v, s/p. Disponível em: http://www7.bahiana.edu.br/jspui/bitstream/bahiana/366/1/O%20PERCURSO%20HISTORICO%20DA%20REFORMA%20PSIQUIATRICA%20ATE%20A%20VOLTA%2

PARA%20CASA.pdf. Acesso em: 20 fev. 2021.

SILVA, T. C. M. F.; MARCOLAN, J. F. Preconceito aos indivíduos com transtorno mental como agravo do sofrimento. Revista de Enfermagem UFPE on line. v. 12, n. 8, p. 2089-98, Recife, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/234776. Acesso em: 20 fev. 2021.

SOUZA, M. T.; SILVA, M. D; CARVALHO, R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010; 8(1 Pt 1):102-6. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2021.

VICENTE, J.B. et al. Aceitação da pessoa com transtorno mental

Na perspectiva dos familiares. Rev. Gaúcha Enferm. 2013;34(2):54-61.

Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472013000200007. Acesso em: 13 abr. 2021.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n11-096

Refbacks

  • There are currently no refbacks.