Plantas medicinais e o cenário da atenção farmacêutica no tratamento de distúrbios gastrointestinais / Medicinal plants and the scenario of pharmaceutical care in the treatment of gastrointestinal disorders

Marcos Vinícios Ferreira de Souza, Rayssa de Sousa Macedo, Doutor Marcio Trevisan

Abstract


Problemas gastrointestinais são multifatoriais e atingem a grande maioria da população, gerando impactos negativos na saúde e qualidade de

vida, mesmo não possuindo uma alta taxa de morbidade, aliado ao tratamento com medicamentos alopáticos o uso de plantas medicinais é bem-quisto e cientificamente comprovado, além disso, as plantas medicinais são mais acessíveis a população em algumas regiões do país. Esse trabalho se trata de uma revisão integrativa sobre as plantas medicinais e o cenário da atenção farmacêutica no tratamento de distúrbios gastrointestinais. Os artigos científicos foram selecionados nas bases de dados eletrônicas de busca Scientic Eletronic Library Online (SciELO), Literatura Latino-Americano e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e Medical Literature Analysis And Retrieval System Online (MEDLINE), no período de 2010 a 2021.Os resultados demonstraram que existe uma grande diversidade de plantas medicinais eficazes e auxiliares no tratamento de distúrbios gastrointestinais como a Psidium guajava (goiaba) e a Plectranthus barbatus (boldo brasileiro) que são algumas das plantas mais conhecidas e utilizadas, da mesma forma existem certas plantas que podem ocasionar reações, que vão desde alergias na pele e mucosas à problemas cardiovasculares, e em alguns casos mais graves podendo levar a óbitos. Essas reações acontecem principalmente pelo uso medicinal sem uma indicação respaldada cientificamente. Deste modo, concluiu-se que na grande maioria dos casos o uso das plantas medicinais é eficaz no tratamento dos distúrbios gastrointestinais e que o farmacêutico através da atenção farmacêutica pode contribuir bastante para o sucesso do tratamento com indicações e orientações ao paciente.

 

 


Keywords


Plantas medicinais, Atenção farmacêutica, Distúrbios gastrointestinais

References


ALVES, G.S.P.; POVH, J.A. Estudo etnobotânico de plantas medicinais na comunidade de Santa Rita, Ituiutaba – MG. Revista Biotemas, v.26, n.3, p.231- 242, 2013.

ARAÚJO, P.S. et al. Atividades farmacêuticas de natureza clínica na atenção básica no Brasil.Rev. Saúde Pública,v. 51, n. suppl 2, p. -, 2017.

BAHAMANI, M. et al. (2014). Identification of medicinal plants of urmia for treatment of gastrointestinal disorders. Brazilian Journal of Pharmacognosy, 24(4), 468–480. DOI: https://doi.org/10.1016/j.bjp.2014.08.001.

BELIZÁRIO, T.L.; SILVA, L.A. Abordagem etnobotânica no tratamento de parasitoses em comércios de fitoterápicos e numa comunidade rural em Uberlândia-MG. Enciclopédia Biosfera, v.8, n.15, p.1730-1739, 2012.

BRANDÃO, M. G. L. Plantas Medicinais e Fitoterapia. Faculdade de Farmácia da UFMG, 113p. Belo Horizonte. 2003.

BRASIL. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira/Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 2011.

BRASIL. CONSELHO FEDERAL DE FARMACIA. Resolução n° 586 de 26 de agosto de 2013. Regula a prescrição farmacêutica é da outras providências. Diário Oficial da União, Poder executivo, Brasília - DF, 29.ago.2013.

BRITO, N. M. et al. (2015). Plantas medicinais comercializadas no município de Cruz Das Almas, Bahia, Brasil. Revista Acadêmica Da FAMAM Textura, 8(15), 134–140. http://textura.famam.com.br/textura/article/view/141/127.

CORDEIRO, J. M. P., & FÉLIX, L. P. (2015). Conhecimento botânico medicinal sobre espécies vegetais nativas da caatinga e plantas espontâneas no agreste da Paraíba, Brasil. Revista Brasileira Piauiense de Medicina, 16(3), 685-692.

CUNHA, S.A. da; BORTOLOTTO, I.M. Etnobotânica de Plantas Medicinais no Assentamento Monjolinho, município de Anastácio, Mato Grosso do Sul, Brasil. Acta Botânica Brasilica, v.25, n.3, p.685-698, 2011.

GOIS, M. A. F. et al. (2016). Etnobotânica de espécies vegetais medicinais no tratamento de transtornos do sistema gastrointestinal. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 18, 547–557. DOI:https://doi.org/10.1590/1983-084X/15_170.

GONÇALVES, J. Q., & MORAIS, I. C. O. de. (2018). Uso Terapêutico De Plantas Medicinais E Efeitos Adversos. Journal of Chemical Information and Modeling, 53(9), 1689–1699. https://doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. PNS 2019: Sete em cada dez pessoas que procuram o mesmo serviço de saúde vão a rede publica. 04/09/2020, Agencia de noticias IBGE . Acesso em 05 de set. 2021.

LIRA, E. L. S. DE., et al (2020). Levantamento sobre plantas medicinais utilizadas em distúrbios do sistema digestivo no Municipio de Bezerros-PE. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 12, p.95818-95829 dec.2020. DOI: 10.34117/bjdv6n12-173.

LORENZI, H.; MATOS, J. F. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Instituto Plantarum, São Paulo. 2002. 512p. ISBN 0102.695x.

MAROYI, A. (2018). Albizia Adianthifolia: Botany, Medicinal Uses, Phytochemistry, and Pharmacological Properties. The Scientific World Journal, 1–18.

MENDES, V. A., STOCCO, P., LARA, A. C. de, OLIVEIRA, C. M. de, & LISBOA, H. C. F. (2018). Avaliação Do Uso De Produtos Naturais Na Prática Do Profissional De Saúde. Saúde (Santa Maria), 44(1). https://doi.org/10.5902/2236583419092.

MESSIAS, M. C. T. B., MEGANATTO, M. F. PRADO, A. C. C., SANTOS, B. R. e GUIMARÃES, M. F. M. (2015). Uso popular de plantas medicinais e perfil socioeconômico dos usuários: Um estudo em área urbana em Ouro Preto, MG, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 17(1), 76–104.

OLIVEIRA, K. K. B. de,. et al (2020). Plantas medicinais utilizadas para tratar distúrbios gastrointestinais: Revisão integrativa. Research, Society and Development, v. 9, n. 9, e438997164, 2020 (CC BY 4.0) | ISSN 2525-3409 | DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7164.

PAGANI, C. A. e SILVA, B. F. (2016). Uso popular de plantas medicinais no tratamento da ansiedade. Universidade Do Planalto Catarinense – UNIPLAC.

PIMENTA, R.; SCAPIN, E.; TREVISAN, M. (2020). Levantamento etnofarmacologico de plantas medicinais no município de Palmas, TO. ResearchGate. Recuperado em: https://www.researchgate.net/publication/346588867. Dezembro, 2020.

POTRICH, F. B. et al (2015). Ação de extratos de plantas medicinais sobre a motilidade do trato gastrointestinal. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 16(3), 750–754. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-084X/10_155.

QUIROGA, R.; MENESES, L.; BUSSMANN, RAINER; W. Medicinal ethnobotany in Huacareta (Chuquisaca, Bolivia). Journal of ethnobiology and ethnomedicine, v. 8, n. 1, p. 29, 2012.

REIS, K. R. DOS, & SILVA, F. G. DA. (2018). A relevancia da assitencia farmacêutica na atenção primaria. Psicologia E Saúde Em Debate.

SANTOS, G. S. dos.; SANTOS, B. S. dos. (2020). Uso popular de plantas medicinais para tratamento de distúrbios gastrointestinais. Research, Society and Development, v. 9, n. 11, e91891110560, 2020(CC BY 4.0) | ISSN 2525-3409 | DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i11.10560.

SILVA FM. Dispepsia: caracterização e abordagem. Rev Med. 2008; 87 (4):213-23. DOI:10.11606/issn.1679-9836.v87i4p213-223.

SOARES, A. J. S., ALKIMIM, A. C., OLIVEIRA, D. R., MENDONÇA, S. A. M., & RODRIGUES, I. (2021). Potencialidades da prática da atenção farmacêutica no uso de fitoterápicos e plantas medicinais. Journal of Applied Pharmaceutical Sciences.

SOUSA, I. J. O., De ARAUJO, S., NEGREIROS, P. dos S., FRANÇA, A. R. de S., ROSA, G. da S., NEGREIROS, F. dos S., & GONÇALVES, R. L. G. (2017). A Diversidade Da Flora Brasileira No Desenvolvimento De Recursos De Saúde. Revista Uningá, 31(1), 35–39. Recuperado de http://www.mastereditora.com.br/review

TREVISAN, M.; SEIBERT, S. C.; SANTOS, G. DOS M. (2021). O emprego da medicina tradicional no SUS e nos acidentes ofídicos em uma cidade da Amazônia legal. Revista Desafios. v. 08, n. 02,2021. DOI: https://dx.doi.org/10.20873/uftv8-10371.

THUMANN, TA. et al. The role of gut microbiota for the activity of medicinal plants traditionally used in the European Union for gastrointestinal disorders. Jornal of Ethnopharmacol. v. 5, n. 245, p. 112-153, 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFMS). Plantas medicinais nativas de uso popular no Rio Grande do Sul – Cartilha Plantas medicinais 2019. https://www.ufsm.br/app/uploads/sites/346/2019/12/Cartilha-Plantas-Medicinais.pdf Acesso em: 17/08/2021.

WANDERLEY, MARCELINO, S. L., et al. Uso de plantas medicinais por indivíduos da comunidade do Valentina-PB. Revista de Ciências da Saúde Nova Esperança, v. 13, n. 2, p. 99-105, 2015.

XAVIER, F. T., KANNAN, M. e AUXILIA, A. (2015). Observation on the traditional phytotherapy among the Malayali tribes in Eastern Ghats of Tamil Nadu, South India. Journal of Ethnopharmacology, 165, 198-214.

XIONG, Y. et al (2020). Ethnobotany and diversity of medicinal plants used by the Buyiineastern Yunnan, China. China: Plant Diversity.DOI: https://doi.org/10.1016/j.pld.2020.09.004.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n11-100

Refbacks

  • There are currently no refbacks.