Otite externa e média em cães: revisão de literatura / External and media otitis in dogs: literature review

Carolina Ferreira Silva, Breno Henrique Alves, Sávio Tadeu Almeida Júnior, Fabiana Mombelli de Abreu de Souza, Karoline Alves de Oliveira Marinho, Eid Lara Araújo Reis, Ligia Maria de Carvalho, Gabriele Flaviane Pereira

Abstract


A orelha é considerada o órgão da audição e do equilíbrio, tendo a responsabilidade de manter o autocontrole, a direção da posição do corpo no espaço e a compreensão de ruídos e sons. Divide-se em ouvido externo, ouvido médio e ouvido interno, sendo o ouvido interno o órgão do equilíbrio. A otite é a inflamação do conduto auditivo podendo ser classificada em recorrente, crônica ou aguda de acordo com a evolução do quadro. A otite externa é a patologia mais encontrada no ouvido dos cães, sendo ocasionada por diversos fatores como fungos, parasitas e bactérias e 50% a 89% dos casos possui otite média associada. Os animais acometidos normalmente apresentam sinais clínicos como dor, meneios cefálicos, prurido e secreção, odor fétido, entre outros. Um diagnóstico bem feito é fundamental, pois medicamentos desnecessários ou incorretos podem gerar resistência farmacologia. Em casos de otites médias crônicas, reincidentes e/ou não responsivas aos tratamentos farmacológicos uma abordagem cirúrgica pode ser necessária. O objetivo do presente do trabalho foi revisar a literatura a cerca das principais causas de otite externa e média e as principais formas de tratamento, buscando maior entendimento sobre as otites em cães. O conhecimento atualizado por meio dos médicos veterinários é fundamental, instituindo-se uma correta e eficiente terapia os animais, diminuindo assim as resistências farmacológicas. 

 

 


Keywords


Conduto auditivo. Tratamento.Patologia. Diagnóstico.

References


saudáveis e com otite externa na região metropolitana de Recife, Pernambuco. Pesquisa Veterinária Brasileira, Recife, 2016, v. 36, n. 1, p. 29-32, jan. 2016.

ALVES, Rafaela Maria Marques da Silva. Relatório do Estágio Supervisionado Obrigatório: uso da fibrotoscopia no diagnóstico e tratamento de otite em cães-relato de caso. 2019. 46f. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2019.

AZEVEDO, Renata Schons de. Semiologia do canal auditivo em cães e gatos: Revisão de Literatura. 2017.33f. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

CAMPOS, D. B.; PAPA, P. C. Órgãos do Sentido. In. DYCE, Keith. M. et al. Tratado de anatomia veterinária. 4 eds. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. Cap. 9. p. 685-696.

CAMPOS. Thais de. Perfil de resistência de bactérias causadoras de otite externa em cães em Porto Alegre – RS. 2011. 28f. Monografia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2011.

COLVILLE, Thomas P. Órgãos do Sentido. In. COLVILLE, Thomas P. et al. Anatomia e fisiologia clínica para medicina veterinária. 2.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. Cap. 14. p. 700-713.

CUNHA, Fernando M.et al. Avaliação clínica e citológica do conduto auditivo externo de cães com otite. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, São Paulo, 2003, v. 6, n. 1/3, p. 07-15, 2003.

CUSTÓDIO, Clara de Souza et al. Otite externa em cães: Revisão de Literatura. 2019. 43f. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal de Santa Catarina, Curitiba, 2019.

DÉGI, J. et al. Frequency of isolation and antibiotic resistance of staphylococcal flora from external otitis of dogs. Veterinary Record, Romênia, 2013, jun. 2013.

FERREIRA, Ana Gabriela Costa. Otite média canina: avaliação retrospectiva dos resultados de cultura e susceptibilidade antimicrobiana em 21 casos de ablação total do conduto auditivo e osteotomia da bula timpânica no cão. 2019. 71f.Dissertação (Mestrado). Universidade de Lisboa, Lisboa, 2019.

FOSSUM, T. W.; CAPLAN, E. R. Cirurgia do Ouvido. In. FOSSUM, T. W.et al. Cirurgia de pequenos animais. 4.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014. Cap. 18. p. 325-353.

GOMES, Cláudia Sofia Grosso de Matos. Tratamento cirúrgico de otites em cães: indicações, comparação das técnicas e complicações pós-cirúrgicas. 2015. 43f. Dissertação (Mestrado). Escola Universitária Vasco da Gama, Coimbra, 2015.

LIEBICH, H. G.; KÖNIG, H. E. Orelha (Auris). In: KÖNIG, Horst E. et al. Anatomia dos animais domésticos: texto e atlas colorido. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2016. Cap. 17. p. 601-614.

LUSA, Fabriele. T. e AMARAL, Rodrigo.V. Otite externa. PUBVET, Londrina, 2010, v. 4, n. 24, ed. 129, art. 876, 2010.

MACHADO, Vasco Manuel Morgado Caeiro. Otite externa canina: estudo preliminar sobre a otalgia e factores associados. 2013. 65f. Dissertação (Mestrado). Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, 2013.

MALAYERI, Hamed.Z.et al. Identification and antimicrobial susceptibility patterns of bacteria causing otitis externa in dogs. Veterinary research communications, Irã. 2010. v. 34, n. 5, p. 435-444, jun. 2010.

MARTINS, Edna A.et al. Estudo clínico e microbiológico de otite externa de cães atendidos em hospital veterinário do noroeste paulista. Acta VeterinariaBrasilica, São Paulo, 2011, v. 5, n. 1, p. 61-67, 2011.

MEGID, Jane et al. Otite canina: etiologia, sensibilidade antibiótica e suscetibilidade animal. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, 1990, v. 11, n. 1, p. 45-48, 1990.

MOREIRA, Camila Alencar. Atividade in vitro de agentes antimicrobianos contra biofilmes de Staphylococcusssp. De otite canina. 2011. 103f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2011.

OLIVEIRA, Verônica B. et al. Etiologia, perfil de sensibilidade aos antimicrobianos e aspectos epidemiológicos na otite canina: estudo retrospectivo de 616 casos. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, 2012, v. 33, n. 6, p. 2367-2374, nov-dez. 2012.

VALENTE, Fernanda S. et al. Ablação de canal auditivo vertical em um cão. Acta ScientiaeVeterinariae, Porto Alegre, 2011, v. 39, n. 4, p. 1-5, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n11-118

Refbacks

  • There are currently no refbacks.